Universidade estadual de campinas


Núcleo Interdisciplinar de Comunicação Sonora



Descargar 4.56 Mb.
Página74/95
Fecha de conversión03.12.2017
Tamaño4.56 Mb.
Vistas2283
Descargas0
1   ...   70   71   72   73   74   75   76   77   ...   95

Núcleo Interdisciplinar de Comunicação Sonora

E0580

WEBVOX: UM AMBIENTE INTERATIVO APLICADO À SONIFICAÇÃO DE TRAJETÓRIAS ROBÓTICAS PELA WEB


Gustavo Solaira Medeiros de Paula (Bolsista FAPESP), Eliane G. Guimarães e Profa. Dra. Artemis Maria Francelin Sanches Moroni (Orientadora), Núcleo Interdisciplinar de Comunicação Sonora - NICS, UNICAMP
Este desenvolvimento é parte do projeto AURAL, um ambiente computacional para controlar a interação de informação sonora, visual e robótica. Em síntese, o processo culmina com a criação de trajetórias para robôs móveis que se integram com o controle visual e sonoro. Os objetivos deste desenvolvimento são a inserção do robô Pioneer P3-DX no ambiente, através do desenvolvimento de um módulo de controle de trajetórias, e a disponibilização do ambiente para uso através da internet, utilizando a infra-estrutura fornecida pelo projeto REAL desenvolvida na FEEC/UNICAMP e DRVC/CTI. A pesquisa produziu um módulo de controle geral para robôs móveis que poderá ser adaptado e estendido para outros usos além do escopo deste projeto. A arquitetura desenvolvida para o sistema WebVOX e as etapas de seu desenvolvimento também constituem técnicas que poderão ser estudadas e aplicadas em outros projetos com características similares.

Robótica - Web Labs - Controle de trajetórias



Universidade Federal de São Paulo

E0581

EMPREGO DE NANOTUBOS DE TIO2 NA DEGRADAÇÃO FOTOCATALÍTICA DO CORANTE REATIVO AZUL 4


Camila Pedrosa Ferreira (Bolsista FAPESP) e Profa. Dra. Christiane de Arruda Rodrigues (Orientadora), Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP, UNIFESP
A tecnologia de Processos Oxidativos Avançados (POA) tem se mostrado um método eficiente no tratamento de águas e efluentes industriais. Dentre os tipos de POA, destaca-se a fotocatálise heterogênea (FH), que envolve a formação de radical hidroxila (OH) a partir da irradiação UV em um fotocatalisador, geralmente um semicondutor do tipo TiO2. Visando aumentar a eficiência da FH na degradação de corantes reativos, este trabalho apresenta o uso de nanoestruturas de TiO2, obtidas via anodização eletroquímica para degradação do corante reativo azul 4. Inicialmente investigou-a variação do diâmetro interno e externo dos nanotubos com relação aos fatores: concentração de HF e agitação do eletrótilo, a distância entre catodo (Pt) e anodo (Ti), e o tempo de anodização. Estes ensaios foram realizados em uma cela de acrílico, sob potencial constante de 20V. Foi feito um planejamento fatorial 24 e os efeitos ajustados segundo uma equação que relaciona as variáveis e suas interações. Nanotubos com diâmetro interno de aproximadamente 50 e 100 nm foram submetidos ao recozimento, para obtenção de uma fase cristalina com elevada atividade fotocatalítica, a anatase, cuja presença pôde ser detectada através da análise de DRX. Nos ensaios de degradação do corante monitorou-se sua descoloração e o teor de carbono orgânico total (COT), que apresentou uma remoção em torno de 35%.

Nanotubos de TiO2 - Fotocatálise heterogênea - Processos oxidativos avançados





PROJETOS DA ÁREA DE CIÊNCIAS HUMANAS




Faculdade de Ciências Médicas

H0582

SOCIABILIDADE MODERNA, DINÂMICA FAMILIAR E DIFICULDADES DE DESENVOLVIMENTO


Mariana Miranda Fumelli Monti (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Adriana Lia Friszman de Laplane (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
O projeto buscou realizar um levantamento das dinâmicas familiares de crianças com alterações no desenvolvimento e na sociabilidade, visando a compreensão das relações entre esses fatores. O objetivo foi conhecer essas práticas do cotidiano das famílias no que se refere à educação, permissividade e comportamento social e de que maneira elas interferem no desenvolvimento da criança. Os sujeitos escolhidos para a pesquisa freqüentam o CEPRE/FCM/UNICAMP e participam de atendimentos na área da linguagem e desenvolvimento. Os dados foram obtidos através de entrevistas semi-estruturadas realizadas com a família, que foram gravadas e transcritas para análise dos dados. Foi realizado um levantamento bibliográfico sobre a história da família ao longo dos anos e sobre as mudanças no papel da criança, na educação e sobre a sociabilidade moderna. Alguns dos resultados obtidos na pesquisa: a restrição da família a atividades de lazer e de convívio social, dificuldades na aceitação da deficiência pela sociedade e pela própria criança, restrição de oportunidades de interação e inclusão, dificuldades de estabelecer e negociar limites com os filhos, necessidade de participação de familiares, vizinhos e amigos na dinâmica da família, dificuldade de educar já que os familiares interferem nas decisões dos pais, entre outros.

Sociabilidade - Família - Desenvolvimento

H0583

QUEIXAS ESCOLARES: RELATO DE EXPERIÊNCIA DE TRABALHOS EM GRUPO COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES


Nilce Deciette, Maísa Elena Ribeiro, Mariana Aribé Alves, Mariana Cristina Campos Godoy, Cecília Guarnieri Batista (Co-orientadora) e Profa. Dra. Adriana Lia Friszman de Laplane (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
No presente trabalho descreve-se as atividades realizadas nos grupos de convivência de crianças e adolescentes do CEPRE/FCM/UNICAMP composta por profissionais de pedagogia e psicologia, fundamentando-se na concepção teórica do sociointeracionismo e priorizando intervenções grupais. O público alvo é encaminhado pela rede pública de ensino municipal, estadual e Sistema Único de Saúde (SUS). No presente trabalho nos detivemos aos grupos de leitura e escrita (GRULE) que, atualmente, contam com vinte e uma crianças e adolescentes com queixa/diagnóstica de alteração e/ou atraso no desenvolvimento, e dificuldades escolares (principalmente leitura e escrita), na faixa etária entre 7 e 14 anos, distribuídas em quatro grupos com atendimentos semanais, com duração de uma hora e meia cada. O GRULE procura por meio de projetos temáticos de intervenção promover de forma lúdica e dinâmica a convivência, o contato social, o conhecimento e a aprendizagem. Assim, o foco da intervenção está centrado em encontrar, reconhecer e valorizar as habilidades e competências dos participantes. Podemos observar que as estratégias utilizadas durante os encontros permitem fortalecimento de vínculo com as crianças e adolescentes e melhora suas relações dentro e fora dos grupos. Desta forma eles se tornam mais capazes de enfrentar a realidade escolar.

Queixa escolar - Dificuldade de aprendizagem - Trabalho em grupo

H0584

O BRINCAR EM CRIANÇAS PRÉ-ESCOLARES COM QUEIXAS DE ALTERAÇÃO DE LINGUAGEM: IDENTIFICANDO COMPETÊNCIAS


Amanda Brait Zerbeto (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Cecília Guarnieri Batista (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
O brincar é considerado, pelos principais teóricos do desenvolvimento, como a principal atividade da criança, e como fator de seu desenvolvimento global. O brincar pode, também, ser utilizado para identificar habilidades em crianças que apresentam alterações no seu desenvolvimento. Nesse sentido, o presente projeto tem como objetivo a identificação de habilidades no uso de brinquedos e nos modos de brincar, de crianças com queixa de alterações de linguagem, na faixa etária entre 18 meses e quatro anos de idade. As sessões foram videogravadas e os episódios mais significativos foram transcritos e analisados. Para a análise dos dados coletados, foram utilizadas categorias relativas a competências sociais, cognitivas e lingüísticas e relativas aos modos de manuseio de objetos (tipos de uso: baseado nas características físicas do objeto, convencional, baseado em modelo e/ou instrução imediata e faz - de – conta). Foi possível observar que, para muitas crianças, a atividade do brincar permitiu a identificação de diferentes competências, incluindo atenção, contato visual, exploração, seguimento de orientações de adultos, imitação de ações, uso de gestos convencionais e, em alguns casos, fala. Entre as crianças com pouca ou nenhuma linguagem oral, o manuseio de objetos revelou-se particularmente importante como indicador de desenvolvimento. A análise realizada sugere que o brincar é uma atividade particularmente relevante para a identificação de competências em crianças com queixas de alterações de linguagem.

Jogo simbólico - Alteração de linguagem - Avaliação de habilidades

H0585

COLABORAÇÃO/PARTICIPAÇÃO: ESTRATÉGIAS NO ATENDIMENTO ODONTOLÓGICO DE CRIANÇAS


Camila Lima Nascimento (Bolsista SAE/UNICAMP) e Profa. Dra. Cecília Guarnieri Batista (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
A relação profissional-paciente envolve questões relacionadas à colaboração/participação do paciente no seu próprio atendimento, e permeia todas as profissões da área da saúde. Para avaliar questões relativas ao grau de autoconfiança de estudantes de Odontologia no atendimento de crianças consideradas não-colaboradoras, foi aplicado um questionário contendo 10 situações-problema em odontopediatria. O objetivo do presente estudo foi realizar uma análise detalhada das respostas ao questionário, tendo como foco as duas questões com resultados mais discrepantes em relação ao nível de autoconfiança dos respondentes. A análise de conteúdo mostrou diferenças em relação aos seguintes aspectos: nível de detalhamento das respostas, categorias predominantes e sequências de categorias, para cada questão. Observou-se uma relação entre o nível de autoconfiança frente à situação apresentada e as estratégias utilizadas. Na questão em que o nível de autoconfiança foi mais baixo, as categorias mais freqüentes foram Restrição/Ameaça e Tranquilização, enquanto na questão com nível de autoconfiança mais alto, as categorias mais freqüentes foram Explicação e Tranquilização. Considerou-se que o estudo permitiu identificar aspectos a serem focados no planejamento do ensino em Odontologia.

Relação profissional-paciente - Colaboração e participação - Atendimento odontológico

H0586

ATENDIMENTO ODONTOLÓGICO DE UMA CRIANÇA SURDA COM HISTÓRICO DE RECUSA DO TRATAMENTO


Michele Frederico (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Cecília Guarnieri Batista (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
O atendimento odontológico envolve procedimentos técnicos e, também, o estabelecimento da relação terapeuta-paciente, o que é especialmente relevante quando se trata de pacientes especiais. O objetivo do presente estudo foi apresentar um estudo de caso de uma criança surda, com histórico de recusa do atendimento odontológico, focando a atuação da dentista e os modos de participação da criança. As sessões foram transcritas, analisadas e os dados categorizados. Foram adaptados sistemas de categorias descritivos das ações do odontopediatra. As categorias da criança foram agrupadas em “reações a solicitações”, e “iniciativas de contato” em relação ao odontopediatra. A análise de seis sessões indicou que a criança passou a colaborar com o atendimento, reduzindo ações categorizadas como obstáculo ou impedimento ao tratamento. Nas últimas sessões, observou-se alto grau de participação da criança, incluindo aumento nas iniciativas de contato. Quanto à atuação da odontopediatra, observou-se predomínio de categorias relacionadas à tranquilização da criança, à explicação dos procedimentos e à possibilidade de controle parcial da situação pela criança. Considerou-se que os dados contribuíram para a compreensão da relação odontólogo-paciente, e dos modos de ação que propiciam a colaboração/participação da criança no tratamento.

Interação dentista/paciente - Humanização no atendimento - Colaboração/participação

H0587

A REPRESENTAÇÃO DA ESCRITA PARA OS PAIS DE CRIANÇAS COM DIFICULDADES ESCOLARES


Juliana do Nascimento Trentini (Bolsista SAE/UNICAMP) e Profa. Dra. Ivani Rodrigues Silva (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
Levando em consideração o fato de que ninguém escreve ou lê sem motivos e a importância da motivação na atenção e no aprendizado em geral; sabendo-se ainda da influência da cultura e conseqüentemente a influência da família para a formulação da criança sobre o que é importante ou relevante, esse projeto de pesquisa visa estudar a representação da leitura e da escrita para os pais de crianças com dificuldades de aquisição da língua escrita em atendimento no estágio de leitura e escrita da clínica de fonoaudiologia do CEPRE/FCM/UNICAMP. O objetivo deste trabalho é investigar a representação que os pais de crianças com queixas escolares têm sobre a escrita. Para isso, será realizado um estudo bibliográfico; um trabalho de campo com entrevistas e oficinas com os pais de crianças com queixa escolar em atendimento no CEPRE/FCM/UNICAMP; também estudar as implicações dessa representação na aquisição da língua escrita por parte da criança. Os dados serão analisados de acordo com o referencial teórico estudado de maneira qualitativa.

Letramento - Família - Clínica fonoaudiológica

H0588

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE LETRAMENTO DE CRIANÇAS SURDAS FILHAS DE FAMÍLIAS OUVINTES


Natália Bonin dos Santos (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Ivani Rodrigues Silva (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
Há uma diferença significativa entre os tipos de letramento, não apenas quanto a suas características, mas, principalmente, quanto ao impacto que geram no confronto com o padrão escolar. O desconhecimento da orientação de letramento do grupo social à que pertence uma criança pode impedir a compreensão do desenvolvimento e das necessidades que ela apresenta. Nesse contexto, fica clara a necessidade de investigar a orientação de letramento das comunidades a que pertencem as crianças, neste caso, filhos surdos de pais ouvintes oriundos de meios iletrados. O desenvolvimento dessas crianças surdas não pode ser considerado isoladamente, mas sim em relação aos fatores que o produziram, sendo necessário considerar o contexto em que ocorre o desenvolvimento do letramento e as diferenças individuais. Neste trabalho investigamos as experiências de letramento de mães ouvintes e de seus filhos surdos que freqüentam o programa Escolaridade e Surdez do CEPRE. A partir disso, pretende-se observar de que maneira a história de letramento da família influencia as condições de letramento de filho surdo, ou seja, avaliar por meio da narrativa desse grupo de mães, e dos registros das crianças de que maneira as experiências de letramento vivenciadas pelos familiares têm reflexos nas condições de domínio e uso da leitura e da escrita por esse grupo de surdos.

Letramento - Surdez - Família

H0589

FAMÍLIA E CAPITAL CULTURAL: IMPACTO NOS PROBLEMAS DE LEITURA E ESCRITA


Fernanda Batista Mendonça e Profa. Dra. Zélia Zilda Lourenço de Camargo Bittenco (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
Problemas de leitura e escrita podem ter origem nas raízes culturais e econômicas das famílias. O desempenho dos alunos na sala de aula reflete a quantidade e qualidade de conhecimentos e estímulos que trazem de casa, conseqüência do capital cultural, conforme conceito de Bourdieu. Este estudo tem o objetivo de conhecer os aspectos sociais e culturais de familiares de crianças e adolescentes atendidos na Clínica de Fonoaudiologia do CEPRE que oferece um acompanhamento sistemático aos pacientes. O trabalho interdisciplinar é realizado por uma equipe composta de pedagogos, fonoaudiólogos, linguistas e assistentes sociais cuja proposta é superar as dificuldades de leitura e escrita por meio do estimulo à criatividade, despertando o interesse por referido tema. Atualmente são atendidos vinte e sete pacientes na faixa etária de oito a vinte quatro anos de idade, 20 do gênero masculino e 07 do feminino, sendo a maioria de Campinas. Os pacientes são encaminhados pelas escolas da rede municipal e postos de saúde de Campinas e região, sendo as principais queixas dificuldade de aprendizagem e de leitura e escrita. Foi possível observar, até o momento, nos atendimentos realizados a influência do pobre repertório lingüístico/cultural das famílias no desenvolvimento da comunicação desses pacientes.

Família - Capital cultural - Aspectos sócio-econômicos

H0590

O USO DA LÍNGUA DE SINAIS E O PAPEL DA FAMÍLIA NO DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA SURDA


Denise Marina Ramos (Bolsista FUNDAP) e Profa. Dra. Zilda Maria Gesueli (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
Na presente pesquisa ressalta-se o papel da família no desenvolvimento da criança surda. Neste sentido, considera-se relevante o uso da Língua de Sinais visando a qualidade da interação família/criança surda, interação esta de extrema relevância para o desenvolvimento lingüístico-cognitivo da criança, assim como, para a formação da auto-imagem do surdo (Silva, 2003). Segundo Góes, o desenvolvimento cultural só pode constituir-se na linguagem, assim, no caso da criança surda, o uso da Língua de Sinais como primeira língua é de fundamental importância, pois é por meio dela que as crianças buscam ler e interpretar o mundo. Desse modo, esta pesquisa tem por finalidade observar como o uso da Língua de Sinais favorece a qualidade das interações família/criança surda e, como estas interações contribuem para o desenvolvimento da criança nas esferas cognitiva, lingüística, social e emocional. Para a realização da pesquisa, estaremos atuando com um grupo de crianças surdas, na faixa etária de 6 a 8 anos, e com seus pais ouvintes. No contato com pais em interação com seus filhos surdos observamos que as crianças cuja família assume a Língua de Sinais como primeira língua, conseguem adquirir competência na língua, permitindo que elas tenham um desenvolvimento como o de qualquer outra criança (Silva, 2003).

Língua de sinais - Interação - Criança surda





Compartir con tus amigos:
1   ...   70   71   72   73   74   75   76   77   ...   95


La base de datos está protegida por derechos de autor ©psicolog.org 2019
enviar mensaje

enter | registro
    Página principal


subir archivos