Universidade estadual de campinas


OPORTUNIDADES PERDIDAS PARA O TRATAMENTO DA TUBERCULOSE LATENTE EM PACIENTES COM INFECÇÃO PELO HIV ACOMPANHADOS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO (2ª FASE)



Descargar 4.56 Mb.
Página44/95
Fecha de conversión03.12.2017
Tamaño4.56 Mb.
1   ...   40   41   42   43   44   45   46   47   ...   95

OPORTUNIDADES PERDIDAS PARA O TRATAMENTO DA TUBERCULOSE LATENTE EM PACIENTES COM INFECÇÃO PELO HIV ACOMPANHADOS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO (2ª FASE)


Mayara Sanches Fonseca (Bolsista SAE/UNICAMP), Priscila de Marco da Silveira e Profa. Dra. Mariângela Ribeiro Resende (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
Objetivo: aprimorar a adesão às recomendações para o tratamento da infecção tuberculosa latente (ITL) em pacientes infectados pelo HIV. Métodos: estudo de intervenção; avaliados casos de HIV-aids, no período de 2004-2006, ≥14 anos, identificadas as oportunidades perdidas para o tratamento da ITL e definidas diretrizes. Resultados: De 496 casos notificados foram excluídos 116(23,39%) por TB ativa. Nos 271(89,73%) pacientes incluídos, o teste tuberculínico (TT) foi solicitado em 219(80,81%) e não houve registro em 52(19,19%). A realização ou a leitura não foram feitas em 64(29,23%). Dos 155(70,77%) com TT lidos, os resultados foram <5mm em 118(53,88%) e ≥5mm em 37(16,89%). O tratamento da ITL foi concluído em 22(59,46%) casos com TT ≥5mm. Dentre os 116(42,8%), em que o TT não foi solicitado, não realizado ou não lido, o CD4+ foi ≥ 350 cels/mm3 em 51(43,96%). Para 54,14% dos profissionais de saúde, o retorno para leitura é a maior dificuldade do TT, visto que 83,33% referiram solicitá-lo. Diretrizes: incorporação de protocolo, carimbo e ficha no prontuário, tratamento da ITL naqueles com TT ≥5mm e contato com a rede pública local. Conclusão: a oportunidade de realização do TT foi perdida em 42,8% e o não tratamento da ITL em 40,54% dos casos. Após a aplicação das diretrizes espera-se o impacto efetivo no controle da ITL.

HIV - Tuberculose - Prevenção

B0183

UTILIDADE DA AVALIAÇÃO SINDRÔMICA E DOS MÉTODOS DE ELISA NS1 E TESTE RÁPIDO PARA O DIAGNÓSTICO DE DENGUE


Rafael Luis Moura Lima do Carmo (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Mariângela Ribeiro Resende (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
Introdução: O estabelecimento de critérios e métodos diagnósticos que otimizem o manejo dos casos de dengue é uma prioridade em saúde pública. Objetivos: avaliar a utilidade dos métodos ELISA NS1 e Teste rápido para o diagnóstico de dengue. Desenho do estudo: Retrospectivo e descritivo. Casuística e métodos: foram incluídos pacientes com suspeita de dengue atendidos no HC-Unicamp, de janeiro de 2007 a maio de 2009, com manifestações hemorrágicas. Os métodos utilizados foram ELISA NS1 (Panbio®) e Teste Rápido (Panbio®), comparados ao Mac-ELISA. Resultados Preliminares: Dos 47 pacientes avaliados, o intervalo sintomas-coleta foi de 4,5 dias, em média; houve febre em 100% e cefaléia em 47% dos pacientes; houve concordância entre teste rápido e o Mac-ELISA em 83% e entre o NS1 ocorreu concordância em 55% dos testes. Conclusão: os testes se mostraram utéis para a confirmação diagnóstica de dengue, sendo que para a validação do NS1 há a necessidade de outro teste padrão de comparação em virtude da precocidade do antígeno NS1 na evolução da doença. Além disso, observa-se que cefaléia e febre são sintomas importantes na confirmação/descarte da doença.

Dengue - Teste rápido - NS1

B0184

RETARDO DA FUNÇÃO DO ENXERTO EM RECEPTORES DE TRANSPLANTE RENAL COM DOADOR FALECIDO. FATORES DE RISCO E IMPACTO NA SOBREVIDA DE PACIENTE E ENXERTO


Eduardo José Mariotoni Bronzatto (Bolsista SAE/UNICAMP) e Profa. Dra. Marilda Mazzali (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
O Retardo da Função Renal (RFR), complicação frequente após o transplante renal, acomete cerca de 60% dos receptores de doador falecido [Mazzali, 1999]. Apresenta etiologia multifatorial. Histologicamente caracterizado por necrose tubular aguda (NTA). Objetivo: verificar, em um grupo de transplantados renais com doador falecido, a incidência de RFR, os fatores de risco e o impacto na sobrevida de enxerto e paciente. Metodologia: Análise retrospectiva dos prontuários médicos de indivíduos > 18 anos, submetidos ao transplante renal com rim de doador falecido, no período de janeiro/2003 a dezembro/2006. Resultados: De um total de 165 transplantes, 111 (67%) apresentaram RFR, com necessidade de diálise. A incidência de RFR foi maior no grupo com tempo de isquemia fria (IF) > 24 horas (85% vs. 60%, p<0.05) e para doadores com idade maior (40 ± 10,5 versus 31,8 ± 11,9 anos, RFR vs. sem RFR, p<0.05). Ao final de 1 ano de acompanhamento, o grupo RFR apresentou pior função do enxerto em relação ao não RFR (creatinina 1,6 ±0,7 versus 1,3 ± 0,4 mg/dL, p<0.05), assim como maior incidência de perda do enxerto. Conclusão: O tempo de IF prolongado e a maior idade do doador apresentaram associação com maior incidência de RFR, o que leva a um maior tempo de internação e a uma redução na função e sobrevida do enxerto após 1 ano.

Transplante renal - Insuficiência renal aguda - Isquemia fria

B0185

REGISTRO DE NEOPLASIAS EM RECEPTORES DE TRANSPLANTE RENAL: NEOPLASIAS LINFOPROLIFERATIVAS E/OU DE ÓRGÃOS SÓLIDOS


Priscila Mina Falsarella (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Marilda Mazzali (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
Introdução: Receptores de transplantes de órgãos tem maior risco de neoplasias que a população geral. Registros internacionais demonstram que as neoplasias sólidas mais freqüentes são gastrointestinais, de rim nativo e anogenitais e as linfoproliferativas são mais comuns na faixa etária pediátrica. Objetivos: Avaliar a incidência de neoplasias sistêmicas no acompanhamento pós transplante renal. Metodologia: Análise retrospectiva de prontuários de transplantados renais com diagnostico de neoplasia por biopsia(s) durante o seguimento. Resultados: De 1300 transplantados renais, 30 (2,3 %) desenvolveram neoplasias de órgãos sólidos ou lifoproliferativas após o transplante, sendo 16 homens (53,4%) e 14 mulheres (46,6%), com idade média de 42 ± 12 anos. O tempo médio para diagnóstico de neoplasia foi de 79 ± 66 meses. A maioria das neoplasias diagnosticadas de tumores de trato urinário (n=10, 33,3%), aparelho reprodutor (n=8, 26,6%), aparelho digestivo (n=6, 20%), tireóide (n=2, 6,7%), associação de linfoma e neoplasia de pele (n=2, 6,7%), aparelho respiratório (n=2; 6,7%). Conclusão: A incidência de neoplasias nesta série foi de 2,3 %, sendo que neoplasias de trato urinário foram as mais freqüentes.

Neoplasias - Transplante renal - Imunossupressão

B0186



Compartir con tus amigos:
1   ...   40   41   42   43   44   45   46   47   ...   95


La base de datos está protegida por derechos de autor ©psicolog.org 2019
enviar mensaje

    Página principal
Universidad nacional
Curriculum vitae
derechos humanos
ciencias sociales
salud mental
buenos aires
datos personales
Datos personales
psicoan lisis
distrito federal
Psicoan lisis
plata facultad
Proyecto educativo
psicol gicos
Corte interamericana
violencia familiar
psicol gicas
letras departamento
caracter sticas
consejo directivo
vitae datos
recursos humanos
general universitario
Programa nacional
diagn stico
educativo institucional
Datos generales
Escuela superior
trabajo social
Diagn stico
poblaciones vulnerables
datos generales
Pontificia universidad
nacional contra
Corte suprema
Universidad autonoma
salvador facultad
culum vitae
Caracter sticas
Amparo directo
Instituto superior
curriculum vitae
Reglamento interno
polit cnica
ciencias humanas
guayaquil facultad
desarrollo humano
desarrollo integral
redes sociales
personales nombre
aires facultad