Universidade estadual de campinas


ACOMPANHAMENTO DA AQUISIÇÃO E DO DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM EM LACTENTES DE RISCO PARA PERDA AUDITIVA



Descargar 4.56 Mb.
Página37/95
Fecha de conversión03.12.2017
Tamaño4.56 Mb.
1   ...   33   34   35   36   37   38   39   40   ...   95

ACOMPANHAMENTO DA AQUISIÇÃO E DO DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM EM LACTENTES DE RISCO PARA PERDA AUDITIVA


Flávia Renata Machado (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Maria Cecília Marconi Pinheiro Lima (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
Cada vez mais a qualidade de vida do recém nascido de risco torna-se foco de discussões. Com o aumento de sobrevida destes lactentes, aumenta-se também a probabilidade de desenvolvimento de seqüelas, como, por exemplo, as perdas auditivas. Estas apresentam maior incidência em lactentes que foram expostos aos fatores de risco para tal. Objetivo: Acompanhar a aquisição e o desenvolvimento da linguagem e do sistema sensório motor oral em lactentes portadores de um ou mais indicadores de risco para a perda auditiva, que permaneceram em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Metodologia: Para o acompanhamento dos recém nascidos fez-se uso da Escala ELM (Early Language Milestone Scale) de aquisição e desenvolvimento de linguagem, assim como do Protocolo de Observação do Sistema Sensório Motor Oral. Resultados Parciais: Os lactentes foram avaliados aos 4, 8 e 12 meses de idade. Aos 4 meses, 12,5% dos lactentes avaliados mostraram-se com atraso de desenvolvimento de linguagem. Aos 8 meses foram 15,4 %, e aos 12 meses nenhuma criança apresentou atraso. Quanto ao Sistema Sensório Motor Oral, aos 4 meses 43,7% dos lactentes apresentaram alterações, sendo a principal o refluxo gastroesofágico. Aos 8 meses 23,1% apresentaram alterações, e aos 12 meses nenhuma criança apresentou alteração.

Desenvolvimento da linguagem - Surdez - Sistema sensório motor oral

B0155

ACOMPANHAMENTO DO DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM E DA FUNÇÃO AUDITIVA EM CRIANÇAS


Viviane Trovó Zerbinati (Bolsista SAE/UNICAMP) e Profa. Dra. Maria Cecília Marconi Pinheiro Lima (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
O desenvolvimento da linguagem oral e da audição são extremamente importantes para a vida em sociedade. A perda auditiva principalmente em crianças acarreta déficits no desenvolvimento em geral e as alterações auditivas precisam ser diagnosticadas precocemente, com objetivo de evitar déficits na comunicação, na aquisição da linguagem oral e na interação social da criança. Assim, este projeto teve como objetivo acompanhar o desenvolvimento da linguagem e da função auditiva em crianças de 18 e 24 meses que permaneceram na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), com indicadores de risco para perda auditiva. Para tanto foram analisadas as respostas dadas a três questionários: Escala de Aquisições Iniciais da Linguagem (ELM), os Roteiros de Observação da Motricidade Oral e de Avaliação da Função Cognitiva. Foram avaliadas 28 crianças, sendo 17 de 18 meses e 11 de 24 meses. Dentre estas, 32% apresentaram alteração na questão relacionada ao Sistema Sensória Motor Oral (SSMO), sendo essa alteração observada quanto as questões alimentares,14% apresentaram atraso na escala ELM e 7% apresentaram déficit na avaliação da função cognitiva. Os cuidadores das crianças que apresentaram atrasos receberam orientações. Houve também encaminhamento das crianças para serviços na comunidade.

Linguagem - Indicador de Risco - Neonato de risco

B0156

O PERFIL DAS FAMÍLIAS DE LACTENTES QUE NÃO RETORNAM PARA CONCLUIR A TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL


Franciely Da Silveira (Bolsista FUNDAP) e Profa. Dra. Maria de Fátima de Campos Françozo (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
A realização da triagem auditiva neonatal permite a detecção de perda auditiva na primeira infância e a intervenção precoce, oferecendo condições favoráveis para o desenvolvimento das capacidades cognitivas, sociais, emocionais e lingüísticas da criança. O Programa de TAN realizado no CEPRE vem sendo desenvolvido desde 2002, triando todos os lactentes nascidos no CAISM. No entanto, observa-se que nem todas as famílias trazem os lactentes para completar o processo da TAN. Dessa forma, este estudo teve como objetivo conhecer o perfil das famílias que não retornam para completar o processo de Triagem auditiva de seus lactentes, comparando-o ao perfil das famílias que concluem o processo. Para a elaboração do perfil dessas famílias, foi realizada uma pesquisa documental, retrospectiva, nos prontuários de todos os lactentes que precisaram retornar para concluir a TAN, no ano de 2007, considerando-se as variáveis: idade, escolaridade e procedência. Na seqüência procedeu-se a análise comparativa entre o subconjunto das famílias que retornaram para completar o processo e o das que não retornaram. Fatores demográficos contribuem para o não retorno do lactente na avaliação da triagem auditiva neonatal.

Triagem auditiva neonatal - Família - Adesão

B0157

ESTUDO DOS PERFIS DE FRAGILIDADE EM IDOSOS E SUA CORRELAÇÃO COM PARÂMETROS HEMATOLÓGICOS E NÍVEIS SÉRICOS DE VITAMINA B12


Thaís Pinhas Ariza Monteiro (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Maria Elena Guariento (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
A anemia é freqüente em idosos, podendo causar diminuição da mobilidade, do desempenho físico e força muscular, osteopenia e aumento do número de quedas e fraturas. Os critérios para definir a fragilidade em idosos, importante indicador de problemas de saúde, não incluem a anemia. Um critério com maior especificidade viabiliza o discernimento daqueles que são realmente frágeis e necessitam de maiores cuidados, oferece base para comparações entre populações, além de fornecer um fenótipo para pesquisas sobre a etiologia e intervenções para prevenir ou retardar a progressão da fragilidade. Este estudo tem por objetivos definir o perfil de fragilidade de idosos de 65 a 85 anos, recrutados no Ambulatório de Geriatria do HC-UNICAMP; correlacionar os perfis de fragilidade com os dados hematimétricos destes indivíduos, na tentativa de estabelecer maior incidência de anemia, ou não, em idosos frágeis e correlacionar as baixas dosagens de vitamina B12 com os perfis de fragilidade. Serão realizadas coletas de informações clínicas e amostras de sangue (para a realização de hemograma e dosagem vitamina B12) em 60 indivíduos, que permitam classificá-los em não-frágeis, pré-frágeis e frágeis e os dados hematimétricos serão trabalhados em suas médias aritméticas e analisados pelo método de Wilcoxon.

Fragilidade - Anemia - Eritropoetina

B0158



Compartir con tus amigos:
1   ...   33   34   35   36   37   38   39   40   ...   95


La base de datos está protegida por derechos de autor ©psicolog.org 2019
enviar mensaje

    Página principal
Universidad nacional
Curriculum vitae
derechos humanos
ciencias sociales
salud mental
buenos aires
datos personales
Datos personales
psicoan lisis
distrito federal
Psicoan lisis
plata facultad
Proyecto educativo
psicol gicos
Corte interamericana
violencia familiar
psicol gicas
letras departamento
caracter sticas
consejo directivo
vitae datos
recursos humanos
general universitario
Programa nacional
diagn stico
educativo institucional
Datos generales
Escuela superior
trabajo social
Diagn stico
poblaciones vulnerables
datos generales
Pontificia universidad
nacional contra
Corte suprema
Universidad autonoma
salvador facultad
culum vitae
Caracter sticas
Amparo directo
Instituto superior
curriculum vitae
Reglamento interno
polit cnica
ciencias humanas
guayaquil facultad
desarrollo humano
desarrollo integral
redes sociales
personales nombre
aires facultad