Universidade estadual de campinas


EDUCAÇÃO PARA O HIDROGÊNIO



Descargar 4.56 Mb.
Página67/95
Fecha de conversión03.12.2017
Tamaño4.56 Mb.
Vistas2279
Descargas0
1   ...   63   64   65   66   67   68   69   70   ...   95

E0418

EDUCAÇÃO PARA O HIDROGÊNIO


Karina Maretti Strangueto (Bolsista SAE/UNICAMP), Elisabeth Barolli e Prof. Dr. Ennio Peres da Silva (Orientador), Instituto de Física - IFGW, UNICAMP
Esse projeto visa proporcionar uma formação complementar, principalmente aos alunos do Ensino Médio, nas questões relativas à Economia do Hidrogênio, já que esse combustível deverá fazer parte do cotidiano das pessoas ainda nesta primeira metade do Século XXI. Constatou-se, no projeto anterior, que aspectos relativos aos métodos adotados para a universalização do saber, nesse caso relacionados à temática da Economia do Hidrogênio, necessitavam ser revistos para que os resultados desejados fossem obtidos. Assim sendo, o projeto visa aperfeiçoar a metodologia empregada para o Ensino de novas tecnologias, através do estudo e aplicação de novas estratégias, como através da educação não-formal, para a inserção desse tema na sociedade. Para isso, foi realizado um estudo sobre outros métodos de ensino e de transmissão de saberes, para se chegar ao qual (ou quais) melhor se enquadram nas expectativas do projeto, para que a idéia da Educação para a Economia do Hidrogênio não seja divulgada pontualmente, mas seja ensinada de forma contínua e para o maior número possível de pessoas, principalmente aquelas que farão de fato uso dessa tecnologia, e que hoje estão cursando o final do Ensino Fundamental e o Ensino Médio.

Educação - Hidrogênio - Educação não-formal

E0419

ESTUDO DE TÉCNICAS DE ANÁLISE DE DADOS DIRECIONAIS PARA USO EM DADOS DO OBSERVATÓRIO PIERRE AUGER


Bruno Daniel (Bolsista PIBIC/CNPq), Rogério Menezes de Almeida (Co-orientador) e Prof. Dr. Ernesto Kemp (Orientador), Instituto de Física - IFGW, UNICAMP
A origem, composição e propagação dos raios cósmicos no universo é ainda um problema em aberto na Física. O Observatório Pierre Auger, com seu aparato cobrindo uma área de ~3000 km2, foi projetado para obter boa estatística de eventos em escala de tempo de alguns anos, fator limitante no estudo de raios cósmicos de energia ultra-alta devido a seu baixo fluxo. Utilizando uma técnica híbrida de detecção, com o ineditismo do uso de detectores de superfície e de fluorescência juntos, o observatório toma dados de maneira estável desde janeiro de 2004. Neste trabalho mostramos resultados da aplicação da técnica de Momento de Inércia, ferramenta para análise estatística de dados direcionais, que utilizamos na identificação de anisotropias, em larga e pequena escala, nos dados obtidos pelo observatório. A viabilidade de aplicação do método foi estudada usando simulações de direções de chegada dos eventos, levando-se em conta a exposição parcial e não uniforme do observatório. Mostraremos a sensibilidade do método em discriminar o comportamento da direção de chegada dos raios cósmicos, através de resultados obtidos na identificação de casos típicos de anisotropias celestes.

Raios cósmicos - Anisotropias - Observatório Pierre Auger

E0420

ESTUDO DA RESOLUÇÃO DO EXPERIMENTO LVD NA DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS ESPECTRAIS DE NEUTRINOS DE SUPERNOVAS


Natália do Carmo Carvalho (Bolsista SAE/UNICAMP) e Prof. Dr. Ernesto Kemp (Orientador), Instituto de Física - IFGW, UNICAMP
Neutrinos de supernovas têm um importante papel na Física de Astropartículas, devido ao seu potencial como “sonda” do interior estelar, em particular, de regiões onde nenhum outro tipo de radiação consegue escapar. Vários telescópios neutrínicos encontram-se em funcionamento (Amanda, LVD, SNO e Super Kamiokande) para detecção dessa radiação. O objetivo deste projeto é estudar a resolução do experimento LVD para detecção de neutrinos em seus diversos canais, seja em corrente carregada ou em corrente neutra. Foram realizadas simulações das taxas de interação de neutrinos em vários canais de detecção, parametrizadas por fatores associados à explosão da estrela (temperatura da neutrinosfera e fator de degenerescência do espectro) e associados ao experimento (eficiências relativas de detecção de cada canal). A análise das distribuições das grandezas obtidas nas simulações, já afetadas por flutuações estatísticas, permitiu estimar a resolução do experimento LVD em medidas dos parâmetros astrofísicos que podem ser extraídos do sinal de neutrinos.

Neutrinos - Supernovas - LVD

E0421

BUSCA DE UHECRS PROVENIENTES DO SGR 1806-20 UTILIZANDO FILTRO DE WAVELETS


Rafael Alves Batista (Bolsista PIBIC/CNPq), Rogério Menezes de Almeida (Co-orientador) e Prof. Dr. Ernesto Kemp (Orientador), Instituto de Física - IFGW, UNICAMP
A origem e os mecanismos de propagação de raios cósmicos de energia ultra-alta (UHECRs) no universo são ainda desconhecidos. O Observatório de Raios Cósmicos Pierre Auger, situado na Argentina, foi projetado com a intenção de identificar possíveis anisotropias e fontes siderais de UHECRs. Dentre os candidatos a fontes estão os magnetares, que são estrelas de nêutrons com campos magnéticos extremamente elevados (~1010 T). Estes objetos emitem grande quantidade de radiação, incluindo raios-X e pulsos de raios-γ, sendo também conhecidos como SGRs (Soft Gamma Repeaters). Algumas técnicas matemáticas permitem a identificação de sinais mesclados em ruído de natureza estocástica; são os chamados filtros. Dentre estes, utilizou-se os filtros de wavelets, mais especificamente a família denominada MHWF (acrônimo do inglês Mexican Hat Wavelet Family) para buscar UHECRs provenientes do SGR 1806-20 (α=18h 08m 39.32s, δ=-20° 24' 39.5"). O presente trabalho apresenta os resultados obtidos para esta fonte com a aplicação das MHWF sobre mapas celestes de eventos detectados pelo Observatório Pierre Auger.

Raios cósmicos - Wavelets - SGR 1806-20

E0422

CARACTERIZAÇÃO DE UM EQUIPAMENTO DE PLASMA ENHANCED CHEMICAL VAPOR DEPOSITION PECVD PARA DEPOSIÇÃO DE FILMES FINOS CONTENDO TITÂNIO POR PLASMA DE RADIOFREQÜÊNCIA


Vinicius Gabriel Antunes (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Fernando Alvarez (Orientador), Instituto de Física - IFGW, UNICAMP
As tecnologias baseadas a plasma são, hoje em dia, os tratamentos termoquímicos mais modernos e amplamente usados na modificação de superfícies. Estas técnicas podem dividir-se em dois grandes grupos: implantação iônica e deposição de filmes finos. Todos esses tratamentos visam melhorar as propriedades mecânicas e químicas e, conseqüentemente, a vida útil do material modificado. Os filmes finos se aplicam em grande escala na indústria metal-mecânica para aumentar consideravelmente a vida útil das ferramentas de corte, moldes, etc, sendo que a liga TiN é, atualmente, o material mais usado como revestimento duro. O trabalho tem o objetivo de estudar o sistema PECVD (abreviação inglesa de Plasma Enhanced Chemical Vapor Deposition), depositando filmes finos contendo TiN via injeção de líquidos voláteis como etóxido de titânio (titanium ethoxide), Ti(OC2H5)4, em amostras de aço, mediante um plasma de radiofreqüência. As técnicas de caracterização utilizadas nesse trabalho são orientadas a estudar as propriedades estruturais e químicas do filme. Utilizamos as técnicas de XPS, nano-indentação e difração de raios-X. Finalmente, o estudo sistemático da relação entre as proporções Ti:N utilizadas, podem nos levar a obter filmes com proporção 1:1, os quais possuem os máximos valores de dureza.

Deposição por vapor químico - Recobrimentos duros - Plasma

E0423

MICRO-LUMINESCÊNCIA E MICRO-RAMAN PARA ANÁLISE DE NANOESTRUTURAS DE SEMICONDUTORES NA PRESENÇA DE ALTO CAMPO MAGNÉTICO


Claudecir Ricardo Biazoli (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Fernando Iikawa (Orientador), Instituto de Física - IFGW, UNICAMP
O projeto consiste em montagem das técnicas de micro-fotoluminescência e micro-Raman na presença de alto campo magnético, técnicas úteis para estudo de propriedades ópticas de nano-estruturas semicondutoras, sistemas bastante investigados nos últimos anos. A montagem experimental foi feita dentro de um magneto-criostato de 15T. A amostra é colada sobre os mini-posicionadores xyz de piezo-elétricos que permitem o posicionamento do feixe do laser sobre a amostra. O feixe de laser é focalizado através de uma objetiva de microscópio óptico. O conjunto (amostra, deslocadores e objetiva) fica submerso em He líquido superfluido a 2K. Para a automatização dos mini-posicionadores xyz utilizamos o programa LabView. Para a obtenção do sinal de luminescência e de espalhamento Raman foi utilizado o sistema monocromador+CCD da Jobin-Yvon e da Andor. Com essa montagem realizamos medidas de espalhamento Raman em grafenos (uma mono-camada de grafite), material de interesse em física fundamental, e também realizamos medidas de fotoluminescência em nanofios de InP, material de interesse tecnológico. Esse sistema é o único no Brasil e existem poucos laboratórios no exterior semelhante a nossa montagem.

Luminescência - Nanoestruturas - Semicondutores

E0424

ESPECTROSCOPIA DE FOTOLUMINESCÊNCIA DE EXCITAÇÃO NA FAIXA ENTRE ULTRAVIOLETA E INFRAVERMELHO PRÓXIMO


Claudio Vinicius Rodrigues da S. Ruffo (Bolsista SAE/UNICAMP) e Prof. Dr. Fernando Iikawa (Orientador), Instituto de Física - IFGW, UNICAMP
As técnicas de medidas ópticas são amplamente utilizadas nos estudos de materiais semicondutores. As medidas com essas técnicas fornecem informações espectrais e também estruturais do sistema de forma não destrutiva. O projeto desenvolvido consiste de duas montagens experimentais para investigar propriedades ópticas por técnica de fotoluminescência de excitação (PLE): uma na região ultravioleta+visível e a outra na região visível+infravermelho próximo. O software de automação e rotina de aquisição dos dados foi desenvolvido com uso de linguagem Labview®. Para montagem na região do infravermelho utilizamos uma lâmpada de filamento como fonte de luz e para a região de ultravioleta, uma lâmpada de Xe. Em ambas as montagens utilizamos um espectrômetro simples para obtermos a fonte monocromática e um duplo para a detecção da luminescência. Através desses sistemas realizamos medidas de PLE em filmes epitaxiais e nanofios de InN, onde emitem na região de 1.8 m, e em filmes epitaxiais de GaN na fase cúbica que emitem na faixa de 0.38 m. Ambos os materiais têm grande interesse tecnológico e a investigação de suas propriedades ópticas ajudará no desenvolvimento de fabricação de dispositivos.

Fotoluminescência - Semicondutores - Heteroestruturas

E0425

CONSTRUÇÃO DE UM ESPECTRÔMETRO DE PULSOS DE TERAHERTZ


Rafael Henrique Lemes Galvão e Prof. Dr. Flávio Caldas da Cruz (Orientador), Instituto de Física - IFGW, UNICAMP
Pulsos de TeraHertz são gerados em antenas fotocondutivas (comerciais e fabricadas na Unicamp), excitadas por pulsos ultra curtos advindos de lasers de femtosegundos no infravermelho próximo. O objetivo deste projeto é desenvolver um espectrômetro de pulsos de THz, para uso posterior em espectroscopia e imagens. As várias aplicações incluem: 1) segurança pública e defesa (detecção de minas terrestres, explosivos, identificação de pessoas portando armas e objetos perigosos, inclusive em aeroportos, identificação de drogas, inspeção de bagagens em portos e aeroportos, detecção de agentes biológicos ou tóxicos, objetos escondidos em embalagens de correio, como envelopes ou caixas), 2) na indústria (controle de qualidade: identificação de impurezas em alimentos, identificação não invasiva de gases no interior de embalagens plásticas, podendo identificar deterioração e prazo de validade, detecção de defeitos em semicondutores, análise estrutural, e varredura de fármacos), e 3) medicina: raios-T têm sido usados para identificar certas formas de câncer.
Há também pesquisa em andamento para a possível detecção de turbulência de céu claro usando radiação THz, um importante problema em aviação. A implementação e testes deste espectrômetro de pulsos de THz será pioneiro no país.

Terahertz - Espectrômetro - Femtossegundos

E0426

CONSTRUÇÃO DE CALORÍMETRO PARA HE4 COM ELEMENTOS PELTIER


Fábio Yasuhiro Tsukahara (Bolsista IC CNPq) e Prof. Dr. Flavio Cesar Guimarães Gandra (Orientador), Instituto de Física - IFGW, UNICAMP
O projeto de iniciação científica consiste no desenvolvimento e construção de um calorímetro para um sistema comercial de He4. Isso inclui o desenvolvimento de todas as peças de forma compatível com o sistema comercial, aprendizado do funcionamento e utilização de equipamentos do laboratório tais como controladores de temperatura, nanovoltímetros, fontes, bombas de vácuo, etc. Também faz parte do projeto o desenvolvimento de um software que faça aquisição e ajuste de dados, estabilização de temperatura, dentre outras finalidades. As técnicas utilizadas foram as de relaxação térmica, método de integração e um método dinâmico de variação de temperatura. Essas técnicas permitem não apenas a determinação do calor específico, mas também, o cálculo da variação de entropia do sistema, que nos possibilitaria quantificar o efeito magnetocalórico. O intervalo de temperatura no qual o equipamento opera é de 2K a 300K.

Calorimetro - Magnetocalóricos - Peltier

E0427

DETERMINAÇÃO DO EFEITO MAGNETOCALÓRICO POR CALORIMETRIA


Ricardo Donizeth dos Reis (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Flavio Cesar Guimarães Gandra (Orientador), Instituto de Física - IFGW, UNICAMP
O projeto consiste em realizar medidas de calorimetria e determinar a entropia magnética de amostras ferromagnéticas envolvendo materiais em estudo no Grupo de Metais e Ligas da Unicamp. A entropia magnética é obtida através da determinação da variação de calor em dada temperatura, obtida pela variação do campo magnético. Neste processo, usa-se o Peltier para determinar o fluxo de calor enviado para ou retirado da amostra, devido à variação do campo magnético. Medimos uma amostra de Gd5Ge2Si2 , que apresenta uma transição de primeira ordem próximo a 271K. No caso, a potência fornecida deveria levar toda (se suficiente) ou parte da amostra a realizar a transição de fase, envolvendo o calor latente. Nossos resultados mostram que o primeiro aquecimento apresenta uma energia absorvida pela amostra bem maior que para todos os outros processos de aquecimento e resfriamento feitos como repetição da mesma temperatura de medida.

Magnetocalorico - Calorimetria - Peltier

E0428

RESPOSTA ESPECTRAL EM CÉLULA SOLAR DE SILÍCIO CRISTALINO


Eduardo Alexandre Graziani (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Francisco das Chagas Marques (Orientador), Instituto de Física - IFGW, UNICAMP
Desde a crise energética de 1973, o interesse na utilização das células solares para fins terrestres vem aumentando. No Brasil existem hoje vários projetos em nível governamental e privado. Esses projetos englobam diversos aspectos da utilização da energia. Porém, para tornar economicamente viável essa forma de conversão de energia, busca-se uma eficiência maior das células fotovoltaicas. Para isso, o acompanhamento da evolução da célula em desenvolvimento é de grande importância. Neste projeto foi realizada a montagem de um sistema ótico para a determinação e análise da resposta espectral de células solares de silício cristalino convencional, com junção p-n obtido por difusão de fósforo. O sistema foi montado em uma bancada ótica e consta basicamente de uma lâmpada de xenônio, monocromador, medidor de intensidade luminosa, chopper, amplificador de corrente, lock-in e lentes. A luz branca obtida da lâmpada passa pelo monocromador e incide sobre a célula, cuja corrente de curto circuito foi obtida. Desta forma foram realizadas medidas da corrente de curtocircuito das células em função do comprimento de onda. Foram também investigadas as respostas espectrais de células solares fabricadas em diferentes condições, com diferentes tipos de camadas anti-refletoras, e de células fabricadas em silício monocristalino e policristalino.

Resposta espectral - Células solares de silício - Eficiência de células solares

E0429

INFLUÊNCIA DO TIPO E DIMENSÃO DO SUBSTRATO NA DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DO STRESS EM FILMES FINOS


Flávio Henrique Ferraresi (Bolsista SAE/UNICAMP) e Prof. Dr. Francisco das Chagas Marques (Orientador), Instituto de Física - IFGW, UNICAMP
O estudo das tensões mecânicas em filmes finos tem grande importância em várias áreas da tecnologia, por exemplo, na tecnologia empregada em células solares, vidicon e em fotosensores. Podemos quantificar a tensão em um filme fino através da equação de Stoney (σ=[E/(1-v)](t2/6dR)), entretanto, tal equação nunca foi testada experimentalmente. Nessa equação temos que E, v e t são, respectivamente, o módulo de Young, a razão de Poisson e a espessura do substrato, d é a espessura do filme e R é o raio de curvatura do conjunto filme/substrato. Nosso objetivo neste trabalho foi verificar a dependência do stress com o parâmetro das dimensões do substrato na equação de Stoney. Depositou-se filmes de germânio em substrato de silício cristalino orientado pelo método Sputtering, submetido a uma temperatura de 180ºC, tensão de 640 V, pressão de Argônio 1,5 x10-2 mBar, sem Hidrogênio, por duzentos minutos. Foram medidos os valores das curvaturas (1/R) através de um sistema composto por um laser, um conjunto de espelhos, um divisor de feixe, uma lente e por uma eletrônica que processa o sinal e o envia para um computador, e assim com o restante dos dados podemos utilizar a equação de Stoney para determinar o stress e verificar a dependência deste em relação à largura do substrato.

Stoney - Dimensões filme - Semicondutores amorfos

E0430

PROPRIEDADES TERMOMECÂNICAS DE SEMICONDUTORES AMORFOS


Jairo Fonseca Júnior (Bolsista PIBIC/CNPq), Myriano H. de Oliveira Júnior e Prof. Dr. Francisco das Chagas Marques (Orientador), Instituto de Física - IFGW, UNICAMP
Os filmes finos estão presentes em diversos dispositivos que compõem a tecnologia atual, como células solares, transistores de campo e emissores de luz ou elétrons. Portanto, torna-se de vital importância conhecer e caracterizar as propriedades dos filmes finos, a fim de aumentar a confiabilidade, desempenho e estabilidade desses mesmos dispositivos. Nesse trabalho desenvolvido, com ensaios experimentais do stress em função da temperatura, realizados em um sistema de medição óptico, realizou-se o estudo das propriedades mecânicas, tais como o módulo de Young E, a razão de Poisson v e o coeficiente de dilatação térmica . Nessa fase do projeto foi voltada uma atenção ao estudo das propriedades termomecânicas, em busca de verificar a existência experimental do comportamento anômalo (negativo) do coeficiente de dilatação térmica a baixas temperaturas (de 15K a 450K).

Módulo elástico - Coeficiente dilatação térmica - Semicondutores amorfos

E0431

ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DA RECONSTRUÇÃO DE IMAGENS DE MR ADQUIRIDAS COM MÚLTIPLAS BOBINAS


Rafael Ferreira da Costa Vescovi e Profa. Dra. Gabriela Castellano (Orientadora), Instituto de Física - IFGW, UNICAMP
A performance de scanners de imagens de ressonância magnética (MRI) deu um salto na última década graças ao advento da aquisição paralela, ou aquisição com múltiplas bobinas. Esse tipo de aquisição permite diminuir o tempo de scan, o que é sempre importante em aquisições de imagens médicas, particularmente em estudos de ressonância magnética funcional (fMRI); ou melhorar a razão sinal-ruído (SNR) das imagens adquiridas. O presente projeto tem por objetivo o estudo da reconstrução de imagens de MR adquiridas com múltiplas bobinas. O projeto teve uma fase teórica, que incluiu o estudo dos princípios físicos da geração do sinal de MR, da reconstrução das imagens de MR no caso de aquisição com uma única bobina, e do método SENSE de reconstrução de imagens de MR no caso de aquisição feita com múltiplas bobinas. Numa segunda etapa, o método SENSE de reconstrução de imagens adquiridas com múltiplas bobinas foi implementado e testado em dados reais. É importante ressaltar que nossa instituição possui um scanner de MR com campo de 3T, adquirido dentro do Programa CInAPCe da Fapesp. Este scanner opera com aquisição por múltiplas bobinas, e faz uma reconstrução “caixa-preta” baseada no método SENSE, portanto o estudo deste método é de grande interesse para o grupo.

MRI - Sense - Sensivity encoding

E0432

EFEITO DE PROXIMIDADE EM GRAFITE E BISMUTO


Bruno Cury Camargo (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Iakov Veniaminovitch Kopelevitch (Orientador), Instituto de Física - IFGW, UNICAMP
O efeito proximidade é, basicamente, a indução de propriedades supercondutoras em uma pequena região de material não supercondutor. O “efeito Josephson” é uma manifestação deste efeito proximidade, onde dois materiais supercondutores conectados por uma fina camada de material normal não apresenta resistência elétrica alguma. Neste trabalho, foram preparadas, utilizando-se um almofariz de ágata e elementos com pureza de 99,99% da companhia Sigma-Aldrich, amostras de ligas de bismuto-antimônio com concentrações de antimônio variando entre 0 e 30%, estequiometricamente. Algumas propriedades de tais amostras (pico mais intenso de raios-x, magnetização) foram medidas a fim de se observar suas relações com concentração de antimônio nas ligas. Também foram preparadas amostras com contatos supercondutores, a fim de se investigar a ocorrência do “efeito Josephson” neste tipo de ligas. Nas medidas de raios-x, foi observado um deslocamento no pico mais intenso do bismuto, em função do aumento da concentração de antimônio na amostra. Também pôde ser observado um pico de magnetização em amostras contendo uma concentração de antimônio por volta de 14%. Ainda é necessário se realizar medidas de transporte nas amostras preparadas com contatos supercondutores, a fim de se verificar as condições nas quais tal efeito ocorre no tipo de material em questão.

Efeito de proximidade - Supercondutividade - Junções Josephson

E0433

FILMES FOTOCONDUTORES


Mônica Soares Nunes (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Jaime Frejlich Sochaczewsky (Orientador), Instituto de Física - IFGW, UNICAMP
A fotocondutividade é definida como  a condutividade elétrica de um material sob ação da luz. Esse fenômeno envolve transições eletrônicas por meio da absorção de energia da luz, excitação de portadores de carga e recombinação desses portadores que retornam assim ao estado fundamental. A energia necessária para esta excitação dependerá do material e também de suas imperfeições. A fotocondutividade em filmes finos é estudada com um equipamento desenvolvido no próprio laboratório de óptica que, além de medir a fotocorrente, nos fornece simultaneamente o coeficiente de absorção óptico. Com essas informações podemos calcular propriedades específicas do material estudado, via um programa desenvolvido com o software Mathematica. Foram inicialmente estudados filmes finos de HgI2 e de BiI3 por causa do interesse desses materiais para detecção de raios X. Outros materiais como os fotorrefrativos serão estudados também nessa mesma configuração longitudinal (campo eletrico aplicado na mesma direção que a da luz incidente) pois ela permite obter informações diferentes e complementares que as obtidas pela clássica configuração transversal.

Filmes - Fotocondutividade - Raios X

E0434

CONDUTIVIDADE EM MATERIAIS FOTORREFRATIVOS: ETAPA-II


Rodrigo Eduardo Fraga Kumamoto (Bolsista SAE/UNICAMP) e Prof. Dr. Jaime Frejlich Sochaczewsky (Orientador), Instituto de Física - IFGW, UNICAMP
No trabalho anterior, utilizando um amplificador lock-in para fazer medidas elétricas de um cristal fotorrefrativo, obteve-se a energia de ativação e a condutividade no escuro de cristais de Bi12TiO20. Foi feita uma análise através da aplicação de uma tensão ac em baixas freqüências. Dados de corrente alternada foram extrapolados à freqüência zero a fim de obter a condutividade dc de cada material. Essa extrapolação seguiu um ajuste segundo o modelo de condução por “hopping”. Neste modelo, um cristal fotorrefrativo é compreendido como um circuito RC em paralelo. A fim de testar a validade desse modelo, bem como a confiabilidade das medidas feitas pelo amplificador lock-in, no presente trabalho analisamos circuitos RC em paralelo, com altas resistências e baixas capacitâncias, tentando simular ao máximo o efeito de um cristal. Os resultados mostraram que as medidas feitas pelo lock-in são mais precisas quando as impedâncias capacitiva e resistiva apresentam valores da mesma ordem de grandeza. No caso em que a impedância capacitiva é muito maior que a resistiva, os resultados não são tão confiáveis. Isso nos leva a concluir que as medidas obtidas com os cristais de BTO: V e BTO: Ga são mais confiáveis do que as obtidas com BTO nominalmente não dopado e BTO: PB.

Fotorrefrativos - Condutividade - Fotocondutividade

E0435

APERFEIÇOAMENTO DE UM SISTEMA AUTOMATIZADO PARA MEDIDA DE FOTOCONDUTIVIDADE


William Roberto de Araujo (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Jaime Frejlich Sochaczewsky (Orientador), Instituto de Física - IFGW, UNICAMP
Este trabalho teve como objetivo aperfeiçoar um sistema de medida de fotocondutividade desenvolvido no Laboratório de Óptica / IFGW / UNICAMP. Esse trabalho foi mais uma etapa do desenvolvimento de um instrumento automatizado para a medida de fotocondutividade em materiais fotorrefrativos, ou seja, materiais que apresentam efeito fotocondutivo e eletro-óptico. O estudo da fotocondutividade nesses materiais é muito importante, por ser uma propriedade fundamental no processo de registro óptico de luz. O instrumento é baseado na utilização de LEDs monocromáticos como fonte de luz, em substituição ao clássico sistema de iluminação baseado em luz branca e monocromador. Nesta etapa nos dedicamos à implementação de novos recursos que possibilitem melhorar a qualidade das medidas, viabilizem a exploração de outras propriedades desses materiais, além de aumentar a gama de materiais que podem ser estudados com o instrumento. Para isso, implementamos um sistema mais adequado para o controle da intensidade luminosa dos LEDs e pretendemos aumentar o dominio espectral da medida na direção do infravermelho proximo, até aproximadamente 1500-1600 nm. Pretendemos também melhorar a operação e confiabilidade do instrumento via modificações no software LabVIEW que controla o sistema.

Fotocondutividade - Automação - Fotorrefrativos

E0436

GRAVAÇÃO DE HOLOIMAGENS A PARTIR DE UM SISTEMA QUE UTILIZA REDES DE DIFRAÇÃO E LUZ BRANCA


André Luiz Vannucci (Bolsista SAE/UNICAMP) e Prof. Dr. José Joaquín Lunazzi (Orientador), Instituto de Física - IFGW, UNICAMP
Projeto de física experimental que visa desenvolver uma maneira de gravar imagens como a de hologramas (o que chamamos de holoimagens) a partir de luz branca utilizando o principio da fotografia Lippman. A proposta inovadora publicada pelo Prof. Lunazzi em 1993 (pode ser acessada pelo link http://arxiv.org/ftp/arxiv/papers/0904/0904.2598.pdf ), sugere que a luz proveniente de um objeto ao passar por uma rede de difração e focalizada em uma placa holográfica gera um espectro na placa que quando iluminado por uma fonte de luz branca, reconstrói a trajetória dos raios de luz. Estes, ao passarem pela rede de difração, devem reproduzir a imagem em relevo do objeto, temos assim a holoimagem. A proposta nunca foi testada experimentalmente. Assim foi realizada uma montagem experimental para comprovar a sua veracidade. Durante o processo foi necessário estar familiarizado com principio da fotografia Lippman, fundamental para a obtenção da holoimagem. Alem de aprender as noções básicas, experimental e teórica, sobre gravações de hologramas, química de reveladores, e técnicas de revelação. Devido a qualidade da placa holográfica utilizada não obtemos resultados plenamente satisfatórios, entretanto os resultados obtidos estão próximos de comprovar a veracidade da proposta, o que tentaremos nos próximos quatro meses, até setembro. Se isso se realizar teremos uma grande inovação nas pesquisas sobre holografia.

Holografia - Holoimagens - Redes de difração

E0437

INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS NA EFICIÊNCIA DE OBSERVAÇÃO DE TRAÇOS NO DETECTOR LR-115 UTILIZADO NA DETERMINAÇÃO DA ATIVIDADE ALFA DE RADÔNIO-222 E FILHOS EM AMBIENTES DE CONVÍVIO HUMANO


Egont Alexandre Schenkel (Bolsista PIBIC/CNPq), Igor Alencar, Lucas C. Olivari, Pedro J. Iunes (Co-orientador) e Prof. Dr. Julio Cesar Hadler Neto (Orientador), Instituto de Física - IFGW, UNICAMP
Nosso grupo de pesquisa desenvolveu na década passada, uma técnica que permite a determinação da atividade de 222Rn e filhos emissores alfa no ar ambiental. Essa metodologia se baseia no fato de que detector de traços de partículas nucleares CR-39 poder ser utilizado como um espectrômetro alfa. O projeto no qual o presente trabalho está inserido, visa efetuar a calibração do detector de traços LR-115 através do CR-39. O LR-115 tem custo mais baixo que o CR-39, é de mais fácil manipulação e pode propiciar medidas mais rápidas e mais precisas. Os resultados apresentados são referentes ao estudo da reprodutibilidade da calibração do LR-115, tendo em vista as condições ambientais nas quais são efetuadas as exposições. A importância deste estudo reside no fato de que este detector será utilizado em medidas de campo.

Traços de partículas nucleares - Radônio e filhos - Detectores plásticos

E0438

TÉCNICAS DE ANÁLISE DE DADOS APLICADOS A EXPERIMENTOS DE ACELERADORES


Hugo Mafra Kunoh (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Jun Takahashi (Orientador), Instituto de Física - IFGW, UNICAMP
A análise de dados é parte fundamental no desenvolvimento de qualquer projeto científico, em particular em experimentos com um grande volume de dados obtidos, como é o caso dos experimentos de colisões de íons pesados em regimes relativísticos. Grandes projetos como os realizados no RHIC e no CERN avançaram a tecnologia da informática devido sua demanda por métodos eficientes de análise dos resultados experimentais. Tendo em vista o cenário descrito, este projeto foca no treinamento na área de análise de dados experimentais: parte-se de artigos chave para estudar quais os aspectos teóricos mais relevantes na avaliação dos resultados dessa área experimental, usando este conhecimento para o desenvolvimento de algorítimos de análise de dados tais como os obtidos no experimento STAR do acelerador RHIC. Utilizando dados simulados pelo Método de Monte Carlo e a plataforma de análise de dados ROOT, foram desenvolvidos alguns estudos como a distribuição de energia pela espécie de partícula gerada por simulação termodinâmica, ajustes de curvas como a distribuição de Boltzmann para medidas dos momentos transversais de partículas geradas em colisões e métodos como o de Lafferty & Wyatt para contornar as dificuldades geradas por uma quantidade pequena de pontos experimentais devido eventos de baixa estatística.

Análise de dados - Experimento star - Quark-gluon plasma

E0439

ESTUDO A APLICAÇÃO DE METODOS ESTATISTICOS EM EVENTOS DE RAIOS COSMICOS


Pedro Henrique Alves (Bolsista IC CNPq) e Prof. Dr. Jun Takahashi (Orientador), Instituto de Física - IFGW, UNICAMP
A origem dos raios cósmicos de altas energias é um mistério na ciência. Esse tema ganhou maior enfoque com o início das operações de coleta de dados, feitas pelo Observatório Pierre Auger, situado na Argentina. O estudo é restrito a partículas de altas energias devido ao fato de que, quanto maior sua energia, menor é o desvio causado pelo campo magnético extra-galáctico, preservando assim sua direção de origem. Com uma lista de objetos ativos extra-galácticos disponível, podemos calcular a correlação entre a direção de chegada de cada evento coletado com as coordenadas galácticas de tais objetos. Ao serem realizadas simulações que tem como parâmetro a porcentagem de eventos que são realmente gerados nas candidatas a fontes listadas, podemos estudar, através de aplicação de métodos estatísticos e análise gráfica dos resultados, o quão próximos estes eventos estão de uma distribuição isotrópica de eventos no céu. Este tipo de análise auxilia o estudo da origem e dos mecanismos de aceleração de tais partículas com energias tão altas. Serão apresentados resultados obtidos nas simulações e a comparação com os dados coletados pelo Observatório Pierre Auger.

Experimento Auger - Raios cósmicos - Anisotropia

E0440

ESTUDO ESTRUTURAL DE ÓXIDOS SEMICONDUTORES POR DIFRAÇÃO DE RAIOS-X


Luís Ricardo Sarti (Bolsista SAE/UNICAMP), Juliana Marcela Abraão de Almeida e Prof. Dr. Lisandro Pavie Cardoso (Orientador), Instituto de Física - IFGW, UNICAMP
Neste projeto pretendemos obter óxidos semicondutores dopados com metais de transição, em dimensões nanométricas. O interesse nesse sistema (CeO2) baseia-se principalmente na possibilidade de aplicação em catálise, material para polimento, aditivo cerâmico e como eletrólito sólido. As amostras contendo nanopartículas, e com diferentes concentrações de dopantes (Ni), serão analisadas por difração de raios-X, utilizando o método Rietveld para análise dos resultados.

Difração de raios-X - Semicondutores - Óxidos semicondutores

E0441

CORREÇÃO DO EFEITO DE VOLUME PARCIAL EM IMAGENS DE PET CEREBRAL


Murilo Collete da Silva (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Lorena Pozzo (Orientadora), Instituto de Física - IFGW, UNICAMP
O Efeito de Volume Parcial (EVP) é um dos principais fatores responsáveis pela degradação da imagem, em Medicina Nuclear. Ele está diretamente relacionado à resolução espacial e à amostragem da imagem, e resulta na diminuição aparente na densidade de contagens e aumento aparente do tamanho de estruturas. Visando corrigir tal efeito, aplicou-se o algoritmo iterativo de deconvolução de Van Cittert, inicialmente em uma imagem de Phantom Matemático, simulando quatro fontes radioativas de diferentes diâmteros. Observa-se que o método converge em 10 iterações, após a análise global da imagem. A análise local (a partir das regiões de interesse, traçadas sobre cada fonte) revela que a convergência local está relacionada ao tamanho do objeto: quanto menor o objeto, mais lenta a convergência. A redução dos valores das contagens máximas para as quatro fontes variou de 27% (para a maior fonte) a 44% (para a menor fonte). Em seguida, aplicou-se o mesmo método em imagens cerebrais de PET. Também foi testada uma variação deste método e seus resultados estão sendo analisados. Com a correção de todos os cortes cerebrais tomográficos é possível analisar variações estatísticamente significantes voxel a voxel, usando a ferramenta SPM (Statistical Parametric Mapping).

Pet/Ct - Volume parcial - Neuroimagem

E0442

ESPECTROSCOPIA DE ABSORÇÃO SATURADA E TRANSPARÊNCIA INDUZIDA ELETROMAGNETICAMENTE EM VAPOR ATÔMICO DE SÓDIO


Larissa Gaydutschenko (Bolsista SAE/UNICAMP) e Prof. Dr. Luis Eduardo Evangelista de Araújo (Orientador), Instituto de Física - IFGW, UNICAMP
A espectroscopia de absorção saturada é uma técnica relativamente simples, capaz de medir espectros atômicos com bastante precisão. Neste projeto, o átomo de sódio (através de seu vapor atômico) foi estudado e, por meio da técnica de absorção saturada, as transições hiperfinas relativas às linhas D1 e D2 foram resolvidas. Identificando as transições do átomo de sódio foi possível sintonizar o laser nas frequências corretas necessárias a um segundo experimento, o de transparência induzida eletromagneticamente (ou EIT, na sigla em inglês). Efeitos de coerência e interferência podem ser muito importantes para determinar as propriedades óticas de um sistema quântico. A transparência induzida eletromagneticamente tem suas origens neste tipo de efeitos. Diversas aplicações de EIT já foram propostas, como a propagação lenta da luz e o armazenamento de pulsos de luz em um meio atômico, por exemplo. Aqui, implementamos um experimento de EIT em vapor atômico de sódio. Observamos ressonâncias com largura de linha subnaturais, características de efeitos coerentes. A influência da potência do laser de acoplamento na largura da ressonância de EIT também foi estudada.

Absorção saturada - Transparência induzida - Espectroscopia atômica

E0443

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA PEDIÁTRICA: ESTUDO DAS DOSES DE RADIAÇÃO EM EQUIPAMENTOS MULTI-SLICE


Bruna Biazotto (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Marcelo Baptista de Freitas (Orientador), Instituto de Física - IFGW, UNICAMP
As condições de proteção radiológica específicas para pacientes pediátricos submetidos a exames de tomografia computadorizada (TC) têm sido tema de recomendações e ações conjuntas recentes (Image Gently Campaign). Neste estudo, indicadores de dose normalmente empregados em TC (CD) foram calculados a partir dos perfis de dose típicos determinados com dosímetros termoluminescentes de fluoreto de lítio (TLD-100). Para tanto, os dosímetros foram calibrados no ar, com câmara de ionização, em ambiente clínico, no equipamento de TC, e em laboratório, empregando equipamento de raios X convencional. Foram acompanhados exames de TC realizados no Serviço de Radiologia do Hospital das Clínicas da UNICAMP para coleta de dados do paciente, justificativa e parâmetros técnicos dos procedimentos. O processo de calibração em laboratório mostrou-se equivalente ao realizado em ambiente clínico. Observou-se que a escolha dos parâmetros estava fundamentada na experiência individual do técnico e que nem sempre esta se adequava aos protocolos internacionais sugeridos para pacientes pediátricos. Resultados obtidos a partir dos perfis de dose permitiram uma avaliação preliminar dos valores de CD em pacientes pediátricos, demonstrando a possibilidade do emprego da dosimetria TL no processo de otimização das doses de radiação praticadas em exames de TC.

Dosimetria - Radiologia - Proteção radiológica

E0444

MEDIDAS DE MAGNETOIMPEDÂNCIA GIGANTE EM SISTEMAS MAGNÉTICOS SUAVES


Gabriel Soares (Bolsista IC CNPq), Kleber Roberto Pirota (Co-orientador) e Prof. Dr. Marcelo Knobel (Orientador), Instituto de Física - IFGW, UNICAMP
O efeito Magnetoimpedância gigante (GMI), consiste na variação da impedância elétrica de um condutor magnético devido a aplicação de um campo magnético externo. Este efeito, de origem clássica, tem sua explicação na dependência do efeito pele com a permeabilidade magnética no material. Em alguns materiais devidamente tratados termicamente, pode-se conseguir variações de até 600% na impedância mediante a aplicação de campos magnéticos relativamente baixos (100 Oe), fazendo que este efeito apresente grandes potenciais em aplicações tecnológicas (principalmente sensores magnéticos). Este trabalho de iniciação cientifica consiste na montagem de um sistema experimental controlado por computador, que permite fazer tratamentos térmicos e, seguidamente, medir a GMI em amostras ferromagnéticas na forma de fitas. Basicamente serão estudadas duas classes de materiais: i) Fitas amorfas a base de FeCoSiB e ii) Fitas nanocristalinas a base de FeCuNbSiB. Tratamentos térmicos (neste trabalho, aquecimento joule) podem induzir anisotropias magnéticas nas fitas amorfas e cristalização controlada nas amostras nanocristalinas, fatores que tem forte influência no comportamento da GMI nas amostras estudadas. Tanto o tratamento térmico como a medida de GMI são feitas em uma câmara de vácuo com objetivo de evitar oxidação não desejada nas amostras. Paralelamente ao projeto, houve a participação de um grupo de estudos teóricos sobre magnetismo em materiais.

Magnetismo - Materiais magnéticos - Magnetoimpedância

E0445

FÍSICA ESTATÍSTICA DE POLÍMEROS: UMA ABORDAGEM COMPUTACIONAL ATRAVÉS DO MÉTODO MONTE CARLO


Alexandre Hernandes Barrozo (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Maurice de Koning (Orientador), Instituto de Física - IFGW, UNICAMP
Este trabalho tem como objetivo a aplicação de técnicas de simulação numérica em problemas no contexto de física da matéria condensada, especificamente moléculas poliméricas. Neste contexto o trabalho apresentará um estudo das propriedades termodinâmicas de sistemas pertencentes a esta classe de materiais através da Mecânica Estatística Clássica, utilizando simulação Monte Carlo. O trabalho será constituído em três partes: primeiro, o estudo básico de Física de Polímeros, com ênfase na abordagem teórica estatística utilizada para a descrição de propriedades físicas deste sistema; segundo, o estudo dos fundamentos das técnicas de simulação numérica Monte Carlo, que serão utilizadas para o cálculo de grandezas estatísticas em geral; terceiro, implementação das técnicas Monte Carlo ára estudar uma coleção de problemas no contexto da Física Estatística de Polímeros. Dos problemas abordados, trabalharemos com cadeias poliméricas lineares genéricas e isoladas em 3 dimensões, considerando os efeitos de fatores como o volume excluído, a interação entre os monômeros com o meio em que o polímero se encontra, e o grau de polimerização.

Física de polímeros - Física Estatística - Física computacional

E0446

NANOFIOS SEMICONDUTORES: ANÁLISE POR MICROSCOPIA DE FORÇA ATÔMICA


Douglas Soares de Oliveira (Bolsista SAE/UNICAMP) e Profa. Dra. Monica Alonso Cotta (Orientadora), Instituto de Física - IFGW, UNICAMP
A caracterização estrutural e óptica dos nanofios é fundamental para o avanço do seu estudo. Visando este objetivo, buscamos a caracterização estrutural identificando a orientação cristalográfica e rugosidade dos nanofios através da observação das facetas presentes em sua superfície lateral. Obtemos imagens topográficas por microscopia de força atômica de nanofios semicondutores e estudamos a sua morfologia através de um procedimento que analisa a altura do nanofio em função da distância ao eixo central do mesmo, procedimento este criado neste projeto. Deste modo, pudemos notar que um padrão da variação de altura se mantém ao longo dos nanofios, com isso podemos obter uma relação destes resultados com a orientação cristalográfica do nanofio (que pode variar numa mesma amostra ou com diferentes condições de crescimento), bem como avaliar o crescimento lateral existente através do perfil de variação de altura medido. Esta análise é importante pois medidas elétricas resolvidas espacialmente nos nanofios requerem o conhecimento da orientação cristalográfica para uma interpretação mais cuidadosa. Em geral, isso é feito por técnicas de microscopia eletrônica; no nosso caso, a análise estrutural pode ser feita a partir das imagens topográficas, simultaneamente às medidas elétricas, através da análise aqui apresentada.

Nanofios - Microscopia de força atômica - Semicondutores

E0447

PRODUÇÃO DE MATRIZES COLAGÊNICAS COM TÉCNICAS DE LITOGRAFIA MACIA: APLICAÇÃO DA MICROELETRÔNICA À BIOLOGIA


Débora Princepe (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Newton Cesario Frateschi (Orientador), Instituto de Física - IFGW, UNICAMP
A simulação de arranjos celulares in vitro é extremamente importante para o estudo da morfologia, fisiologia e outros aspectos celulares. Para tal, é essencial que o meio de cultura se assemelhe o máximo possível às condições oferecidas naturalmente para um ser vivo. Com essa finalidade, a Engenharia de Materiais tem buscado técnicas de construção de matrizes celulares e substâncias biocompatíveis que melhor reproduzam essas paredes. Além de possibilitar arranjos mais fiéis aos meios biológicos reais, essas técnicas permitem a manipulação do tamanho das estruturas, possibilitando uma variedade de arranjos. O Projeto desenvolvido trata da fabricação de microestruturas em matriz colagênica. Para tal, técnicas de litografia macia são utilizadas. Estas técnicas têm sido usadas recentemente para a criação de estruturas bi e tridimensionais com tal finalidade, tendo como material dos moldes-matriz o PDMS (poli-dimetilsiloxano). As atividades realizadas dizem respeito ao domínio das técnicas de fotogravação e litografia macia em SU-8, desenvolvimento dos moldes de PDMS a partir das estruturas gravadas sobre o material e, por fim, a aplicação dos moldes poliméricos na Biologia Celular para o desenvolvimento das matrizes colagênicas. No painel, são mostrados os resultados obtidos.

Litografia macia - Microbiotecnologia - Matrizes colagênicas

E0448

LIMITES EM MODELOS DE VIOLAÇÃO DO PRINCÍPIO DE EQUIVALÊNCIA UTILIZANDOOS RESULTADOS DE AMANDA


Henrique Evangelista de Oliveira (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Pedro Cunha de Holanda (Orientador), Instituto de Física - IFGW, UNICAMP
Ao contrário do que estabelece o modelo padrão de partículas elementares, hoje sabe-se por diversos resultados experimentais que os neutrinos são partículas massivas. Além disso, os neutrinos são criados e detectados como uma mistura de auto-estados de massa, e portanto durante sua evolução, podem trocar sabor, fenômeno conhecido como oscilação de neutrinos. Este mecanismo explica quase a totalidade dos resultados experimentais que observaram mudanças de sabores de neutrinos (não consideramos os resultados de LSND e Miniboone). Com isso o setor de neutrinos torna-se uma ferramenta para testar limites em física nova, que poderia induzir conversão de sabor através de um mecanismo diferente de oscilação. Este projeto estudou os limites na violação do princípio de equivalência (VEP) no setor de neutrinos. Para tal utilizamos os dados do experimento AMANDA para detecção de neutrinos muônicos atmosféricos de altíssima energia. Como os efeitos de VEP são proporcionais à energia mostramos, como resultado final, que os dados de AMANDA levaram a fortes vínculos para esta nova física.

Princípio de equivalência - Neutrinos - Oscilação

E0449

COMO UTILIZAR OS DADOS DE NEUTRINOS SOLARES PARA ESTABELECER LIMITES NOS


José Tarcisio Costa (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Pedro Cunha de Holanda (Orientador), Instituto de Física - IFGW, UNICAMP
O panorama experimental atual permite dizer que os neutrinos criados em reações nucleares no Sol trocam de sabor em seu percurso até a Terra. O mecanismo responsável por esta conversão é a transição ressonante de sabor induzida pela matéria solar. Assim podemos investigar a partir dos dados experimentais de neutrinos solares obtidos em experimentos terrestres o quanto podemos variar os parâmetros de densidade da matéria solar. O objetivo desse projeto foi estabelecer limites nestes parâmetros utilizando um ajuste entre as previsões teóricas para a probabilidade de sobrevivência do neutrino para diferentes modelos solares e os dados experimentais. Para isso, mudamos o perfil de densidade solar e estudamos como estas mudanças afetam a probabilidade de sobrevivência. Primeiramente, realizamos a parametrização da densidade do Sol através de uma curva de decréscimo exponencial, estabelecendo vínculos vindos da massa total e raio solares. Em seguida encontramos soluções analíticas aproximadas que nos permitiram compreender as mudanças ocorridas na probabilidade de sobrevivência. Finalmente vinculamos os parâmetros que descrevem a densidade solar pela comparação com os dados dos experimentos de neutrinos.

Neutrinos solares - Modelos solares - Ressonância

E0450

ESTUDO DA ESTRUTURA ATÔMICA DE SUPERFÍCIES DE FILMES ULTRAFINOS DE AU/PD(111) VIA DIFRAÇÃO DE FOTOELÉTRONS (XPD)


Luís Henrique de Lima (Bolsista PIBIC/CNPq), Alexandre Pancotti, Abner de Siervo (Co-orientador) e Prof. Dr. Richard Landers (Orientador), Instituto de Física - IFGW, UNICAMP
O estudo da superfícies de materiais tem um amplo campo de aplicações, que vão desde acadêmico ao tecnológico. O que torna o estudo da superfície um desafio, é que neste limite temos uma quebra de simetria do volume. Todos os átomos do volume “veem” os seus vizinhos da mesma maneira, mas o mesmo não ocorre para os átomos da superfície. Com isso, os átomos da superfície interagem de maneira diferente em relação aos átomos de volume, e essas interações necessitam de tratamento diferente dos métodos convencionais. Uma importante aplicação do estudo de superfície na área tecnológica é em catálise e química fina. Em alguns casos podemos pensar em modificar a estrutura eletrônica e cristalográfica da superfície de forma a obter um catalisador mais eficiente e/ou específico para uma reação. Já é empregado em sistemas catalíticos, ligas de superfície de ouro e paládio, porém poucos estudos foram feitos a respeito de filmes de ouro sobre paládio. Neste trabalho propôs-se o estudo da estrutura atômica de filmes ultrafinos de Au sobre Pd orientado na direção (111), utilizando a técnica de difração de fotoelétrons com radiação síncroton (500 eV).

XPD - AU-PD - Superfície



E0451

ESTUDO DO PROBLEMA DA BLINDAGEM DE DEBYE-HÜCKEL EM PLASMAS UTILIZANDO O SOFTWARE MATHEMATICA


Vinícius Njaim Duarte (Bolsista FAPESP) e Prof. Dr. Roberto Antonio Clemente (Orientador), Instituto de Física - IFGW, UNICAMP
Estudou-se o problema clássico da blindagem de Debye-Hückel em plasmas no equilíbrio térmico, nas geometrias cartesiana, cilíndrica e esférica. As soluções da equação diferencial ordinária não linear correspondente, com as devidas condições de contorno, foram obtidas utilizando o software Mathematica, para casos em que a energia potencial das partículas é maior que a energia cinética média das mesmas. Com isso, foram plotados gráficos comparativos, nos quais estão exibidas as variações da razão entre o potencial obtido numericamente e o potencial obtido linearizando a equação, em função da carga (ou densidade de carga) e/ou do raio transversal característico de cada configuração nos casos cilíndrico e esférico. Também foi abordado o problema, dentro de um modelo unidimensional, de um plasma sem colisões no qual as partículas podem ser divididas entre aprisionadas e não aprisionadas. As soluções podem ser expressas em termos dos invariantes do movimento. Em particular considerou-se o invariante (variável ângulo-ação) para as partículas aprisionadas e a partir disso reformulou-se a equação de Poisson correspondente, obtendo-se as suas soluções numericamente.

Debye - Hückel - Blindagem

E0452

Q-CÁLCULO, MATEMÁTICA QUÂNTICA E APLICAÇÕES


Daniela de Lima (Bolsista FAPESP) e Prof. Dr. Roldão da Rocha Junior (Orientador), Instituto de Física - IFGW, UNICAMP
Dentre as várias estruturas matemáticas que se destacam pela versatilidade e importância de suas aplicações, o q-cálculo ocupa posição privilegiada. Certamente é através de suas aplicações em teoria de números, grupos quânticos, álgebra linear sobre corpos finitos e geometria não-comutativa que ele tem historicamente merecido mais destaque, mas também nos últimos anos em outras áreas – como topologia – têm-se encontrado interessantes aplicações. O caráter essencial das q-deformações é que outras estruturas matemáticas clássicas tradicionais são reobtidas no limite em que q → 1. A partir dos conceitos fundamentais do q-cálculo e aritmética quântica, este trabalho versa sobre o princípio da q-contagem em análise combinatória e partições clássicas dos números inteiros. Introduzidos os conceitos do cálculo sobre reticulados, provamos algumas propriedades relacionadas à q-contagem – como a fórmula binomial não-comutativa de Gauss e o produto triplo de Ramanujan – com o intuito de estudar alguns aspectos da Teoria de Números como, por exemplo, a relação entre aritmética quântica e as partições de números inteiros, além do Teorema de Lagrange sobre a expressão de um inteiro como a soma de quadrados. Foi também investigado o q-cálculo simétrico, em uma abordagem alternativa.

Deformações - Teorema de Lagrange - Partições de números inteiros





Compartir con tus amigos:
1   ...   63   64   65   66   67   68   69   70   ...   95


La base de datos está protegida por derechos de autor ©psicolog.org 2019
enviar mensaje

enter | registro
    Página principal


subir archivos