Universidade estadual de campinas


DEGRADAÇÃO DE ARGAMASSA DE CIMENTO COMUM E COMPOSTO POR ATAQUE DE ÁCIDOS ORGÂNICOS



Descargar 4.56 Mb.
Página73/95
Fecha de conversión03.12.2017
Tamaño4.56 Mb.
Vistas2256
Descargas0
1   ...   69   70   71   72   73   74   75   76   ...   95

DEGRADAÇÃO DE ARGAMASSA DE CIMENTO COMUM E COMPOSTO POR ATAQUE DE ÁCIDOS ORGÂNICOS


Marina Mixtro Serrasqueiro (Bolsista SAE/UNICAMP) e Profa. Dra. Inés Joekes (Orientadora), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
O cimento é uma das matérias primas mais antigas da humanidade e é utilizado em grande escala até os dias atuais. Porém, seu comportamento perante o ataque ácido ainda requer estudos para ser realmente entendido, principalmente no que diz respeito aos ácidos orgânicos. No presente trabalho se avaliou gravimetrica e cineticamente o ataque dos ácidos orgânicos cítrico, acético e pentanóioco aos corpos de prova de cimento simples (CP-V) e cimento composto (CP-II e CP-III). As análises gravimétricas foram feitas para os ácidos cítrico e acético, imergindo os corpos de prova em soluções de concentração 1 mol L-1 durante dez semanas com renovação e cálculo de porcentagem de massa semanalmente. Para o ácido pentanóico, utilizou-se a concentração de 0,1 mol L-1 e renovou-se a solução diariamente. Nas análises cinéticas contou-se o tempo necessário, de imersão dos corpos de prova, para que houvesse um aumento de uma unidade de pH em soluções dos três ácidos nas concentrações 0,10; 0,010 e 0,0010 mol L-1. Todos os ensaios foram feitos em triplicata de amostra. Um dos resultados surpreendentes obtidos durante o primeiro ano de desenvolvimento do projeto foi a grande porcentagem de perda de massa gerada pelo ácido cítrico, comparável com a perda de massa observada com ácidos fortes.

Argamassa - Cimento composto - Ataque ácido

E0519

DANOS CAUSADOS AOS CABELOS PELA EXPOSIÇÃO À ÁGUA DE PISCINA TRATADA COM CLORO NA PRESENÇA DE RADIAÇÃO ULTRAVIOLETA E EM DIFERENTES PHS


Rafael Pires de Oliveira (Bolsista SAE/UNICAMP) e Profa. Dra. Inés Joekes (Orientadora), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
Um dos efeitos relatados pelas pessoas que tomam banho de piscina é o dano causado aos cabelos. Como as piscinas são, em sua maioria, tratadas com cloro, acredita-se que este seja o causador destes. Este trabalho identifica e quantifica os danos causados pela água de piscina, avaliando a ação real do cloro na cor dos cabelos, e a combinação de outras variáveis: pH da água e incidência de radiações UV. O estudo foi realizado utilizando mechas de cabelos caucasianos nas tonalidades loiro (tingido e virgem) e preto (também tingido e virgem), e solução de cloro a partir do hipoclorito de cálcio. Em solução de cloro, levemente ácida, sem incidência de radiação UV, os cabelos pretos descoloridos (loiros não-naturais) tendem a se tornarem menos vermelhos, enquanto os cabelos escuros (naturais ou não) tendem a se tornarem mais vermelhos. Tanto os cabelos claros quanto os escuros (naturais ou não) apresentam tendência de tornarem-se mais amarelos. As quatro mechas estudadas tornam-se mais claras, sendo esta mudança mais intensa nos cabelos pretos (naturais ou não).

Degradação de cabelo - Degradação fotoquímica - Oxidação química

E0520

ATAQUE ÁCIDO A ARGAMASSAS DE CIMENTO COM AGENTE IMPERMEABILIZANTE PVAOH + SILICATO DE SÓDIO


Rafael Silveira Porto (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Inés Joekes (Orientadora), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
O projeto visou à realização de testes de ataque ácido em argamassas de cimento preparadas com a adição do impermeabilizante PVAOH + silicato de sódio. Sua importância reside no fato de que a degradação ácida é um dos grandes problemas enfrentados pelas estruturas construídas à base de cimento. Os corpos de prova foram preparados com cimento Portland CP II e CP III e foram utilizadas duas diferentes relações água/cimento a fim de simularmos argamassas para reboco (a/c = 0,80) e para construção em geral (a/c = 0,48). Os corpos de prova foram submetidos a ataques ácidos durante 10 semanas, com analises gravimétricas semanais a fim de determinarmos a extensão de sua degradação ante os ácidos clorídrico e sulfúrico. Para os ensaios com HCl, todos os corpos de prova aditivados apresentaram uma menor perda percentual de massa quando comparados aos de controle (sem aditivo), especialmente os corpos de CP II e CP III com a/c 0,80 em HCl 0,1M, em que a perda de massa dos aditivados foi reduzida a praticamente 0% durante o período de ensaios. Assim, a combinação PVAOH + silicato de sódio se mostrou eficiente no retardo do ataque ácido, o que, aliado ao seu menor custo comparado ao impermeabilizante comumente disponível no mercado, o torna um produto cuja comercialização e aplicação é bastante viável e promissora.

Ataque ácido - Durabilidade - Cimento composto

E0521

EFEITO DE CONDICIONADOR COMERCIAL E DE SILICONE NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS E DE DIFUSÃO DE FIBRAS CAPILARES


Verônica Leite Queiroz (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Inés Joekes (Orientadora), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
Condicionadores comerciais possuem diversas formulações e são amplamente usados em cabelo. No entanto, pouco se conhece sobre sua ação na fibra capilar. O objetivo deste projeto é analisar a ação de surfactante catiônico quaternário de amônio junto com silicone, nas propriedades mecânicas e de difusão do cabelo. Os ensaios realizados foram de tensão-deformação e de difusão. As amostras usadas foram mechas de cabelo Caucasiano castanho escuro padrão e comum, além de mechas oxidadas dos mesmos. Obteve-se uma deformação específica de aproximadamente 80% para a maioria das mechas analisadas. No entanto, os efeitos observados para as amostras de cabelo padrão e comum não foram os mesmos. Para as amostras padrão observou-se a tendência de uma maior regularidade nas mechas tratadas apenas com silicone do que com catiônico e silicone. Porém, algumas mechas tratadas apenas com silicone mostraram-se menos regulares que suas respectivas amostras controle. Além disso, maiores valores de tensão e também uma faixa mais estreita na região Hookeana da curva destas amostras foram observadas. Já para o cabelo comum, o efeito descrito não foi tão nítido; uma melhor resposta foi obtida para o tratamento com surfactante catiônico quaternário de amônio com silicone do que com silicone.

Cabelo - Degradação - Condicionadores

E0522

ESTUDOS EM SISTEMAS POLIMERICOS E CERÂMICOS


Maria Paula Grangeiro Rodrigues (Bolsista IC CNPq) e Profa. Dra. Inez Valeria Pagotto Yoshida (Orientadora), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
Recentemente, tem sido feito esforços na substituição de polímeros sintéticos por naturais na preparação de materiais compósitos, em muitas aplicações. Entre os polímeros naturais, a quitosana apresenta biocompatibilidade, natureza não-tóxica de seus produtos de degradação, apresentando grande potencialidade em aplicações médicas, tais como ossos, tecidos biológicos e no desenvolvimento de biomateriais em geral. Entretanto, ela intumesce em soluções aquosas, deformando o material, o qual muitas vezes deve manter sua forma de origem durante o uso. Objetivando-se a melhora na propriedade mecânica da quitosana, sem comprometer sua biocompatibilidade, vários estudos têm focado na obtenção de (nano)compósitos deste polímero com outros polímeros orgânicos (celulose ou poli(álcool vinílico)), ou com materiais inorgânicos (hidroxiapatita e argilas). Estes compósitos não apenas apresentam boas propriedades mecânicas, como mantêm características de biodegradabilidade, atividade antibactericida, hidrofilicidade, etc. Neste trabalho, obtiveram-se (nano)compósitos de quitosana com argila montmorilonita e estudou-se suas propriedades físico-químicas e biológicas, concluindo que estas foram melhoradas em relação aos compósitos de quitosana pura.

Quitosana - Argila - Nanocompósitos

E0523

PREPARAÇÃO DE CARTUCHOS RECHEADOS COM SORVENTE FLUORADO PARA EXTRAÇÃO EM FASE SÓLIDA


Ana Paula Bodemeier (Bolsista PIBIC/CNPq), Liane Maldaner e Profa. Dra. Isabel Cristina Sales Fontes Jardim (Orientadora), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
A Extração em Fase Sólida (EFS) está muito difundida atualmente e encontra-se entre as técnicas de preparo de amostra mais empregadas, pois apresenta muitas vantagens, como baixo consumo de solventes, tempo reduzido de análise, concentração dos analitos, entre outras. Neste trabalho, buscou-se o desenvolvimento de fase sólida (FS) para confecção de cartuchos para EFS. A FS utilizada foi do tipo fluorada a qual foi preparada pela imobilização térmica do polímero poli(metil-3,3,3-trifluorpropilsiloxano) sobre suporte de sílica (35-70 μm, diâmetro de poro 60 nm). Primeiramente, aperfeiçoaram-se a separação e o tempo de análise dos agrotóxicos estudados, simazina, fludioxonil, fenarimol e diflubenzurom, usando cartucho comercial C18. Em seguida, foram determinadas as melhores condições de preparo da FS, sendo que a carga do polímero variou de 20-50%, para obter uma boa capacidade de amostra e retenções adequadas dos agrotóxicos de interesse que foram fortificados em água deionizada. A FS de 50% de carga de polímero forneceu a melhor recuperação. Esta FS está sendo submetida a diferentes métodos imobilização térmica (micro-ondas e forno elétrico) e será caracterizada por análise elementar de carbono e nitrogênio e aplicada na análise de amostras reais para definir a potencialidade do cartucho recheado com a FS desenvolvida.

Extração em fase sólida - Sorvente fluorado - Preparo de amostra

E0524

PREPARAÇÃO DE CARTUCHOS RECHEADOS COM SORVENTE DO TIPO FENIL PARA EXTRAÇÃO EM FASE SÓLIDA DE HIDROCARBONETOS POLICÍCLICOS AROMÁTICOS


Rafael Thomaz Marques (Bolsista PIBIC/CNPq e FAPESP), Liane Maldaner e Profa. Dra. Isabel Cristina Sales Fontes Jardim (Orientadora), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
A determinação de pequenas quantidades de substâncias orgânicas, especialmente as tóxicas, é extremamente importante para o monitoramento ambiental e para o controle de muitos processos químicos. Uma ferramenta que vem sendo muito utilizada para esse tipo de análise é a Cromatografia Líquida de Alta Eficiência (CLAE) associada ao método de Extração em Fase Sólida (EFS), cujo sucesso está relacionado às baixas quantidades de solventes utilizados no processo, à rapidez da extração e a possibilidade de determinações de concentrações baixas, a níveis de μg/mL ou ng/mL, com alta exatidão. A classe de substâncias estudadas nesse projeto compreende os hidrocarbonetos policíclicos aromáticos (HPA), que são poluentes encontrados em diversos tipos de matrizes, extremamente nocivos, resultantes de processos de combustão em ambiente anaeróbico. Estabeleceu-se um método de extração destes compostos usando cartuchos Supelclean LC-PH, 5 mL da Supelco e 2 porções de 3 mL de acetato de etila, 1 de 3 mL de hexano e 2 de 3 mL de acetato de etila para eluição dos analitos, obtendo-se recuperações de 65%. Este método será empregado para verificar a potencialidade de cartuchos confeccionados no nosso laboratório empregando fases sólidas preparadas pela imobilização térmica do copolímero dimetil(48-52%)fenil-metil(48-52%)siloxano, em diversas porcentagens de carga, sobre a sílica.

Extração em fase sólida - Sorventes fenil - Preparo de amostra

E0525

SÍNTESE E CARACTERIZAÇÃO MAGNÉTICA DE NANOPARTÍCULAS DE NIO E NIO@MN2O3 OBTIDAS VIA METODOLOGIA BOTTOM-UP EM SÍLICA MESOPOROSA


Nathalia Medeiros Carneiro (Bolsista PIBIC/CNPq), Wallace Castro Nunes e Prof. Dr. Ítalo Odone Mazali (Orientador), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
Neste trabalho foi estudado o efeito do tamanho de cristalito nas propriedades magnéticas de nanopartículas de NiO e NiO@Mn2O3 dispersas no PVG (vidro poroso Vycor). As nanopartículas de NiO com diferentes tamanhos foram obtidas via sucessivos ciclos de impregnação-decomposição - CID (2, 5 e 7) empregando um precursor metalorgânico de Ni. A substituição deste precursor por um de Mn possibilitou a obtenção de nanopartículas caroço-casca NiO@Mn2O3. A quantidade de NiO obtido no PVG mostro-se linear em função do número de CID e medidas de XRD e Raman confirmaram a obtenção da fase NiO (cúbica) e da fase Mn2O3. As propriedades magnéticas das nanopartículas foram investigadas via medidas de susceptibilidade DC em função da temperatura em diferentes freqüências, magnetização nos modos zero-field-cooled (ZFC) e field-cooled (FC) em função da temperatura e pela curva de histerese para ambos os modos ZFC e FC em 2 e 5kOe. O comportamento magnético se mostrou consistente com uma configuração magnética caroço-casca com clusters de NiO ferromagnéticos na casca e NiO antiferromagnético no caroço. As nanopartículas NiO@Mn2O3 e Mn2O3@NiO se mostraram dependentes da estruturação, exibindo comportamentos magnéticos distintos quando o NiO ocupa o caroço ou a casca refletindo o efeito da hierarquia estrutural.

Nanopartícula - Magnetismo - Híbrido inorgânico

E0526

AVALIAÇÃO DE MEMBRANAS DE NAFION-RODAMINA PARA A DETERMINAÇÃO FLUORIMÉTRICA DE METAIS


Anna Carolina Pessôa da Costa Trondoli (Bolsista FAPESP) e Prof. Dr. Ivo Milton Raimundo Junior (Orientador), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
Os optodos possibilitam a determinação remota e em tempo real de espécies químicas; podem ser facilmente miniaturizados e construídos com materiais de baixo custo. Neste projeto foram avaliadas membranas de Nafion® – Rodaminas (B e 6G) suportadas em filmes de poliéster para o desenvolvimento de sensores ópticos para a determinação de íons metálicos. O tempo de imobilização e a concentração da solução inicial da rodamina foram investigados, com a finalidade de otimizar o desempenho da fase sensora com relação ao sinal de fluorescência produzido. A membrana sensora foi então adaptada a uma célula de fluxo, acoplada a um sistema para medidas de fluorescência. Dentre os íons metálicos avaliados (Cd2+, Zn2+ e Hg2+, Ni2+ e Cu2+), o Cu2+ e o Ni2+ atuaram como supressores da fluorescência das fases sensoras. As soluções em tampão NH3/NH4+ pH 9,0 forneceram os melhores resultados. Foram avaliados o tempo de resposta, a reversibilidade, os limites de detecção e quantificação e a faixa de resposta linear para cada membrana. Finalmente, a membrana de Nafion®-Rodamina 6G foi aplicada na determinação de Cu2+ em águas e testes de recuperação forneceram resultados maiores que 80%, considerados adequados para o nível de concentração estudado.

Sensor óptico - Fluorescência - Metais pesados

E0527

ESTUDO DA COMPOSIÇÃO DE MEMBRANAS DE PVC PARA A CONSTRUÇÃO DE SENSORES ÓPTICOS


Beatriz Stangherlin Santucci (Bolsista IC CNPq) e Prof. Dr. Ivo Milton Raimundo Junior (Orientador), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
Os sensores químicos de fibras ópticas (optodos) têm mostrado importância analítica por possibilitarem métodos rápidos para a determinação seletiva de diferentes espécies. A composição da membrana sensora, parte essencial de um optodo, afeta algumas características, tais como sensibilidade, tempo de resposta e reversibilidade. Este trabalho tem como objetivo o estudo da composição de uma membrana polimérica de PVC para a imobilização da cloro-tetrafenilporfirinato de manganês (III) (Mn(TPP)Cl). As membranas estudadas eram constituídas basicamente de 12,5 mg de PVC e 0,5 mg de Mn(TPP)Cl, sendo variado o tipo ou a quantidade de plastificante. Os plastificantes utilizados foram o orto-nitrofenil-octil-éter (o-NPOE) e o bis(2-etilhexil)sebacato (DOS). Para avaliar a resposta de cada membrana realizou-se medidas registrando-se o sinal gerado por uma solução tampão fosfato, pH 4,2 (referência) e o sinal gerado por soluções de iodeto de potássio de diferentes concentrações. As curvas analíticas, construídas a partir da diferença de intensidades no comprimento de onda máximo (geralmente próximo a 510 nm) permitiram comparar o desempenho das várias membranas, podendo-se concluir que a membrana que oferecia a maior intensidade do sinal era a que continha 38 mg do plastificante o-NPOE, além de proporcionar menor tempo de resposta. O sensor desenvolvido tem sido aplicado na determinação de Hg2+, apresentando resposta linear para concentrações abaixo de 0,40 mmol/L .

Sensor óptico - PVC - Porfirina

E0528

DETERMINAÇÃO DE PARACETAMOL EM MEDICAMENTOS POR ESPECTROSCOPIA NIR


Pâmela Paschoa Faustino (Bolsista SAE/UNICAMP), Jarbas J.R. Rohwedder e Prof. Dr. Ivo Milton Raimundo Junior (Orientador), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
O uso do infravermelho próximo (NIR) é crescente em diversas áreas, dentre elas a farmacêutica, onde tem sido empregada no controle de qualidade. O paracetamol é um analgésico e antitérmico com pequena ação antiinflamatória amplamente utilizado. O projeto proposto visa o desenvolvimento de um modelo de calibração utilizando-se a espectroscopia NIR para determinação de paracetamol em medicamentos. Com base nos espectros dos excipientes, foram preparadas amostras de calibração com concentração conhecida de paracetamol para construção das curvas de calibração no NIR. Foram construídos dois modelos de calibração, um univariado, empregando-se o comprimento de onda de 1136,54 nm, e outro multivariado, empregando-se o intervalo de 1149,15 a 1109,31 nm. As concentrações do princípio ativo foram também determinadas por espectroscopia UV-Vis, por amperometria e por HPLC. A espectroscopia UV-Vis e a amperometria apresentaram problemas na determinação de paracetamol, invalidando-as como técnicas de referência. O HPLC se mostrou a melhor técnica na determinação do valor nominal de paracetamol nos medicamentos e foi escolhida como referência. A calibração univariada apresentou os melhores resultados, fornecendo erros inferiores a 10% quando comparada com a técnica de referência.

Infravermelho próximo - Medicamentos - Paracetamol

E0529

AVALIAÇÃO DO USO DA ESPECTROSCOPIA NO INFRAVERMELHO PRÓXIMO NA DETERMINAÇÃO DO TEOR DE ÁGUA, DIÓXIDO DE CARBONO E COMPOSTOS DE ENXOFRE EM GÁS COMBUSTÍVEL NATURAL


João Paulo Piva (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Jarbas José Rodrigues Rohwedder (Orientador), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
Com o objetivo de se avaliar a determinação de umidade e dióxido de carbono em gás natural empregando espectroscopia no infravermelho próximo (NIR), foram construídas curvas de calibração a partir de espectros de absorção de misturas de nitrogênio gasoso e vapor d’água (obtido através da injeção de volumes preestabelecidos de água posteriormente vaporizados). A análise dos dados obtidos forneceu melhores resultados quando os valores correlacionados eram os de umidade relativa obtidos por um higrômetro acoplado à célula ao invés de os calculados com base nos volumes injetados, o que indica que fenômenos de adsorção podem estar ocorrendo no interior da célula. Em todos os modelos de calibração utilizados, os melhores resultados foram obtidos quando se selecionava a região espectral de 2500 a 2700 nm, sendo esta uma região adequada para a calibração de umidade. Os modelos de calibração indicam valores de erro de validação médio de 1,5 % de umidade relativa o que representa valores de 0,35 g/m3 de água presente no gás ou um ponto de orvalho de -27 0C.

Gás natural - Espectroscopia nir - Quimiometria

E0530

AVALIAÇÃO DO FORMATO DO SINAL DE EXCITAÇÃO EMPREGADO EM DETECÇÃO CONDUTOMÉTRICA SEM CONTATO ACOPLADA A ELETROFORESE CAPILAR


Hugo Richard Silva Araujo (Bolsista PIBIC/CNPq), Roy Edward Bruns e Prof. Dr. José Alberto Fracassi da Silva (Orientador), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
Neste trabalho, foram obtidos novos dados para a avaliação da relação sinal-ruído (RSR) em função do tipo de sinal de excitação de um detector condutométrico sem contato utilizado em um equipamento de eletroforese capilar. Os tipos de sinal empregados foram senoidal, quadrado e triangular, aplicados à célula de detecção através de um gerador de funções (MFG4202, Minipa). Além do tipo, foram também avaliadas as amplitudes e freqüência do sinal aplicado. Foi utilizado planejamento fatorial para a condução dos experimentos e os dados obtidos foram utilizados na construção da superfície de resposta para cada tipo de sinal. A RSR foi avaliada através da injeção de soluções padrão de cloreto na concentração 0,10 mmol L-1 em eletrólito de separação composto por ácido lático e histidina na concentração 20 mmol L-1. Através da repetição dos experimentos planejados, observou-se que os perfis das superfícies de resposta variaram significativamente, entre os tipos de sinais estudados e também para o mesmo tipo de sinal aplicado. Para avaliar possíveis influências do sistema de injeção, novos experimentos utilizando padronização interna com nitrato 0,10 mmol L-1 foram realizados. Novamente para esta série de experimentos, ficou evidenciado que a melhor resposta é obtida quando da utilização de sinal quadrado aplicado à célula de detecção.

Eletroforese capilar - Instrumentação analítica - Carboidratos

E0531

DESENVOLVIMENTO DE MÉTODOS PARA A DETERMINAÇÃO DE ETAMBUTOL POR ELETROFORESE CAPILAR DE ZONA COM DETECÇÃO CONDUTOMÉTRICA SEM CONTATO


Nathan Vitorazzi de Castro (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. José Alberto Fracassi da Silva (Orientador), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
Segundo a Organização Mundial da Saúde, estima-se que 1,6 milhões de mortes ocorreram em 2005 devido à tuberculose, sendo que a maior mortalidade per capita ocorre nos países chamados de subdesenvolvidos ou em desenvolvimento. O etambutol (EMB) é um fármaco utilizado no tratamento de tuberculose (TB). De acordo com as farmacopéias, a metodologia padrão para a determinação de EMB apresenta problemas como a toxicidade dos solventes orgânicos envolvidos e a baixa seletividade do método. Deste modo, este projeto visa a utilização de eletroforese capilar com detecção condutométrica sem contato para a validação de um novo método para determinação de EMB. Ótimos resultados foram obtidos utilizando-se eletrólito composto por ácido 2-(N-morfolino)etanossulfônico (MES) 30 mol L-1 e histidina (HIS) 50 mol L-1, pH 6,30 e capilar de 50 µm com 38 cm comprimento efetivo. Foi obtida resolução completa entre os picos de EMB e 2-amino-1-butanol (AMB), seu produto de degradação. Recuperação de 101,72 ± 0,02 % foi obtida utilizando-se eletrólito MES/HIS 30 mol L-1, pH 6,14 e capilar de 75 µm com 30 cm comprimento efetivo. Como faixa de trabalho, utilizou-se padrões de concentração entre 100 e 500 mol L-1.

Eletroforese capilar - Tuberculostáticos - Detecção eletroquímica

E0532

ESTUDO FITOQUÍMICO E FARMACOLÓGICO DO ÓLEO ESSENCIAL DE VERNONIA SCORPIOIDES (LAM.) PERS


Aline de Andrade Jacó Alencar (Bolsista SAE/UNICAMP), Daniela de Almeida Cabrini, Laryssa Kathlin Rauh, Bruna Ciamciulli Barbosa dos Santos, Angélica Zaninelli Schreiber, Luzia Lyra e Prof. Dr. Lauro Euclides Soares Barata (Orientador), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
Óleos essencias têm sido utilizados amplamente nas indústrias de fármacos e cosméticos. Neste trabalho analisou-se a composição química e as atividades antimicrobiana e anti-inflamatória do óleo essencial (O.E.) da Vernonia scorpioides, planta da biodiversidade do estado de São Paulo. O O.E. hidrodestilado e seus compostos foram analisados por cromatografia gasosa acoplada a espectrometria de massas (GC-MS). O O.E. obtido da Vernonia scorpioides coletada no estado de São Paulo foi comparado, quanto à sua composição química, ao O.E. obtido da Vernonia scorpioides coletada no estado do Ceará, onde seus compostos majoritários -cariofileno, germacreno D e biciclogermacreno condizem com a literatura. Foram realizados ensaios antimicrobianos através do método de microdiluição em caldo para a determinação da concentração inibitória mínima (CIM), e também foi verificada a atividade anti-inflamatória tópica através do modelo de edema de orelha de camundongos. Em relação à atividade anti-inflamatória, o O.E apresentou uma atividade moderada (35,1%), validando o uso popular por via tópica da Vernonia scorpioides no tratamento de processos inflamatórios cutâneos, demonstrando seu potencial para o desenvolvimento de um novo anti-inflamatório tópico. Já em relação à atividade antimicrobiana, os resultados não apresentaram significância para os microorganismos testados.

Óleo essencial - Vernonia scorpioides - Fitoquímica



E0533

AVALIAÇÃO COMPARATIVA DOS PARÂMETROS CINÉTICOS DE ISÔMEROS DE NAFTOQUINONA IMOBILIZADOS EM NANOTUBOS DE CARBONO PARA OXIDAÇÃO ELETROCATALÍTICA DE NICOTINAMIDA ADENINA DINUCLEOTÍDEO


Caio Nakavaki de Oliveira (Bolsista IC CNPq), Phabyanno Rodrigues Lima, Murilo Santhiago e Prof. Dr. Lauro Tatsuo Kubota (Orientador), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
Para avaliar a cinética da reação eletrocatalítica do eletrodo modificado com os isômeros 1,2-NQ e 1,4-NQ/MWCNT com NADH, alguns ensaios foram realizados. Assim, o isômero 1,4-NQ/MWCNT não apresentou atividade catalítica frente à detecção do NADH. Por outro lado, o dispositivo 1,2-NQ/MWCNT demonstrou excelente atividade eletrocatalítica na presença de NADH, a um potencial aplicado de 0 V vs. Ag/AgCl, em PBS 0,01 mol/L, pH 7. Com intuito de obter alguns parâmetros cinéticos do referido processo, foi empregada a técnica cronoamperométrica com E = 0 V vs. Ag/AgCl. Assim, a partir destes estudos, o coeficiente de difusão do NADH foi determinado, bem como a constante global da reação, kobs, entre o 1,2-NQ/MWCNT e NADH. Neste sentido, as curvas corrente-tempo foram obtidas por cronamperometria e graficadas como I versus t-1/2 para diferentes concentrações de NADH empregada. O coeficiente angular das retas obtidas foram plotadas versus a concentração de NADH, a partir do coeficiente angular e usando a Equação de Cottrell (), o coeficiente de difusão foi calculado e apresentou o valor de 2,0x10-6 cm2 s-1 para o NADH. Além disso, a partir da Equação o kobs obtido foi de 10³ L mol-1 s-1.

Naftoquinona - Mwcnt - Nadh

E0534

DESENVOLVIMENTO DE UM BIOSSENSOR ENZIMÁTICO SOBRE ELETRODOS DESCARTÁVEIS DE OURO


Daiana Suelen Machado (Bolsista PIBIC/CNPq), Ângelo L. Gobbi, Rafaela F. Carvalhal e Prof. Dr. Lauro Tatsuo Kubota (Orientador), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
O conhecimento de métodos analíticos seguros, confiáveis e rápidos para detecção e quantificação de salicilato em amostras de interesse clínico é muito importante devido ao grande consumo e utilização inapropriada de medicamentos contendo salicilato, além da grande facilidade deste em provocar intoxicação nos pacientes que o utilizam. Deste modo, este trabalho baseou-se na solução para tal problema, utilizando-se de uma alternativa bastante atraente e promissora que são os dispositivos biossensores miniaturizados construídos sobre eletrodos impressos em ouro . Devido a grande viabilidade e inovação oferecidas pelos eletrodos impressos para construção dos biossensores descartáveis e a alta demanda por dispositivos direcionados à avaliação de salicilato com aplicação biomédica, pôde-se trabalhar o desenvolvimento de uma superfície (bio)sensora para salacilato sob a superfície de eletrodos impressos de ouro e sua validação analítica. A fim de desenvolver um dispositivo analítico simples, econômico, que permite a análise remota, apresenta grande interesse comercial, além de fazer uso de poucas quantidades de amostra. Os eletrodos impressos foram gerados em colaboração do Laboratório Nacional de Luz Síncroton (LNLS).

Biossensor - Eletrodos descartáveis - Salicilato

E0535

SÍNTESE E CARACTERIZAÇÃO DE UMA NOVA FASE ESTACIONÁRIA POLIMÉRICA PARA USO EM CROMATOGRAFIA DE ÍONS


Érica Candido Costa Mano (Bolsista PIBIC/CNPq), Jailson Cardoso Dias, Bárbara Santos Miranda e Prof. Dr. Lauro Tatsuo Kubota (Orientador), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
O presente trabalho descreve a síntese e a caracterização de uma nova fase estacionária de dupla troca para uso em cromatografia de íons (CI) que pode poupar tempo e custo de materiais. A síntese do copolímero foi efetuada pelo método de polimerização em “bulk”. Esta reação homogênea foi conduzida em frasco selado contendo os monômeros Ácido 2-acrilamido-2-metil-1-propanosulfônico e 4-vinilpiridina, o solvente Dimetilsulfóxido (DMSO), o reagente de ligação cruzada etileno glicol dimetacrilato (EGDMA) e o iniciador radicalar 2,2’-azo-bis-isobutironitrila (AIBN). A reação ocorreu na ausência de oxigênio, sob fluxo de N2, sendo induzida por aquecimento. A estrutura do material obtido foi analisada por Ressonância Magnética Nuclear de Estado Sólido (1H e 13C) e por Espectroscopia de Absorção no Infravermelho. O material também foi caracterizado morfologicamente por Microscopia Eletrônica de Varredura. Amostras sintéticas de ânions foram deixadas sob agitação na presença do polímero, as soluções foram tratadas e analisadas por Cromatografia de Íons para a quantificação da adsorção obtida pelo novo material. O pH do meio também é um fator importante para a otimização da análise e por este motivo, foi variado em uma faixa de 3 a 11. Este novo material sintetizado é promissor para análises por CI porque pode promover a troca simultânea de cátions e ânions.

Síntese - Fase estacionária - Cromatografia de íons

E0536

ESTRUTURA E ATIVIDADE CONTRA A MALÁRIA DO IMUNOMODULADOR P-MAPA


Eduardo Matos Santos (Bolsista SAE/UNICAMP), Marcela Durán e Profa. Dra. Ljubica Tasic (Orientadora), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
Este projeto tem como objetivo principal determinar a estrutura de um imunomodulador, P-MAPA, e relacioná-la com o seu potencial contra a malária. Neste contexto, será determinada a estrutura da proteína do P-MAPA e testada a sua atividade antimalárica em culturas de Plasmodium falciparum, e in vivo em modelos de infecção experimental. Primeiramente, pretendemos isolar, purificar e caracterizar a proteína componente do P-MAPA. Esta proteína é relativamente pequena (16 kDa) rica em arginina (35,2 %) e possui triptofano (1.3 %). Para tanto, esperamos determinar sua estrutura aplicando espectrometria de massas, dicroísmo circular (CD), fluorescência de emissão e ressonância magnética nuclear (RMN). Posteriormente, pretende-se avaliar as possíveis interações da proteína do P-MAPA com o DNA comercial por técnicas espectroscópicas, tais como CD, fluorescência de emissão, e DOSY (RMN). Conhecendo a estrutura 3D e possível interação com o DNA, esperamos propor uma função para essa proteína chave em ação antiplasmodial do imunomodulador P-MAPA.

Imunomodulador - P-Mapa - Malária

E0537

APLICAÇÃO DE RESSONÂNCIA MAGNÉETICA NUCLEAR NOS ESTUDOS ESTRUTURAIS DE CHAPERONES SECRETÓRIAS E INTERAÇÕES PROTEÍNA-LIGANTES


Izabella Venturini Cagliari (Bolsista PIBIC/CNPq), Alessandra Prando e Profa. Dra. Ljubica Tasic (Orientadora), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
Uma das principais causas dos prejuízos na citricultura brasileira é a doença do cancro cítrico, problema que, nos últimos anos, vem se agravando nas lavouras, decorrente do desconhecimento no manuseio de ferramentas e cultivo. A bactéria Xanthomonas axonopodis pv. citri (Xac), uma bactéria Gram-negativa, é a causadora dessa doença. Acredita-se que o processo de infecção da Xac ocorre através de sistemas de secreção do tipo TTSS (Sistemas de Secreção do Tipo III) e/ou TFSS (Sistemas de Secreção do Tipo IV) que conferem à bactéria a capacidade de secreção de fatores de virulência, de modo que as chaperonas secretórias ocupam papel chave neste processo, estabelecendo as interações intermoleculares com fatores de virulência. Uma importante ferramenta para o estudo das interações chaperonas/proteína efetora e de chaperonas/ATP (ligantes) é a espectroscopia de Ressonância Magnética Nuclear (RMN). Para a realização desses estudos, se utilizará a RMN de 1H e STD, principalmente. Estes experimentos, além de outras técnicas como dicroísmo circular e fluorescência, serão utilizadas no estudo de várias chaperones secretórias dos TTSS e TFSS. Desse modo, espera-se entender melhor as interações destas permitindo uma melhor compreensão da virulência da Xac.

Chaperones secretórias - Ressonância magnética nuclear - Protéinas-ligantes

E0538

ESTUDO DE POTENCIAL PROTEÍNA ENVOLVIDA NA INFECÇÃO DO CANCRO CÍTRICO POR DICROÍSMO CIRCULAR


Leandro Henrique de Paula Assis (Bolsista FAPESP) e Profa. Dra. Ljubica Tasic (Orientadora), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
Proteínas são macromoléculas que estão envolvidas em quase todos os processos biológicos, com função estrutural, regulatória, transportadora e enzimática. Um grupo especial de proteínas, as chaperones moleculares, está envolvido nos processos de enovelamento de outros polipeptídeos recém sintetizados ou desnaturados por ação do calor ou pH. Nosso trabalho consiste na caracterização estrutural da proteína XAC0419 da bactéria Xanthomonas axonopodis pv. citri, uma possível chaperone secretória envolvida no processo de infecção e transferência do fator de patogenicidade do agente causador do cancro cítrico (doença disseminada pelo Brasil e caracterizada por gerar prejuízos milionários) para a planta hospedeira. Para tanto, a proteína alvo foi expressa em cepa de E. coli BL21(DE3)plysS com vetor pET23a-XAC0419 em meio LB contendo ampicilina, cloranfenicol e IPTG, seguida de purificação por métodos cromatográficos de troca iônica e gel filtração. A técnica de Dicroísmo Circular foi utilizada no estudo da estabilidade térmica desta possível chaperone (estável até 60 ºC) e cálculos de estrutura secundária regular (31,7 % α-hélice e 18,4 % folha-β no dímero) sob condições variadas de força iônica.

Cancro cítrico - Dicroísmo circular - Chaperone secretória

E0539

TETRAIDROPIRANOS A PARTIR DO LINALOL: ESTUDOS PARA A PREPARAÇÃO DE COMPOSTOS COM ATIVIDADE ANTIMALÁRIA E ANÁLOGOS


Amauri Nakashima (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Lúcia Helena Brito Baptistella (Orientadora), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
O presente projeto se refere a estudos para a separação do R-(-)-linalol do óleo essencial extraído do manjericão e sua utilização como material de partida em seqüências sintéticas de moléculas com interesse farmacológico, como antimaláricos e análogos. Para tal, fez-se necessário o uso da reação de epoxidação assimétrica de Shi para epoxidar a insaturação em relação à hidroxila. Este procedimento foi usado para se isolar o hidroxiepóxido, já que este é essencial para que, em reações de cicloeterificação, ocorra a formação de anéis tetraidropirânicos. Na mencionada reação de Shi, fez-se uso de um reagente sintetizado por reações de acetalização da D-frutose, a fim de se proteger suas hidroxilas vicinais, seguida por oxidação com PCC da hidroxila restante. Já a ciclização em anéis THP foi efetuada com o uso de TIPSOTf como ácido de Lewis, o que permitiu o ataque da hidroxila ao epóxido de modo regiosseletivo. Após obtenção da molécula ciclizada, testes deverão ser efetuados para se obter o esqueleto do terpeno com propriedades antimalária, assim como estudos de atividade com seus análogos.

Linalol - Cicloeterificação - SHI

E0540

ISOLAMENTO DO LINALOL DO ÓLEO DE MANJERICÃO E SEU USO EM PROPOSTAS SINTÉTICAS PARA ANÁLOGOS DO ANTIBIÓTICO TUBERINA


Luiza Koreeda (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Lúcia Helena Brito Baptistella (Orientadora), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
O linalol é um monoterpeno presente na maioria dos óleos essenciais em diferentes quantidades, dependendo da fonte. O manjericão possui de 30-40% de linalol em seu óleo, apresentando-se como uma fonte abundante e ecologicamente viável. Sendo assim, um dos objetivos desse projeto foi a extração do monoterpeno a partir do óleo de manjericão, sua purificação com auxílio de cromatografia em coluna e sua análise por cromatografia em camada delgada, métodos espectroscópicos e cromatografia gasosa acoplada a espectrometria de massa. Sua estereoquímica foi definida por meio de cromatografia gasosa quiral acoplada a espectrometria de massa e rotação óptica (αD). O linalol assim obtido está sendo usado em rota sintética para a preparação de análogos do antibiótico tuberina. A primeira etapa da síntese envolveu uma reação de cicloeterificação do monoterpeno, com diferentes métodos sendo testados. Os objetivos foram encontrar condições adequadas para uma boa seletividade do ciclo desejado e para um bom rendimento. A partir do produto tetraidrofurano, serão feitas reações para viabilizar o acoplamento entre a porção terpênica e a porção aromática do produto.

Linalol - Óleo de manjericão - Antibiótico tuberina

E0541

ESTUDOS PARA A PREPARAÇÃO DE AMINAS RAMIFICADAS A PARTIR DO ÁCIDO QUÍNICO


Mariana Fonseca Marinho (Bolsista SAE/UNICAMP) e Profa. Dra. Lúcia Helena Brito Baptistella (Orientadora), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
O uso de reações ativadas por microondas em síntese orgânica pode apresentar muitas vantagens, sendo que a possibilidade de menor tempo reacional é uma das mais evidentes. Esta metodologia normalmente leva a reações com melhores rendimentos e uma das causas é a minimização de processos laterais. O ácido quínico, um ácido carboxílico com esqueleto cicloexânico poliidroxilado, foi transformado no derivado lactônico, cuja preparação envolvendo catálise ácida está descrita na literatura. A proteção das hidroxilas presentes em C3 e C4 é proposta para diminuir a reatividade do sistema nessas primeiras etapas, o que, segundo experiência prévia, é mais adequado para os objetivos do trabalho. Esta lactona, ao ser tratada com uma amina sob energia de microondas, permitiu a formação de uma amida, o que consolidou a entrada do grupo nitrogenado na estrutura. A partir dessa amida, foi realizada uma sequência oxidação-redução sobre a hidroxila presente em C5, fazendo com que ela se posicione na mesma face da hidroxila em C1. Isto possibilitaria reação entre as mesmas, facilitando uma reação de Wittig sobre a carbonila da amida. Esta inversão de estereoquímica do carbono carbinólico C5 também foi testada via reação de Mitsunobu, visando a transformação da hidroxila em C5 em um bom grupo abandonador, o que seria adequado a uma reação de SN2 com o nitrogênio da amida.

Ácido quínico - Amidas e aminas - Reações de Wittig

E0542

ESTUDO DAS CONDIÇÕES NUTRICIONAIS E AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO DE POLICETÍDEOS MACROLÍDICOS COMPLEXOS POR LINHAGENS DE STREPTOMYCES


Adriana Fu Vivian (Bolsista FAPESP) e Profa. Dra. Luciana Gonzaga de Oliveira (Orientadora), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
Os policetídeos são biossintetizados por enzimas conhecidas como policetídeo sintases (PKS), amplamente encontradas em bactérias do grupo dos atinomicetos. Dentre os actinomicetos, as bactérias do gênero Streptomyces são responsáveis pela produção de aproximadamente 2/3 dos antibióticos de origem natural, como a eritromicina. O arranjo colinear entre o conjunto de genes, os módulos e domínios enzimáticos e a estrutura do produto final obtido, permite que a combinação entre os diferentes módulos e domínios das PKS do tipo I resulte em policetídeos modificados, os quais podem apresentar propriedades amplificadas. O projeto de estudo de linhagens Streptomyces é de grande interesse devido a potencial propriedade farmacológica antimicrobiana, antifúngica, citostática, entre outras, de seus metabólitos. Iniciamos uma triagem em diferentes meios de cultivo para a produção de metabólitos, que pode ser distinta de acordo com a oferta de nutrientes. O crescimento é acompanhado para monitorar o início da fase estacionária (período em que o metabolismo secundário está ativo) e os extratos obtidos foram isolados e estão sendo identificados por LC-MS/MS, o que permite monitor a formação de compostos de interesse. Testes qualitativos, como inibição com disco e difusão em placa já provaram a produção de substâncias antibióticas.

Policetídeos macrolídicos - Antibióticos - Streptomyces

E0543

AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO DE POLICETÍDEOS MACROLÍDICOS POR LINHAGENS DE STREPTOMYCES SP. ISOLADAS NO TERRITÓRIO NACIONAL


Leila Regina Giarola (Bolsista FAPESP) e Profa. Dra. Luciana Gonzaga de Oliveira (Orientadora), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
Streptomyces são bactérias Gram-positivas do grupo dos actinomicetos amplamente espalhadas no solo. Estes organismos destacam-se pela produção de compostos da classe dos policetídeos macrolídicos como produtos do metabolismo secundário, os quais exibem considerável diversidade em termos de estrutura e função e possuem ampla importância farmacológica apresentando atividades antimicrobianas, antiparasitária, antitumoral e propriedades agroquímicas. Neste projeto estamos avaliando o potencial biossintético de linhagens de Streptomyces isoladas de Citrus ssp. com relação a possível produção de antibióticos da classe dos policetídeos macrolídicos complexos como produto do metabolismo secundário. Para isso, isolaram-se através do processo de fermentação em diferentes meios de cultura, diferentes extratos brutos das espécies de interesse e utilizou-se a técnica de difusão em placa para avaliar a produção de antibióticos diante da inibição das espécies Staphylococcus aureus, Escherichia coli, Candida albicans, Salmonella triphymurium e Bacillus megaterium. Paralelamente, através de técnicas de biologia molecular (Reação em Cadeia da Polimerase), confirmou-se que as linhagens em estudo apresentam potencial para produção de policetídios macrolídicos, os quais estão sendo isolados e identificados

Streptomyces - Antibióticos - Policetídeos macrolídicos

E0544

OTIMIZAÇÃO DA EXTRAÇÃO DE TRANSFERRINA EMPREGANDO PONTO NUVEM


Renata Anselmo Oséas da Silva e Prof. Dr. Marco Aurelio Zezzi Arruda (Orientador), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
Diversas estratégias de extração e/ou concentração pré-análise vem sendo exploradas, uma vez que melhoram diversas características analíticas. Assim, esse trabalho destaca a utilização de surfactantes, os quais proporcionam a formação de ambientes micelares e que dão origem a sistemas aquosos de duas fases, conhecido como ponto nuvem. Desta forma, este trabalho visa otimizar um sistema de extração de transferrina baseado nesta separação de fases. Para tal, em tubos de 10mL contendo 100 mg mL-1 de transferrina, foram adicionados, 0,8% (m/v) de SDS e 4% (v/v) de Triton X-114 na presença de tampão fosfato 0,2mol L-1 e pH variável entre 5 e 8, de acordo com o estudo proposto. Os tubos foram centrifugados para separação das fases, sendo a fase rica coletada, e o surfactante removido com um agente precipitante. Posteriormente, as amostras foram quantificadas por meio do método de Bradford, e foram otimizados neste trabalho, além do pH, o agente precipitante, bem como o seu volume e a sua proporção. A condição ideal para a extração foi aquela com o emprego de 7mL de acetona, como agente precipitante, e a baixa temperatura (ca. –5°C). O pH ideal foi de 5,6 (correspondente ao ponto isoelétrico da transferrina). Para tal sistema, conseguiu-se uma eficiência de extração de 93%. O sistema será aplicado a amostras biológicas para extração e pré-concentração de transferrina.

Ponto nuvem - Transferrina - Bradford

E0545

RECICLAGEM QUÍMICA DE ESPUMAS FLEXÍVEIS DE POLIURETANO


Laura Caetano Escobar da Silva (Bolsista SAE/UNICAMP), Elem C. Ribeiro e Prof. Dr. Marco-Aurelio De Paoli (Orientador), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
O poliuretano é um plástico termofixo e sua espuma flexível é de larga aplicabilidade em produtos de bens de consumo. A produção de produtos moldados de espumas flexíveis gera uma quantidade muito grande de resíduos porque a polimerização é feita diretamente no molde e extrapola o recipiente. O excesso é removido e descartado, pois não há como remoldá-lo. Existem algumas maneiras restritas de se reutilizar esse material, mas mesmo assim a reciclagem deste termofixo é de grande interesse comercial. No estudo realizado, a degradação térmica das espumas flexíveis permite que se recupere um dos principais constituintes do poliuretano, o poliol poliéter. Esta degradação foi feita em polietilenoglicol com o catalisador dietanolamina a 250ºC por aproximadamente 2,5 horas. O produto bruto desta reação era bifásico. A fase orgânica(superior) é rica em poliol poliéter e a fase aquosa é pobre em poliol. A fase orgânica foi purificada e a fase aquosa foi destilada a vácuo. O objetivo desta destilação é identificar os resíduos gerados para que os mesmos possam ser tratados. Todos os materiais obtidos foram analisados por infravermelho (IV)e cromatografia de permeação em gel (GPC).

Poliuretano - Glicólise - Espumas

E0546

BLENDAS DE ACETATO BUTIRATO DE CARBOXIMETILCELULOSE E POLI(3-HIDROXIBUTIRATO) COM DIFERENTES MASSAS MOLARES


Gustavo Vandromel Rodrigues (Bolsista IC CNPq) e Profa. Dra. Maria do Carmo Gonçalves (Orientadora), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
O PHB, poli(3-hidroxibutirato), é um polímero produzido pela bactéria Burkholderia Sacchari, encontrada em solo de plantação de cana. Devido à sua alta cristalinidade, possui algumas propriedades mecânicas desfavoráveis. Porém, por ser biodegradável e de fonte renovável, torna-se de grande interesse prático. Estudos anteriores com um derivado da celulose (o acetato butirato de carboximetilcelulose, CMCAB) mostraram que o PHB não é miscível com esse polímero. Com o objetivo de verificar se o tamanho da cadeia do PHB influencia na miscibilidade desta combinação de polímeros, foram realizadas alcoólises do PHB, a fim de se obter polímeros de cadeias menores e então formar blendas com o derivado de celulose. Os polímeros foram analisados por cromatografia de permeação em gel (GPC) e por viscosimetria. Finalmente, as blendas foram analisadas por difratometria de raios X e calorimetria diferencial de varredura (DSC). Os valores de massa molar obtidos por GPC para o PHB foram ligeiramente menores do que os obtidos por viscosimetria (1,3x105 contra 1,7x105g/mol). Resultados de DSC mostraram que apesar das blendas não apresentarem miscibilidade, o comportamento de cristalização do PHB foi influenciado pela presença de CMCAB, como também pelas diferentes massas molares.

PHB - Blendas - Ésteres de celulose

E0547

BLENDAS DE POLI(METACRILATO DE METILA) E O ELASTÔMERO POLI(ACRILATO-CO-ESTIRENO-CO-ACRILONITRILA) OBTIDOS POR POLIMERIZAÇÃO "IN SITU"


Daniel Rotella Cocco (Bolsista ITI/PCI/CNPq), Fabiana Pires de Carvalho e Profa. Dra. Maria Isabel Felisberti (Orientadora), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
O poli(metacrilato de metila), PMMA, é um termoplástico amplamente utilizado em várias aplicações devido a suas excelentes propriedades, tais como alta transparência e boa resistência a intempéries. No entanto ele é um material rígido e pouco tenaz. Uma forma comumente utilizada para promover a tenacificação de um polímero é através da mistura com um material com alta tenacidade, por exemplo um elastômero, formando assim uma blenda polimérica. Neste trabalho foram preparadas e caracterizadas blendas de PMMA com o elastômero ASA, uma mistura complexa de borracha acrílica com o copolímero poli(acrilonitrila-co-estireno). As blendas foram obtidas por polimerização in situ do metacrilato de metila na presença do ASA, tendo como iniciador o peróxido de benzoíla. A polimerização acorreu a 60 °C por 192 horas. Resultados de análise termogravimétrica mostram que as blendas são termicamente menos estáveis que os componentes isolados e imiscíveis. Pelas imagens obtidas por microscopia eletrônica de varredura há um forte indicio de que as blendas PMMA/ASA possuem maior resistência ao impacto quando comparadas ao PMMA puro. A análise das propriedades dinâmico-mecânicas sugere um sinergismo nas blendas e uma morfologia diferente de uma fase dispersa em uma matriz.

Blenda - PMMA - Asa

E0548

BLENDAS DE POLI(ETILENO-CO-ÁLCOOL VINÍLICO) E POLIMETACRILATOS: ESTUDO DO COMPORTAMENTO DE FASES


Débora Nisiyama (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Maria Isabel Felisberti (Orientadora), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
O objetivo deste trabalho é o estudo do comportamento de fases de blendas de poli(etileno-co-álcool vinílico), EVOH, e polimetacrilatos. Nestas blendas a miscibilidade pode ser induzida pela formação de ligações de hidrogênio entre os polímeros, envolvendo as hidroxilas do EVOH e as carbonilas dos polimetacrilatos. Foram estudadas blendas de EVOH com poli(metacrilato de metila), PMMA, de massas molares diferentes (115.000 e 15.000 gMol -1) e com o poli(metacrilato de metila-co-vinilfenol), PMMAPh. Essas blendas foram preparadas por casting ou por co-precipitação a partir de soluções homogêneas em um solvente comum, seguida da precipitação em um não-solvente também comum aos dois polímeros, seguida de secagem exaustiva. O comportamento de fases foi estudado por calorimetria diferencial de varredura e análise dinâmico-mecânica. As blendas de EVOH com PMMAPh mostraram-se miscíveis, enquanto as blendas com PMMA mostraram-se imiscíveis, independentemente da massa molar.

Blendas - Miscibilidade - Propriedades

E0549

PROPOSTA DE MÉTODO PARA DETERMINAÇÃO DE ÍNDICE DE IODO EM BIODIESEL


Bianca Kazitoris (Bolsista IC CNPq), Juliana A. Aricetti e Prof. Dr. Matthieu Tubino (Orientador), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
Biodiesel é um combustível renovável, biodegradável e alternativo ao diesel de petróleo. Várias propriedades são utilizadas no seu controle de qualidade. O índice de iodo descreve o total de insaturações presentes no biodiesel. Embora a Resolução 42 da ANP não limita o índice de iodo de biodiesel, este demonstra a sua estabilidade à oxidação, que também depende do grau de insaturação. Limitar os ácidos graxos insaturados é necessário, pois seu aquecimento resulta na polimerização dos glicerídeos, que leva a formação de depósitos e a deterioração do óleo lubrificante. Este efeito aumenta com o número de duplas ligações na cadeia do éster. O índice de iodo é determinado segundo o método EN 14111. Com a finalidade de reduzir o tempo, o custo e a toxicidade da análise, avaliou-se o método descrito por Margosches et al 1924 analisando o índice de iodo de biodieseis de soja, milho e algodão. Foram necessários ajustes como aquecimento e forte agitação para melhorar a solubilização da amostra e resfriamento da solução que diminui a sublimação do iodo. Este método não apresentou diferença significativa em relação ao método oficial, que apresenta desvantagens como alto custo e toxicidade. O método proposto é de baixo custo, utiliza menor quantidade de reagente, menor toxicidade e com maior rapidez (10 minutos contra 90 minutos do oficial).

Biodiesel - Índice de iodo - Solvente

E0550

RELAÇÃO ENTRE PONTO DE FULGOR E ÁLCOOL RESIDUAL EM BIODIESEL


Jorge Henrique Faber Boog (Bolsista IC CNPq), Tiago Elias, Eva L. C. Silveira, Lilia B. de Caland, Antonio J. da Silva Maciel, Osvaldo C. Lopes e Prof. Dr. Matthieu Tubino (Orientador), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
O biodiesel é um combustível renovável e importante alternativa para a matriz energética brasileira. Ele é constituído de ésteres alquílicos de ácidos graxos, sendo produzido através da transesterificação de glicerídeos com álcool na presença de catalisador, A Lei nº 11.097 introduziu o biodiesel na matriz energética em 13 de janeiro de 2005. Hoje, a legislação estipula que todo combustível diesel deve conter pelo menos 3% de biodiesel em sua composição. A ANP, através da norma EN 14110 especifica como 0,2% m/m o teor máximo de metanol/etanol em biodiesel, sendo esta determinação realizada por cromatografia gasosa. Neste trabalho, desenvolveu-se um método alternativo para determinação do teor de álcool no biodiesel através de medidas de ponto de fulgor. Foram analisadas amostras de biodiesel de canola variando o teor de metanol de 0-1% e observou-se que até 0,3% m/m de metanol, o ponto de fulgor do biodiesel encontra-se acima do limite mínimo especificado de 100,0°C. Estes resultados indicam a viabilidade de usar as medidas de ponto de fulgor para a determinação do teor de metanol em biodiesel. Este método é mais simples e de menor custo quando comparado à cromatografia gasosa. Sua aplicação implicaria na diminuição dos custos analíticos, viabilizando o seu uso por pequenas e médias empresas.

Biodiesel - Ponto de fulgor - Metanol

E0551

DESENVOLVIMENTO DE MÉTODO MICROGRAVIMÉTRICO PARA DOSAGEM DE METFORMINA


Luís Francisco Bianchessi (Bolsista IC CNPq), Marta M. D. Carvalho Vila (Co-orientadora) e Prof. Dr. Matthieu Tubino (Orientador), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
A metformina, comercialmente vendida em forma de cloridrato (MFH), é um fármaco largamente empregado no tratamento de diabetes, permitindo um controle intensivo da glicemia com diminuição significativa dos riscos de doença cardiovascular e da mortalidade. Vários métodos para a dosagem deste medicamento são descritos em literatura: titulométricos, espectrofotométricos, cromatográficos, quimioluminescência, reflectância no infravermelho próximo e eletroforese capilar. Mas, apesar desta variedade de métodos verificou-se certa carência de procedimentos simples e de baixo custo. Neste sentido, no presente trabalho, foi desenvolvido um método microgravimétrico. Os resultados obtidos foram comparados estatisticamente com os valores obtidos através dos métodos potenciométrico (método oficial – USP) e HPLC. Os valores de “tcalc” e de “Fcalc” indicaram total concordância, mostrando que a microgravimetria, um método muito simples, relativamente rápido, barato e absoluto, em escala de microanálise, fornece resultados estatisticamente iguais aos obtidos pelos métodos potenciométrico (oficial) e HPLC. O método desenvolvido é uma alternativa viável para a determinação de cloridrato de metformina em preparações farmacêuticas e no fármaco puro.

Metformina - Quantificação - Microgravimetria

E0552

DETERMINAÇÃO DE PANTOPRAZOL EM PREPARAÇÕES FARMACÊUTICAS POR REFLECTÂNCIA DIFUSA NO VISÍVEL


Rafael Barba Alves dos Santos (Bolsista PIBIC/CNPq), Marta M. D. C. Vila e Prof. Dr. Matthieu Tubino (Orientador), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
O pantoprazol é um derivado benzimidazólico que se enquadra na categoria terapêutica dos supressores de secreção de ácido clorídrico gástrico. A quantificação do fármaco foi feita por meio da técnica de espectrofotometria de reflectância difusa na região do visível. A complexação do pantoprazol com íons ferro (III) foi realizada em papel de filtro e, em seguida, sua secagem por meio de aquecimento em estufa a 100-110°C por 10 minutos. As medidas da reflexão foram feitas utilizando-se o espectrofotômetro Shimadzu UV-2450 com esfera integradora de reflectância ISR-2200. Foram usadas as concentrações da ordem de 0,01 mol L­1 de pantoprazol e 0,02 mol L­1 de íons Fe (III). O melhor sinal obtido está relacionado com a relação molar 4 para 1, pantoprazol: ferro(III). O procedimento analítico é muito simples, bastando precipitar o complexo sobre o papel de filtro, secá-lo na estufa e medir no espectrofotômetro equipado com esfera de integração para refletância. Uma das vantagens deste método, em relação a outros métodos, inclusive espectrofotométricos, consiste no fato de que não é absolutamente necessário separar totalmente o princípio ativo da preparação farmacêutica, ou seja, o analito dos excipientes. Isto simplifica sobremaneira a operação analítica.

Pantoprazol - Reflectância - Fármaco

E0553

DETERMINAÇÃO DE ÍNDICE DE ACIDEZ EM BIODIESEL E ÓLEOS


Tiago Elias, Juliana Aparecida Aricetti (PG) e Prof. Dr. Matthieu Tubino (Orientador), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
Biodiesel é produzido pela reação de transesterificação de triacilgliceróis com um álcool de cadeia curta na presença de um catalisador. Nesta reação ocorre a hidrólise dos ésteres alquílicos de ácidos graxos que levam a formação de ácidos graxos livres (AGL). A propriedade que prediz a quantidade de AGL presentes no biodiesel é o índice de acidez (IA). Biodiesel com alto IA pode levar a formação de sabão, depósitos e corrosão no motor. A ANP adota, entre outros, o método da ABNT NBR 14448 para a determinação do IA do biodiesel. Neste sentido, este trabalho teve como objetivo determinar o IA do biodiesel de milho e de canola aplicando-se dois métodos desenvolvidos a partir da ABNT NBR 14448 (método potenciométrico) e AOCS Cd 3d-63 (método titulométrico). Nos métodos já existentes foram substituídos o solvente por uma solução de álcool:água 1:1 e a solução titulante por NaOH 0,02 mol/L, tornando a análises de menor risco ao analista e ao meio-ambiente, além de reduzir os custos. Com os resultados obtidos em análises de óleos e biodieseis de canola e milho, foi possível avaliar as diferenças entre os métodos podendo avaliar eficiência de cada um, além de avaliar a reprodutibilidade dos mesmos.

Índice de acidez - Biodiesel - Potenciométrico

E0554

INTRODUÇÃO À DINÂMICA MOLECULAR DE ZEÓLITOS


Tatiana Mello da Costa Faro (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Munir Salomão Skaf (Orientador), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
Simulação de dinâmica molecular (MD) é uma técnica utilizada para se determinar propriedades termodinâmicas, estruturais e dinâmicas de um sistema mecânico-estatístico atômico-molecular. A técnica consiste em resolver as equações newtonianas de movimento das partículas para gerar sucessivas configurações de um sistema (ensemble) no estado termodinâmico desejado a partir de potenciais de interação entre os átomos (conhecidos como “campos de força”). Por meio de simulações de MD, é possível estudar zeólitos, aluminossilicatos que são formados por tetraedros de TO4 (com T=Si ou Al) e possuem cátions trocáveis. Os zeólitos apresentam alta porosidade e alta área superficial devido aos túneis e às cavidades regulares presentes em sua estrutura cristalina; conseqüentemente, os zeólitos são amplamente usados como peneiras moleculares e catalisadores, sendo assim materiais de grande importância tecnológica. Neste projeto, estudamos faujasitas sódicas desidratadas utilizando a aproximação da matriz estática (ou seja, movimentos vibracionais da estrutura zeolítica não são permitidos). Por meio das trajetórias obtidas, mapeamos as posições preferenciais dos cátions Na+, calculamos os fatores de ocupação para os distintos sítios e estudamos as propriedades espectroscópicas (espectros de infra-vermelho longínquo) do sistema.

Zeólitos - Dinâmica molecular - Química teórica

E0555

PRODUÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE TUBETES BIODEGRADÁVEIS DE PHBV/LIGNOSULFONATO


Ana Maria Moretti (Bolsista SAE/UNICAMP), Ana Paula Lemes e Prof. Dr. Nelson Eduardo Durán Caballero (Orientador), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
Nesse trabalho foi desenvolvido um método para a produção de tubetes biodegradáveis, tendo como matéria prima um compósito polimérico de poli(3-hidroxibutirato-co-3-hidroxivalerato) e lignosulfonato, e realizado o estudo de sua biodegradação para aplicações na área agrícola. O método de produção dos tubetes foi realizado em bancada baseando-se no processo de injeção, largamente utilizado nas indústrias de embalagens. Os tubetes de PHBV/Lignosulfonato foram obtidos pela introdução do material fundido em molde de aço carbono, seguido de resfriamento. A temperatura da matéria prima, temperatura e tempo de resfriamento do molde foram otimizadas de modo a evitar o aparecimento de bolhas, trincas e demais deformidades nos tubetes produzidos. A biodegradação desses tubetes foi estudada através da produção de CO2 de amostras desse material em solo, com base na norma ASTM D 5988-03 para a determinação aeróbica de biodegradação em solo. Os resultados mostraram uma maior produção de CO2 para as amostras de PHBV/Lignosulfonato em comparação as amostras de PHBV puro. Em um período de 70 dias a mineralização das amostras de PHBV/Lignosulfonato foram em média 24,3%, enquanto para o PHBV esse valor foi de 12,2%, indicando que o compósito apresentou uma maior velocidade de biodegradação.

Tubetes - Biodegradação - PhBV

E0556

NANOTUBOS DE TITANATO: ESTUDO DA INTERAÇÃO COM AMÔNIA E AMINAS LINEARES E SONDAGEM DO AMBIENTE QUÍMICO DOS ÍONS NA+ INTERPAREDES


Felipe Nascimento (Bolsista PIBIC/CNPq), Odair P. Ferreira e Prof. Dr. Oswaldo Luiz Alves (Orientador), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
Nanotubos de óxido de titânio obtidos através de tratamento hidrotérmico de TiO2 e NaOH apresentam paredes múltiplas, do tipo scroll, e possuem estrutura similar àquela encontrada no titanato lamelar bulk (Na2Ti3O7). Assim como o TiO2 anatásio, os nanotubos apresentam-se como semi-condutores de alta absorção eletrônica na região do ultravioleta. Neste trabalho, nanotubos de óxido de titânio foram sintetizados através de tratamento hidrotérmico de TiO2 e NaOH e modificados por duas maneiras: através de sucessivas lavagens pós-síntese com água deionizada e soluções 0,1 mol.L-1 de HCl; e através de interações com soluções etanólicas de amônia e de aminas lineares durante 24h. Todas as amostras foram caracterizadas por difratometria de raios-X (DRX), análises térmicas (TGA e DTA), espectroscopia no infravermelho com transformada de Fourier (FTIR), microscopia eletrônica de varredura (SEM) e ressonância magnética nuclear (RMN) de 23Na. Os resultados obtidos mostram que as lavagens modificaram quimicamente os nanotubos e que a organização na região interparedes apresenta uma dependência da razão Na+/H+. A substituição do íon Na+ pelo H+ muda não apenas a composição dos nanotubos, mas também a reatividade e a estabilidade térmica. O indício de que houve incorporação de amônia e de aminas lineares na estrutura dos nanotubos também aponta para o caráter ácido dos nanotubos com alto teor de H+.

Nanotubos - Titanato - Aminas

E0557

MICROTOMOGRAFIA DE RAIOS-X: UMA PODEROSA TÉCNICA PARA CARACTERIZAÇÃO DE MATERIAIS POROSOS


Vitor Lacerda Mauricio (Bolsista FAPESP) e Prof. Dr. Oswaldo Luiz Alves (Orientador), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
A microtomografia é uma técnica não-destrutiva que reconstrói e modela estruturas de amostras na escala micrométrica, com resolução e contraste aplicáveis a vários problemas atuais na área da química de sólidos e materiais. Tal técnica fornece um mapa preciso da atenuação de raios-X em uma amostra, independente da existência de uma subestrutura de diferentes fases bem definidas. Neste trabalho foram avaliadas as potencialidades da técnica na análise de amostras compreendidas na área de materiais porosos, por sua crescente importância e potencial para aplicação, em especial na área ambiental. Espumas de vidro fabricadas a partir de rejeitos industriais foram analisadas quanto a parâmetros morfológicos, como porosidade e área superficial, e suas estruturas reconstruídas em 3-D. Foi estabelecida ainda a complementaridade da técnica com a microscopia eletrônica de varredura. Por fim, foi testada a utilização de íons zinco (Zn2+) como agente de contraste para caracterização de materiais devido ao seu maior coeficiente de atenuação dos raios-X. Os resultados mostraram boa precisão dos cálculos morfológicos, além de apontar a complementaridade com MEV/EDS e de excelentes resultados na utilização de Zn2+, comprovando o potencial da técnica de fornecer abordagens diferenciadas no estudo de materiais.

Microtomografia de raios-X - Materiais porosos - Reconstrução de imagens 3D

E0558

DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIA ANALÍTICA PARA DETERMINAÇÃO DE CONCENTRAÇÕES DE LAPACHOL E BETA-LAPACHONA PRESENTES EM EXTRATOS SUPERCRÍTICOS DE TABEBUIA AVELLANEDAE


Gabriela Durães Zerbinatti (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Paulo de Tarso Vieira e Rosa (Orientador), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
O lapachol é um composto de origem natural que apresenta diversas atividades terapêuticas, e pode ser encontrado em extratos dos cernes do Ipê roxo. Normalmente, solventes orgânicos são utilizados na extração do lapachol, e a cromatografia líquida de alta eficiência é o método analítico utilizado para a quantificação deste composto. Neste trabalho, foram estudadas alternativas para os processos conevncionais de extração e quantificação, que apresentassem a redução de resíduos gerados. A extração do lapachol foi realizada com dióxido de carbono supercrítico, que permite variar a quantidade e a qualidade do extrato a partir do controle de pressão e temperatura, enquanto que a quantificação desses extratos passou a ser feita por eletroforese capilar, que demanda menor quantidade de solvente do que a cromatografia líquida de alta eficiência. Os extratos obtidos por extração com os solventes clorofórmio, diclorometano e etanol, além da obtida com dióxido de carbono supercrítico foram comparados em termos de quantidade de lapachol extraída e porcentagem de lapachol presente no extrato. A sensibilidade e tempo de análise foram utilizados para comparação dos métodos de quantificação.

Lapachol - Eletroforese capilar - Extração supercrítica

E0559

SÍNTESE QUÍMIO-ENZIMÁTICA DE UM PRECURSOR DE INIBIDORES DO HIVPR


Bruno Ricardo Silva de Paula (Bolsista SAE/UNICAMP), Dávila de Souza Zampieri (Co-orientadora) e Prof. Dr. Paulo José Samenho Moran (Orientador), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
Uma abordagem terapêutica de grande importância no tratamento de pacientes portadores do vírus HIV é a inibição da enzima HIV protease (HIVPR). O objetivo deste trabalho é a síntese enantiosseletiva de intermediários usados na síntese de inibidores de HIVPR, tendo como etapa chave da rota sintética a biorredução de compostos carbonílicos pró-quirais para que se obtenham álcoois com grande excesso enantiomérico. A síntese do composto submetido à biorredução foi feita através de uma condensação entre 4-cloroacetoacetato de etila e benzaldeído, obtendo-se o 2-benzilideno-4-cloroacetoacetato de etila com 97% de rendimento. Em seguida, este β-cetoéster foi submetido à biorredução com Saccharomyces cerevisiae, obtendo-se a haloidrina (2R, 3R)-2-benzil-4-cloro-3-hidroxibutanoato de etila. A configuração absoluta do carbono 3 foi determinada por meio da derivatização da haloidrina com os dois isômeros do ácido fenilmetoxiacético (MPA), e a configuração absoluta do carbono 2 foi determinada com base na configuração relativa dos carbonos 2 e 3 (syn). Em três etapas subseqüentes, com 54% de rendimento, obteve-se a hidrazida do ácido (2R, 3R)-benzil-4-benziloxi-3-hidroxibutanóico, que é precursora de um dos isômeros da estrutura central de inibidores do HIVPR.

Biorredução - Saccharomyces Cerevisiae - Inibidor HIV protease

E0560

PREPARAÇÃO ENANTIOSSELETIVA DE HALOIDRINAS VIA BIORREDUÇÃO DE DERIVADOS HALOGENADOS DE -METILENO CETONAS E APLICAÇÃO NA SÍNTESE DE PRODUTOS NATURAIS


João Carlos de Almeida (Bolsista SAE/UNICAMP) e Prof. Dr. Paulo José Samenho Moran (Orientador), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
As estruturas de alfa-metilenocetonas e os álcoois resultantes de sua redução estão presentes em uma variedade de compostos, dentre os quais podem ser destacados medicamentos e feromônios. Há um grande interesse da indústria farmacêutica neste tipo de composto, devido à presença de centros pró-estereogênicos que podem ser convertidos em produtos com excesso enantiomérico. Este trabalho tem como finalidade a síntese da 3-benzil-1-cloro-3-buten-2-ona (1) a partir do 4-cloroacetoacetato de etila (2). Os procedimentos sugeridos inicialmente para a obtenção de 1 foram: primeiro, a partir da reação de 2 com cloreto de benzila (3) em tolueno e refluxo; segundo, 2 e 3 em acetona e presença de iodeto de sódio em refluxo. No entanto essas reações não se mostraram favoráveis devido a um grande número de produtos secundários na reação. Outro procedimento para a síntese foi a partir de uma reação entre 2 e benzaldeído, obtendo-se primeiramente o 4-cloro-2-estireno-3-oxo-butanoato de etila, seguida de uma redução com boroidreto de sódio para a obtenção do álcool alílico correspondente e logo após uma hidrogenação catalítica, H2, Pd/C. A passagem pelo álcool é necessária devido à desalogenação na hidrogenação catalítica direta da cetona, fato que não é observado com o álcool. Etapas de oxidação, reação de Mannich e hidrólise ácida completam a síntese da 3-benzil-1-cloro-3-buten-2-ona que, posteriormente, sofrerá biorredução com Saccharomyces cerevisiae.

Biotransformação - Biocatálise - Haloidrinas

E0561

SÍNTESE DE ISOCOPALANOS ISOLADOS DE NUDIBRÂNQUIOS


Bruna Medici Amorim Bonon (Bolsista PIBIC/CNPq), Adriano Lopes Romero e Prof. Dr. Paulo Mitsuo Imamura (Orientador), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
Os terpenos constituem a maior classe de produtos naturais e sua diversidade estrutural tem sido um objeto de estudo e desafio para os químicos sintéticos. Terpenos da classe isocopalanos isolados de nudibrânquios são usados por esses organismos como defesa química. Além disso, esses compostos possuem outras atividades biológicas importantes como a ativação da proteína quinase C. Este projeto teve como objetivo a síntese de um destes derivados, um diacetato de isocopalano, a partir do ácido copálico isolado no óleo-resina de copaíba. A principal etapa na rota sintética proposta foi a reação de diidroxilação em cis do isocopalenol, que poderia ser feita por métodos convencionais utilizando OsO4 e KMnO4. Contudo, o intuito deste projeto foi a aplicação da reação de Woodward para obtenção de diol cis, pela face mais impedida do sistema olefínico. Para encontrar a melhor condição de reação utilizou-se alguns modelos como o ácido catívico, o limoneno, o cicloexeno, o cativato de metila, o isocopalato de metila e o isocopalenol. Foram testadas várias condições de reação como: iodo-acetilação convencional e hidroxilação na presença de acetato de amônio/H+ e, hidroxilação utilizando I2 / KIO3 / H+. Após um período de estudo, não se observou a formação do produto de diidroxilação em cis, tanto com os modelos e com o isocopalenol o que nos mostra a necessidade de uma investigação mais detalhada.

Isocopalanos - Síntese - Nudibrânquios

E0562

SÍNTESE DE DERIVADOS PERÓXIDOS DO ÁCIDO ÓZICO PARA AVALIAÇÃO COMO ANTIMALÁRICO


Jaqueline Sanchez Ronque (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Paulo Mitsuo Imamura (Orientador), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
Recentemente alguns grupos de pesquisas sintetizaram alguns derivados peróxidos que estão sendo considerados candidatos em potencial para uso no combate à malária. Assim, há um grande interesse de propostas para síntese de novos derivados contendo peróxido a fim de encontrar um composto com melhor potencial farmacológico. Neste trabalho, a partir do ácido ózico, diterpeno isolado da resina de Hymenaea courbaril var. altíssima, realizou-se a semi-síntese de derivados peróxidos. Inicialmente foi feito o isolamento e purificação do ácido ózico por cromatografia em coluna. Posteriormente, os derivados foram preparados através de uma reação principal, a reação de foto-oxigenação, no qual foram avaliadas as condições para um melhor rendimento da reação. Os compostos sintetizados, assim como o ácido ózico, foram caracterizados por RMN 1H, RMN 13C, IV, determinação da rotação ótica e ponto de fusão. Dois derivados peróxidos sintetizados já caracterizados, um endoperóxido e um produto de redução do endoperóxido, foram enviados para a Fundação FIOCRUZ (MG) para realização de teste como antimalárico. Portanto, a viabilidade de síntese de derivados peróxidos a partir do ácido ózico foi confirmada e outros derivados podem ser sintetizados de forma semelhante para avaliação biológica.

Ácido ózico - Peróxido - Antimalárico

E0563

BIOATIVIDADE DE DERIVADOS HOMÓLOGOS DO ÁCIDO SALICÍLICO SOBRE O METABOLISMO AERÓBICO DA SACCHAROMYCES CEREVISIAE – UM ESTUDO CALORIMÉTRICO


Juliana Nakasone (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Pedro Luiz Onófrio Volpe (Orientador), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
O calor produzido por organismos vivos pode ser investigado e monitorado em tempo real utilizando-se a calorimetria isotérmica de fluxo. Com o advento de calorímetros bastante sensíveis, os microcalorímetros isotérmicos de condução de calor, é possível o estudo em tempo real dos processos metabólicos de sistemas microbianos, os quais produzem apenas pequenas quantidades de calor. Apesar de apresentar uma série de vantagens sobre outras técnicas, tais como a rapidez de obtenção e reprodutibilidade das medidas, utilização de pequenas quantidades de material e a facilidade de se relacionar os resultados à biomassa ou taxas metabólicas, a calorimetria é um método não-específico. Ou seja, ela é capaz de medir o efeito de compostos sobre o metabolismo do organismo em estudo como um todo, mas não nos permite inferir seu mecanismo de ação. Neste trabalho, investigou-se por meio de medidas calorimétricas a resposta biológica produzida durante o metabolismo aeróbico da S. cerevisiae sob os efeitos do ácido acetilsalicílico e seus derivados homólogos (ácido propionilsalicílico, butanoilsalicílico e valerilsalicílico). Estudaram-se os efeitos desses compostos em várias concentrações, além da influência da hidrofobicidade (tamanho da cadeia carbônica) sobre resposta térmica do metabolismo de respiração da levedura.

Calorimetria - Bioatividade - Séries homólogas

E0564

ESTUDO CALORIMÉTRICO DO EFEITO DA ADIÇÃO DE DERIVADOS HOMÓLOGOS DE SAIS QUARTENÁRIOS DE AMÔNIO SOBRE A RESPIRAÇÃO DA SACCHAROMYCES CEREVISIAE


Rafaela Rodrigues Gonçalves (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Pedro Luiz Onófrio Volpe (Orientador), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
A levedura Saccharomyces cerevisiae (fermento de panificação) é taxonômicamente definida como pertencente ao Reino Fungi.Os fungos constituem uma espécie de microorganismos de grande importância para a indústria de fermentação e biotecnologia. O calor produzido por essa levedura durante o ciclo de vida, devido ao seu próprio metabolismo, foi investigado e monitorado em tempo real utilizando-se a técnica da microcalorimetria de fluxo.Com este trabalho adquiriu-se novas informações a respeito do possível desacoplamento da cadeia respiratória da Saccharomyces cerevisiae, pela adição dos derivados homólogos de sais quartenários de amônio (SQA). A microcalorimetria de fluxo permite que se conheça o perfil da respiração da levedura sobre o efeito destes compostos,possibilitando o conhecimento da contribuição dos grupos hidrofóbicos na bioatividade dessa série homóloga de compostos. A Resposta Calorimétrica, a qual esta relacionada com a Resposta Biológica, é medida nos termogramas ou curvas potência – tempo. Os dados de correlação dos sais em função da Resposta Calorimétrica são utilizados para conhecer a bioatividade destes compostos (SQA).

Calorimetria - Bioatividade - Séries homólogas

E0565

ESTUDOS SOBRE A DESATIVAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE CATALISADOR INDUSTRIAL UTILIZADO NA HIDROFORMILAÇÃO DE OLEFINAS (RH/TPP)


Adriana Rink (Bolsista SAE/UNICAMP) e Profa. Dra. Regina Buffon (Orientadora), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
A hidroformilação de olefinas é um processo industrial de extrema importância usado na obtenção de aldeídos. Atualmente, os catalisadores empregados em tal reação atuam em fase homogênea, e consistem em complexos de Ródio e Fosfinas. Ao longo do processo, tais catalisadores sofrem desativação, cujas causas mais prováveis são a degradação dos ligantes fosforados ou o envenenamento do catalisador através da formação de complexos altamente estáveis. Contudo, tanto o processo de desativação, como a forma do catalisador em seu estado inativo são ainda desconhecidos, o que impossibilita o estabelecimento de rotas de recuperação para o catalisador, as quais são apresentam grande interesse econômico e acadêmico. Nesse trabalho será efetuada a análise do catalisador de Rh/TPP usado no processo industrial de hidroformilação de olefinas da empresa Eleikeroz, visando a caracterização das espécies de ródio presentes no catalisador inativo. Será feita a aplicação tanto de técnicas já conhecidas de separação via CCD, abertura de amostra e quantificação de Rh por ICP (cujas análises preliminares indicam que o ródio concentra-se principalmente na fase polar da amostra), como de técnicas de especiação de Rh via Eletroforese Capilar a serem desenvolvidas. Tal estudo, envolvendo, possibilitará uma melhor compreensão do processo de desativação e permitirá o desenvolvimento de estratégias de reativação do catalisador.

Catálise - Ródio - Hidroformilação

E0566

UTILIZAÇÃO DE COMPLEXOS HETEROGÊNEOS DE PALÁDIO COM UNIDADE DE CICLOFOSFAZENO EM REAÇÕES DE ACOPLAMENTO C-C DE STILLE


Ítalo Rogério de Jesus (Bolsista PIBIC/CNPq), Sabrina G. dos Santos, Cíntia A. Sato, Vanderlei I. de Paula e Profa. Dra. Regina Buffon (Orientadora), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
A Química contemporânea busca sintetizar produtos cada vez mais complexos empregando processos cada vez mais simples. A catálise utilizando metais de transição para reações de acoplamento entre carbonos revolucionou a síntese de novos produtos, pois estas rotas sintéticas geralmente são rápidas e com bons rendimentos. Um exemplo deste tipo de reação é a reação de Stille, que utiliza um alceno halogenado e um organometálico de estanho e é catalisada por complexos de paládio. Estes catalisadores são geralmente caros, e a imobilização destes é muito importante do ponto de vista econômico. Um catalisador homogêneo de paládio com um ligante ciclofosfazeno hexasubstituído com fosfinas, à temperatura de 100ºC em 4h apresenta TON de 4340 para esta reação. Já um catalisador análogo ancorado em matriz de sílica, possui TON de 1400. Novos estudos estão sendo feitos com catalisadores similares ao catalisador em fase heterogênea preparado, visando à obtenção de compostos com maior atividade catalítica.

Catálise - Paládio - Ciclofosfazeno

E0567

UTILIZAÇÃO DE COMPLEXOS DE PALÁDIO EM REAÇÕES DE ACOPLAMENTO C-C HETEROGÊNEAS:


Sabrina Gracia dos Santos (Bolsista PIBIC/CNPq), Ítalo Rogério de Jeus e Profa. Dra. Regina Buffon (Orientadora), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
Catalisadores heterogêneos são importantes industrialmente por que não se dissolvem no meio reacional, de modo que sua recuperação após uma determinada reação é facilitada. O objetivo deste trabalho é a síntese de um ligante ciclofosfazeno tetrasubstituído com grupos fosfina para a utilização do mesmo em catalisadores heterogêneos de paládio, e posterior utilização na reação de Sonogashira. A síntese do ligante foi efetuada utilizando-se ciclofosfazeno e 4-hidroxifenil-difenilfosfina, e o produto obtido na reação foi analisado por RMN 31P. Através do espectro obtido pode-se concluir que havia ciclofosfazenos tetra e penta substituídos no produto, sendo o tetra em maior quantidade do que o penta. Para a separação desses dois produtos e obtenção do tetra substituído puro, realizou-se uma coluna cromatográfica com sílica gel como a fase estacionária e uma fase móvel de diclorometano/hexano, cuja proporção desses dois solventes para uma otimização da separação dos produtos ainda está sendo testada.

Catálise - Paládio - Acoplamento C-C

E0568

INTERAÇÃO TRANSANULAR ENTRE O GRUPO CARBONILA E O ÁTOMO DE NITROGÊNIO NO ESTADO FUNDAMENTAL E IV E CÁLCULOS TEÓRICOS


Gabriela Fantinato Pereira (Bolsista IC CNPq), Francisco Paulo dos Santos e Prof. Dr. Roberto Rittner Neto (Orientador), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
O estudo de interações transanulares no estado fundamental, entre a carbonila e o nitrogênio diametralmente opostos é um problema clássico em Química Orgânica, tendo sido abordado em inúmeras publicações. O presente trabalho relata um primeiro estudo dessas interações através de cálculos teóricos em em aminocetonas e aminoaciloínas cíclicas. Para obtenção de dados experimentais está sendo realizada a síntese de um composto modelo, 1-isopropil-1-aza-ciclononan-5-ol-6-ona, partindo-se da -butirolactona para gerar o 4-hidroxibutirato de etila, seguida da substituição do grupo hidroxila por iodo para formar o 4-iodobutirato de etila. Este com isopropilamina dará origem ao , ´-isopropilimino-bis-butirato de dietlia, o qual por reação intramolecular fornecerá o 1-isopropil-1-azaciclononan-5-ol-6-ona. A síntese se encontra em andamento. Paralelamente, estão sendo realizados cálculos teóricos para o composto modelo e para os demais compostos, utilizando o programa GAUSSIAN 03 em nível B3LYP, empregando o conjunto de bases aug-cc-pVDZ. Os cálculos de freqüência da carbonila apresentaram um menor valor para os compostos nos quais os substituintes ligados ao nitrogênio eram menores, no caso da aminocetona de 7 membros, indicando uma maior interação transanular, em concordância com os dados experimentais da literatura.

RMN - Cálculos teóricos - Análise conformacional

E0569

O USO DO MÉTODO MONTE CARLO QUÂNTICO DE DIFUSÃO NO CÁLCULO DE ENERGIAS DE IONIZAÇÃO DE VALÊNCIA E CAMADA INTERNA PARA MOLÉCULAS SIMPLES


Leandro de Abreu (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Rogério Custodio (Orientador), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
Este projeto corresponde a uma etapa de avaliação sistemática do uso do método Monte Carlo Quântico. Pretendeu-se considerar o estudo das energias eletrônicas e de ionização vertical (de valência e internas) de hidretos diatômicos no estado fundamental contendo elementos do segundo período da tabela periódica, analisando-se a capacidade das simulações corrigirem efeitos de correlação eletrônica, incluindo-se ou não fatores de correlação explícitos. A partir dos resultados obtidos, verificou-se ser possível obter, para as moléculas neutras, energias eletrônicas com uma taxa elevada de recuperação da energia de correlação eletrônica. Um exemplo disto foi o resultado obtido para LiH (EelDMCQ: -8,071hartrees; Eelexperimental: -8,0703hartrees). Os valores de energias de ionização calculados, em geral, concordaram com valores encontrados na literatura e na maioria dos casos, utilizando-se o método DMCQ, obteve-se um erro percentual relativo menor que 4%. Porém, é necessário utilizar alguma alternativa para melhorar a descrição de alguns íons, principalmente relativos às moléculas NH e OH que chegaram a apresentar erros percentuais relativos maiores que 10%. Um exemplo disto foi a energia de ionização obtida para a molécula OH na formação do íon OH+12223211()11() (EIDMCQ: 14,285eV; EIexperimental: 16,64eV). Uma possibilidade é o uso da matriz densidade ao invés do uso de determinantes de Slater. Outra possibilidade é o uso de funções de onda multiconfiguracionais. Cálculos nesse sentido estão sendo realizados.

Monte Carlo de Difusão - Energia de ionização - Elétrons Iiternos

E0570

SÍNTESE DE ANÁLOGOS HETEROCÍCLICOS DA GONIOTALAMINA


Lucas Meneses Lira (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Ronaldo Aloise Pilli (Orientador), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
O projeto tem como objetivo preparar análogos heterocíclicos da goniotalamina em suas duas formas enantioméricas visando à avaliação futura da atividade citotóxica contra linhagens de células tumorais, contribuindo assim para um melhor entendimento da relação estrutura-atividade biológica dessa classe de compostos.A síntese proposta iniciou-se com a redução do éster 2-metil-1,3-tiazol-4-carboxilato de etila, preparado em rendimento quantitativo a partir da reação entre tioacetamida e bromopiruvato de etila, com DIBAL-H obtendo-se o aldeído correspondente, que foi homo-logado usando-se cloreto de (formilmetil)-trifenilfosfônio e trietilamina. Reação de alilação com aliltributilestanho e BFOEt2 forneceu o álcool homoalílico em sua forma racêmica, o qual foi submetido a uma reação de esterificação usando-se cloreto de acriloíla e trietilamina, obtendo-se o éster correspondente em 19% de rendimento após as quatro etapas acima. Reação de metátese de olefinas para fechamento de anel forneceu a di-hidropiranona desejada. O projeto continua em andamento no sentido de obter a di-hidropiranona já preparada tanto em sua forma racêmica como em sua forma enantiomericamente enriquecida para posterior avaliação de atividade biológica.

Goniotalamina - Síntese assimétrica - Análogos heterocíclicos

E0571

SÍNTESE E AVALIAÇÃO BIOLÓGICA DE DERIVADOS FOSFORILADOS DE DIHIDROPIRANONAS


Renan Barroso Ferreira (Bolsista FAPESP) e Prof. Dr. Ronaldo Aloise Pilli (Orientador), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
Anéis lactônicos insaturados estão presentes em vários compostos que apresentam atividade citotóxica contra diversas linhagens de células tumorais, como a goniotalamina e a fostriecina que encontram-se em estudo em nosso laboratório. No âmbito deste projeto, foram sintetizados várias di-hidro-2H-piranonas em formas racêmica e enantiomericamente enriquecidas, contendo uma cadeia lateral hidroxilada de tamanho variável em C-6. Derivados fosforilados das lactonas preparadas também serão investigados através de estudos de inibição de fosfatases via transdução de sinal e de atividade citotóxica frente a diversas linhagens de células tumorais. Os resultados de atividade biológica permitirão avaliar a importância dos elementos estruturais acima para atividade citotóxica e de inibição de fosfatases contribuindo para o desenho de novos análogos simplificados de produtos naturais.

Dihidropiranonas - Síntese - Atividade biológica

E0572

DESENVOLVIMENTO DE NOVAS METODOLOGIAS ANALÍTICAS UTILIZANDO MÉTODOS PARA CALIBRAÇÃO DE SEGUNDA ORDEM


Marcos Fernando Franco (Bolsista IC CNPq) e Prof. Dr. Ronei Jesus Poppi (Orientador), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
Neste trabalho foi desenvolvida uma metodologia de análise prática e reprodutível para determinação simultânea de ácido acetilsalicílico (AAS) a ácido ascórbico (AA) em medicamentos. Para isso foi utilizado um sistema de análise por injeção em fluxo (FIA) com geração de um gradiente de pH e calibração multivariada de segunda ordem baseada no método PARAFAC. Foi montado um sistema FIA capaz de gerar um gradiente de pH no qual estão contidos os pKa’s dos fármacos estudados. Para a construção deste sistema foram utilizadas 3 válvulas solenóides de três vias, uma bomba peristáltica, tubos de Tygon e politetrafluoroetileno (PTFE), junções e reator de acrílico, além de um agitador magnético comum. A saída do sistema foi acoplada a uma célula de fluxo para monitoramento espectrofotométrico na faixa de 190 a 330 nm por um equipamento HP 8452 equipado com detector de arranjo de diodos. A utilização do PARAFAC com cinco fatores conseguiu captar o aparecimento do efeito Schilierien que foi separado da contribuição espectral das formas não protonadas e protonadas dos ácidos estudados. Erros abaixo de 5% foram obtidos, mostrando assim que o método proposto pode ser utilizado na determinação simultânea de ácido acetilsalicílico e ácido ascórbico.

Quimiometria - Calibração - Análise de fármacos

E0573

PRÉ-CONCENTRAÇÃO E DETERMINAÇÃO ON-LINE DE ZINCO COM ZINCON USANDO ESPECTROMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA-ESTUDO DE INTERFERENTES


Rafaella Regina Alves Peixoto (Bolsista IC CNPq) e Profa. Dra. Solange Cadore (Orientadora), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
O Zn é um elemento metálico que possui fundamental importância no crescimento e desenvolvimento de diversos organismos vivos, mostrando a importância do desenvolvimento de métodos analíticos para a sua quantificação. Um sistema FI-FAAS foi proposto para a pré-concentração on-line do Zn, o qual foi extraído utilizando-se Extração em Fase Sólida (SPE) utilizando uma mini-coluna de pré-concentração acoplada ao injetor do sistema FI. A mini-coluna de vidro foi preenchida com a resina Dowex 1X8, cuja superfície foi modificada com o reagente quelante Zincon, que forma um complexo estável com o zinco nas condições utilizadas. No entanto, sabe-se que o Zincon também reage com outros elementos metálicos como Cu, Ni, Co, Ca, entre outros. Baseando-se nisto, é importante investigar a possível interferência destes elementos sobre a pré-concentração do Zn. Para tal, foram estudados os efeitos de interferência dos íons Cu, Ni, Co, Mn, Fe, Na, Ca, K e P em excesso com relação à concentração de Zn. Os resultados mostraram que nenhum destes elementos causou interferência significativa sobre o sinal analítico do Zn nas concentrações estudadas, o que possibilita a aplicação do método proposto para a determinação de Zn em amostras onde este é encontrado em baixos níveis de concentração.

Zinco - Pré-concentração - Faas

E0574

DETERMINAÇÃO DE MINERAIS EM SORO DE LEITE


Sara Raquel Santos Tavares (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Solange Cadore (Orientadora), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
O soro de leite é um sub-produto da produção de queijo que representa 85-95% do volume do leite e retém 55% dos nutrientes do mesmo. Devido ao seu reconhecido valor nutritivo, ele tem sido aplicado em diversas áreas, principalmente na alimentícia. O estudo da composição inorgânica do soro do leite permite a determinação de algumas espécies metálicas que possuem propriedades nutricionais e outras espécies possivelmente tóxicas . A composição dos diversos tipos de soro varia consideravelmente com a origem do leite e com o processo utilizado na fabricação do queijo. A técnica utilizada para a determinação dos elementos inorgânicos no soro de leite é a Espectrometria de Emissão Óptica em Plasma de Argônio com Acoplamento Indutivo (ICP OES) , que permite uma determinação multielementar e simultânea de espécies metálicas. Porém para a introdução direta da amostra no equipamento é necessário o estudo de vários parâmetros, tais como : tipo de visão do detector (axial ou radial), uso de padrão interno, e escolha do comprimento de onda adequado para cada elemento. Os resultados mostraram que com uma diluição de 40% da amostra de soro de leite as recuperações não foram quantitativas utilizando-se Y como padrão interno, enquanto que nas amostras sem Y as recuperações tiveram um resultado de recuperação melhores.

Soro de leite - ICP OES - Minerais

E0575

DETERMINAÇÃO DE MINERAIS EM MEL POR GF AAS APÓS TRATAMENTO DA AMOSTRA COM FOTÓLISE OXIDATIVA


Taise Suéllen de Castro (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Solange Cadore (Orientadora), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
A composição química do mel de abelhas é, essencialmente, uma mistura complexa de carboidratos, água e minerais. Os constituintes considerados essenciais à dieta humana podem estar presentes no mel em concentrações tais que podem classificá-lo como um fonte rica ou boa de determinados minerais e, a quantificação de metais de transição podem assinalar possíveis contaminações ou poluição ambiental. A proposta deste trabalho foi desenvolver um método para determinação de Zn e Ni em amostras de mel por Espectrometria de Absorção Atômica com Forno de Grafite (GF AAS), após o seu tratamento por fotólise oxidativa, utilizando um reator Lab- Made, cujos parâmetros (potência da lâmpada e tempo de irradiação da amostra) foram previamente otimizados. Por se tratar de uma técnica monoelementar, o programa de aquecimento do forno de grafite, incluindo o tempo e a temperatura de pirólise e de atomização, bem como o uso de diferentes modificadores químicos, foram cuidadosamente selecionados, de acordo com o analito, para garantir a reprodutibilidade das medidas e diminuir a absorção de fundo (absorção não-seletiva).

Mel - Gf Aas - Fotólise oxidativa

E0576

DETERMINAÇÃO DE PARABENOS E BRONOPOL EM PRODUTOS DE HIGIENE PESSOAL, USANDO A CROMATOGRAFIA LÍQUIDA DE ALTA EFICIÊNCIA


Leticia Maria da Silva Cruz (Bolsista PIBIC/CNPq), Isarita Martins , Larissa de Souza Canaes e Profa. Dra. Susanne Rath (Orientadora), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
Estudos recentes têm demonstrado que os parabenos, utilizados como conservantes, apresentam propriedades estrogênicas, o que tem levado a questionamentos quanto à sua segurança na sua utilização. Assim, este trabalho teve como objetivo validar método usando cromatografia líquida de alta eficiência com detecção por arranjo de diodos, para a determinação de metil-, etil- e propilparabeno, em amostras de xampus. Benzilparabeno foi usado como padrão interno. A extração dos parabenos da amostra foi realizada por extração em fase sólida, usando cartuchos C18. A separação foi realizada em coluna Waters XTerra® RP8 (200 x 4,6 mm; 5 μm), fase móvel constituída de H2O/ ACN, com gradiente de eluição, na vazão de 1 mL/ min. Os resultados da validação foram satisfatórios, para os parâmetros: faixa linear (0,125% a 0,625 % m/m), linearidade (r > 0,99), exatidão (de 98,5 a 101,4%), precisão intra-ensaio (< 2,3%) e precisão inter-ensaio (< 3,5%). Foram analisadas 10 amostras de xampu e foi verificado que todas estavam em conformidade com os valores preconizados pela ANVISA (teor para parabenos totais ≤ 0,8% m/m).

Conservantes - Cosméticos - Cromatografia líquida

E0577

ESTUDO DO EQUILÍBRIO DE FASES E CARACTERIZAÇÃO ESTRUTURAL DE SISTEMAS CONTENDO SAL-COMPLEXO (POLIÂNION + ÍON SURFATANTE), ÁGUA E ÁLCOOIS


Daniel Rege Catini (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Watson Loh (Orientador), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
Polieletrólitos são conhecidos por se associarem fortemente a surfatantes iônicos, levando a uma separação das fases concentrada e diluída. Aplicações de sistemas que utilizam dessa propriedade são diversas e recentemente, tem sido grande o interesse não apenas nas estruturas formadas dessa interação, mas ainda, nos parâmetros que podem controlá-la. Neste trabalho, fases lamelares coexistentes foram estudadas em sistemas ternários formados por poliacrilato de hexadeciltrimetilamônio (C16TAPAY, Y = 30 ou 6000), álcoois (1-dodecanol ou 1-tetradecanol) e água. Aproximadamente no centro do diagrama formado em sistemas com dodecanol, ocorreu uma segunda fase birrefringente em equilíbrio com a fase lamelar. Através de espalhamento de raios-X a baixo ângulo (SAXS) viu-se que também era formada por bicamadas planares (agregados lamelares). Calorimetria diferencial de varredura (DSC) foi usada para se determinar a temperatura da transição de fases lamelares alfa e beta. A diferença entre elas está relacionada com a ordenação a curtas distâncias das cadeias de surfatante e de álcool. Com este trabalho, pretende-se examinar o efeito da mudança da cadeia carbônica do álcool na estruturação da fase lamelar. Resultados obtidos com tetradecanol ainda estão sendo analisados.

Fase lamelar - Cristal-líquido - Coexistência de fases

E0578

ESTUDO CALORIMÉTRICO DA INTERAÇÃO DE SURFATANTES COM POLÍMEROS: ESTUDOS COM SURFATANTES ZWITTERIÔNICOS


Laura Bissoli de Mello (Bolsista SAE/UNICAMP) e Prof. Dr. Watson Loh (Orientador), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
Surfatantes, ou tensoativos, são substâncias anfifílicas que possuem em sua estrutura uma cadeia carbônica apolar (hidrofóbica ou lipofílica) e uma porção polar (hidrofílica). A porção polar deste pode ser iônico, não-iônico, ou anfótero, esse último apresentando uma carga positiva e negativa de mesma intensidade, chamado de zwitteriônico. Essas substâncias têm a capacidade de interagir tanto com compostos polares quanto apolares, formando micelas. No presente estudo, foi investigada a interação do surfatante zwitteriônico com polímeros, além de seu comportamento termodinâmico em água a diversas temperaturas, variando-se também o tamanho da cadeia carbônica. O método utilizado para tais fins foi a titulação calorimétrica isotérmica (ITC), que fornece o comportamento entálpico do sistema como um todo. O tratamento dos dados e cálculos foram realizados com o auxílio do software Origin®, segundo equações retiradas da literatura. Constatou-se que, como esperado, os surfatantes zwitteriônicos têm um comportamento semelhante aos não-iônicos, apresentando, por exemplo, uma variação linear das constantes termodinâmicas (TΔS e ΔG), com o aumento da temperatura. Além disso, não foi observada uma interação significativa entre tais tensoativos e polímeros.

Calorimetria - Surfactante - Micelas

E0579

PREPARAÇÃO E PROPRIEDADES FÍSICO-QUÍMICAS DE UM SURFATANTE CATANIÔNICO CONTENDO DODECILSULFATO E ÓXIDO DE DODECILAMÔNIO


Márcio Henrique Nogueira Navega (Bolsista IC CNPq), André Conde da Silva e Prof. Dr. Watson Loh (Orientador), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
As soluções aquosas de óxidos de amina e tensoativos aniônicos, tal como o SDS, apresentam fortes interações que são exploradas em suas aplicações, em especial para produtos de limpeza e na formulação de emulsões. Estas misturas apresentam forte desvio do modelo ideal com valores bastante negativos de parâmetros b. Estes valores negativos indicam redução das atividades de ambos os surfactantes na solução aquosa, porém sem redução significativa das propriedades de superfície da mistura. Do ponto de vista prático estas sinergias são aproveitadas para obtenção de compostos com destacadas propriedades tensoativas (espuma, detergência, etc), e redução significativa do potencial de irritação da pele relacionada à atividade de tensoativos monoméricos em solução. Compostos catiônicos associam-se com os tensoativos aniônicos e geram compostos de associação do tipo cataniônico de alta estabilidade. A motivação para este trabalho decorre em isolar o composto cataniônico do óxido de dodecildimetilamina e dodecilsulfato de sódio, e estudar suas propriedades visando correlacionar com as observações de aplicação. Preparou-se um novo composto que apresentou pequena solubilidade em água representando uma potente alternativa emulsificante de água em óleo com baixíssima irritabilidade e toxidez devido sua insolubilidade.

Surfatante cataniônico - Óxido de amina - SDS





Compartir con tus amigos:
1   ...   69   70   71   72   73   74   75   76   ...   95


La base de datos está protegida por derechos de autor ©psicolog.org 2019
enviar mensaje

enter | registro
    Página principal


subir archivos