Universidade estadual de campinas


ACOMPANHAMENTO DA AQUISIÇÃO E DO DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM EM LACTENTES DE RISCO PARA PERDA AUDITIVA



Descargar 4.56 Mb.
Página37/95
Fecha de conversión03.12.2017
Tamaño4.56 Mb.
Vistas2285
Descargas0
1   ...   33   34   35   36   37   38   39   40   ...   95

ACOMPANHAMENTO DA AQUISIÇÃO E DO DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM EM LACTENTES DE RISCO PARA PERDA AUDITIVA


Flávia Renata Machado (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Maria Cecília Marconi Pinheiro Lima (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
Cada vez mais a qualidade de vida do recém nascido de risco torna-se foco de discussões. Com o aumento de sobrevida destes lactentes, aumenta-se também a probabilidade de desenvolvimento de seqüelas, como, por exemplo, as perdas auditivas. Estas apresentam maior incidência em lactentes que foram expostos aos fatores de risco para tal. Objetivo: Acompanhar a aquisição e o desenvolvimento da linguagem e do sistema sensório motor oral em lactentes portadores de um ou mais indicadores de risco para a perda auditiva, que permaneceram em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Metodologia: Para o acompanhamento dos recém nascidos fez-se uso da Escala ELM (Early Language Milestone Scale) de aquisição e desenvolvimento de linguagem, assim como do Protocolo de Observação do Sistema Sensório Motor Oral. Resultados Parciais: Os lactentes foram avaliados aos 4, 8 e 12 meses de idade. Aos 4 meses, 12,5% dos lactentes avaliados mostraram-se com atraso de desenvolvimento de linguagem. Aos 8 meses foram 15,4 %, e aos 12 meses nenhuma criança apresentou atraso. Quanto ao Sistema Sensório Motor Oral, aos 4 meses 43,7% dos lactentes apresentaram alterações, sendo a principal o refluxo gastroesofágico. Aos 8 meses 23,1% apresentaram alterações, e aos 12 meses nenhuma criança apresentou alteração.

Desenvolvimento da linguagem - Surdez - Sistema sensório motor oral

B0155

ACOMPANHAMENTO DO DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM E DA FUNÇÃO AUDITIVA EM CRIANÇAS


Viviane Trovó Zerbinati (Bolsista SAE/UNICAMP) e Profa. Dra. Maria Cecília Marconi Pinheiro Lima (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
O desenvolvimento da linguagem oral e da audição são extremamente importantes para a vida em sociedade. A perda auditiva principalmente em crianças acarreta déficits no desenvolvimento em geral e as alterações auditivas precisam ser diagnosticadas precocemente, com objetivo de evitar déficits na comunicação, na aquisição da linguagem oral e na interação social da criança. Assim, este projeto teve como objetivo acompanhar o desenvolvimento da linguagem e da função auditiva em crianças de 18 e 24 meses que permaneceram na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), com indicadores de risco para perda auditiva. Para tanto foram analisadas as respostas dadas a três questionários: Escala de Aquisições Iniciais da Linguagem (ELM), os Roteiros de Observação da Motricidade Oral e de Avaliação da Função Cognitiva. Foram avaliadas 28 crianças, sendo 17 de 18 meses e 11 de 24 meses. Dentre estas, 32% apresentaram alteração na questão relacionada ao Sistema Sensória Motor Oral (SSMO), sendo essa alteração observada quanto as questões alimentares,14% apresentaram atraso na escala ELM e 7% apresentaram déficit na avaliação da função cognitiva. Os cuidadores das crianças que apresentaram atrasos receberam orientações. Houve também encaminhamento das crianças para serviços na comunidade.

Linguagem - Indicador de Risco - Neonato de risco

B0156

O PERFIL DAS FAMÍLIAS DE LACTENTES QUE NÃO RETORNAM PARA CONCLUIR A TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL


Franciely Da Silveira (Bolsista FUNDAP) e Profa. Dra. Maria de Fátima de Campos Françozo (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
A realização da triagem auditiva neonatal permite a detecção de perda auditiva na primeira infância e a intervenção precoce, oferecendo condições favoráveis para o desenvolvimento das capacidades cognitivas, sociais, emocionais e lingüísticas da criança. O Programa de TAN realizado no CEPRE vem sendo desenvolvido desde 2002, triando todos os lactentes nascidos no CAISM. No entanto, observa-se que nem todas as famílias trazem os lactentes para completar o processo da TAN. Dessa forma, este estudo teve como objetivo conhecer o perfil das famílias que não retornam para completar o processo de Triagem auditiva de seus lactentes, comparando-o ao perfil das famílias que concluem o processo. Para a elaboração do perfil dessas famílias, foi realizada uma pesquisa documental, retrospectiva, nos prontuários de todos os lactentes que precisaram retornar para concluir a TAN, no ano de 2007, considerando-se as variáveis: idade, escolaridade e procedência. Na seqüência procedeu-se a análise comparativa entre o subconjunto das famílias que retornaram para completar o processo e o das que não retornaram. Fatores demográficos contribuem para o não retorno do lactente na avaliação da triagem auditiva neonatal.

Triagem auditiva neonatal - Família - Adesão

B0157

ESTUDO DOS PERFIS DE FRAGILIDADE EM IDOSOS E SUA CORRELAÇÃO COM PARÂMETROS HEMATOLÓGICOS E NÍVEIS SÉRICOS DE VITAMINA B12


Thaís Pinhas Ariza Monteiro (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Maria Elena Guariento (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
A anemia é freqüente em idosos, podendo causar diminuição da mobilidade, do desempenho físico e força muscular, osteopenia e aumento do número de quedas e fraturas. Os critérios para definir a fragilidade em idosos, importante indicador de problemas de saúde, não incluem a anemia. Um critério com maior especificidade viabiliza o discernimento daqueles que são realmente frágeis e necessitam de maiores cuidados, oferece base para comparações entre populações, além de fornecer um fenótipo para pesquisas sobre a etiologia e intervenções para prevenir ou retardar a progressão da fragilidade. Este estudo tem por objetivos definir o perfil de fragilidade de idosos de 65 a 85 anos, recrutados no Ambulatório de Geriatria do HC-UNICAMP; correlacionar os perfis de fragilidade com os dados hematimétricos destes indivíduos, na tentativa de estabelecer maior incidência de anemia, ou não, em idosos frágeis e correlacionar as baixas dosagens de vitamina B12 com os perfis de fragilidade. Serão realizadas coletas de informações clínicas e amostras de sangue (para a realização de hemograma e dosagem vitamina B12) em 60 indivíduos, que permitam classificá-los em não-frágeis, pré-frágeis e frágeis e os dados hematimétricos serão trabalhados em suas médias aritméticas e analisados pelo método de Wilcoxon.

Fragilidade - Anemia - Eritropoetina

B0158



Compartir con tus amigos:
1   ...   33   34   35   36   37   38   39   40   ...   95


La base de datos está protegida por derechos de autor ©psicolog.org 2019
enviar mensaje

enter | registro
    Página principal


subir archivos