Universidade estadual de campinas


QUALIDADE DE VIDA X CIRURGIA DE EPILEPSIA DE LOBO TEMPORAL NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA



Descargar 4.56 Mb.
Página45/95
Fecha de conversión03.12.2017
Tamaño4.56 Mb.
Vistas2251
Descargas0
1   ...   41   42   43   44   45   46   47   48   ...   95

QUALIDADE DE VIDA X CIRURGIA DE EPILEPSIA DE LOBO TEMPORAL NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA


Isabella da Costa Gagliardi (Bolsista FAPESP), Catarina A. Guimarães (Co-orientadora) e Profa. Dra. Marilisa Mantovani Guerreiro (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
Introdução: A epilepsia pode influenciar a qualidade de vida (QV) dos pacientes. A epilepsia de lobo temporal (ELT) é freqüentemente refratária aos medicamentos, o que influi negativamente na QV. A cirurgia pode ser uma forma de melhorar as crises e a QV. Objetivo: O objetivo desse trabalho foi verificar a QV de crianças e adolescentes com ELT antes e após a cirurgia para epilepsia. Método: Utilizou-se questionário semi-estruturado na avaliação pré e pós-cirúrgica de 13 pacientes. Os dados obtidos foram analisados através do teste de Wilcoxon.Resultados: A análise mostrou que houve melhora geral significativa da qualidade de vida no pós-operatório. Observou-se melhora nos aspectos gerais de saúde, efeitos negativos da medicação antiepiléptica e no relacionamento com os pais. Atividade física, comportamento emocional, e desempenho cognitivo, social e escolar não apresentaram melhora estatisticamente significativa entre o pré e o pós-operatório. Conclusão: A cirurgia de epilepsia, quando bem indicada, melhora a qualidade de vida dos pacientes com ELT.

Epilepsia - Qualidade de Vida - Cirurgia

B0187

ANÁLISE DE DEMANDA E A CONSTRUÇÃO DE DIRETRIZES PARA AVALIAR INDICAÇÃO DE PSICOTERAPIA PSICANALÍTICA NO HC-UNICAMP


Julio Cesar Lazaro (Bolsista SAE/UNICAMP) e Prof. Dr. Mario Eduardo Costa Pereira (Orientador), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
A Psicanálise foi umas das maiores inovações no campo médico do século passado, influenciando a Medicina e a Psiquiatria com seus conceitos e prática. Com este trabalho, analisamos o Serviço de Psicanálise (SP) do HC-Unicamp, descrevendo sua atuação como baluarte do atendimento psicanalítico em ambiente institucional público, seu impacto no quadro clínico dos pacientes encaminhados pelo Ambulatório de Psiquiatria da Unicamp e prover uma devolutiva ao Ambulatório com diretrizes para o encaminhamento e uso do SP. Utilizamos fichas de entrada e saída dos pacientes, pautadas em impressões clínicas dos terapeutas que os atenderam, para descrever os atendimentos e quantificar objetivamente melhora ou não com o tratamento analítico. Foram feitas entrevistas com os médicos residentes do Ambulatório de Psiquiatria para avaliar seus critérios individuais de indicação. Assim, observamos que a maioria dos pacientes não obtinham benefícios claros com o atendimento no SP, e que na maioria das vezes tal desfecho se devia a indicação imprecisa dos residentes. Propusemos, assim, algumas diretrizes para indicação de terapia psicanalítica, como triagem funcionamento psicológico e de implicação, visando otimizar o uso dessa ferramenta, com melhora na condução geral dos pacientes.

Psicanálise - Instituição - Psicoterapia

B0188

EFEITO DO INIBIDOR DA ENZIMA CONVERSORA DE ANGIOTENSINA RAMIPRIL SOBRE OBESIDADE INDUZIDA POR DIETA


Bruna Porto Perrella (Bolsista PIBIC/CNPq), Sandra Cristina Amaya, Dennys Esper Cintra e Prof. Dr. Mario José Abdalla Saad (Orientador), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
Em trabalho anterior, verificamos que o Captopril, possui além de seus efeitos clássicos, ação sobre a via de sinalização de insulina, a lipogênese e a inflamação subclínica que se associa à obesidade abdominal. A fim de verificar se os esses efeitos são exclusivos do Captopril ou inerente aos inibidores da ECA, o presente estudo tem como objetivo testar o Ramipril, em seus efeitos quanto à obesidade, inflamação e sensibilidade à insulina. Objetivo: Investigar o efeito do Ramipril nas vias de transdução do sinal de insulina, além das proteínas lipogênicas e de algumas adipocitoquinas. Materiais e Métodos: Camundongos Swiss machos em: dieta padrão (DP), dieta hiperlipídica (DH) e DH mais Ramipril. Teste de tolerância à insulina (ITT) e à glicose (GTT). Amostragem de gordura para estudos anatomo-patológicos. Tecidos musculares, hepáticos e adiposos para análise molecular. Resultados: Os animais tratados com Ramipril apresentaram menor ganho ponderal e baixo desenvolvimento de tecido adiposo. Esses animais apresentam melhor metabolização de glicose, com resposta semelhante à do grupo DP nos testes ITT e GTT. Conclusão: Os resultados sugerem que o Ramipril apresenta além dos efeitos anti-hipertensivos, efeitos benéficos sobre a ação da insulina, a metabolização da glicose e o desenvolvimento de tecido gorduroso em camundongos.

Ramipril - Obesidade - Insulina

B0189

EFEITO DO CARVEDILOL SOBRE A AÇÃO INSULÍNICA EM TECIDO MUSCULAR E HEPÁTICO DE RATOS WISTAR


José Carlos de Barros Júnior (Bolsista IC CNPq) e Prof. Dr. Mario José Abdalla Saad (Orientador), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
Carvedilol, um beta-bloqueador não-seletivo de terceira geração, tem sido relacionado à melhora na sensibilidade insulínica, em estudos recentes. Entretanto, os mecanismos responsáveis por este efeito ainda não são conhecidos. Deste modo, este estudo tem como objetivo investigar o efeito do carvedilol sobre a via da insulina e outros mecanismos moleculares. MÉTODOS: Foram avaliados a sensibilidade insulínica (Kitt), tolerância à glicose (OGTT) e a fosforilação da IRS-1 em resíduos de serina, assim como a associação entre PI 3-quinase, PTP-1B, GSK-3 e AMPK em fígado e músculo esquelético de ratos Wistar tratados agudamente com carvedilol (25 mg/kg), usando imunoprecipitação com anticorpos antipeptídeo para PTP-1B, e immunoblotting com anticorpos anti-PI 3-quinase, anti p-GSK-3, p-AMPK e p-ERK.. RESULTADOS: Verificamos que o tratamento agudo com carvedilol resultou em uma significativa melhora na sensibilidade insulínica, caracterizada por um aumento na taxa de decréscimo da glicemia plasmática no teste de tolerância à insulina. Este aumento na sensibilidade à insulina foi associado com um aumento insulino-dependente na via da AKT-GSK-3 em fígado e músculo de ratos tratados com carvedilol em paralelo com um decréscimo na via inflamatória (JNK e IKK), relacionada à resistência à insulina. Nossos dados também mostram uma melhora na tolerância à glicose caracterizada por uma redução da glicose plasmática no tempo 120 minutos, durante o teste de tolerância à glicose (OGTT). CONCLUSÃO/DISCUSSÃO: Este trabalho demonstra que, mantendo o tratamento com carvedilol, existe melhora na sensibilidade insulínica, acompanhada por um aumento na fosforilação da AKT e GSK-3 com decréscimo na via inflamatória (JNK e IKK) relacionada à resistência insulínica. Assim, estes resultados nos auxiliam na elucidação de hipóteses para explicar o mecanismo pelo qual o tratamento com carvedilol melhora a sensibilidade à insulina.

Insulina - Resistência insulínica - Carvedilol

B0190



Compartir con tus amigos:
1   ...   41   42   43   44   45   46   47   48   ...   95


La base de datos está protegida por derechos de autor ©psicolog.org 2019
enviar mensaje

enter | registro
    Página principal


subir archivos