Universidade estadual de campinas


IDENTIFICAÇAO DE FATORES PRÉ. PERI E NEONATAIS EM INDIVIDUOS COM AUTISMO



Descargar 4.56 Mb.
Página20/95
Fecha de conversión03.12.2017
Tamaño4.56 Mb.
1   ...   16   17   18   19   20   21   22   23   ...   95

IDENTIFICAÇAO DE FATORES PRÉ. PERI E NEONATAIS EM INDIVIDUOS COM AUTISMO


Flávia Modelli Vianna (Bolsista SAE/UNICAMP) e Prof. Dr. Carlos Eduardo Steiner (Orientador), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
Autismo é a mais freqüente das síndromes neurológicas designadas como distúrbios abrangentes do desenvolvimento (DAD) e caracteriza-se por apresentar sintomas em três núcleos: déficit de comunicação, interações sociais anormais e interesses e comportamentos repetitivos ou restritos. Suas causas são pouco entendidas, sendo provável que tanto fatores genéticos como ambientais contribuam etiologicamente. Uma vez que a etiologia do autismo é pouco esclarecida, estando envolvidos diversos fatores ambientais, propõe-se um estudo que analise a associação de tais fatores com o diagnostico de autismo, objetivando a identificação de fatores de risco pré, peri e neonatais, realizado através de entrevistas às mães de autistas diagnosticados. Os fatores selecionados foram: idades materna e paterna, imigração materna, doenças crônicas ou agudas e uso de medicamentos e sangramento durante a gravidez, gravidez múltipla, tipo de parto (natural, cesárea), condições de nascimento e doenças nos primeiros seis meses de vida. Os questionários foram respondidos pelas mães de 20 alunos selecionados de acordo com critérios de inclusão e exclusão matriculados na Associação para o Desenvolvimento dos Autistas em Campinas (ADACAMP). Os resultados estão sendo analisados, tendendo à compatibilidade com o observado na literatura.

Autismo - Etiologia - Desenvolvimento infantil

B0087

CARACTERIZAÇÃO MICROBIOLÓGICA E TESTES DE SUSCEPTIBILIDADE AOS ANTIMICROBIANOS DE UMA COLEÇÃO DE CEPAS-PADRÃO E DE AMOSTRAS CLÍNICAS DE BACTÉRIAS NÃO FERMENTADORAS EMERGENTES EM FIBROSE CÍSTICA E INFECÇÃO HOSPITALAR


Cibele Zanardi Esteves (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Carlos Emilio Levy (Orientador), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
Bactérias Gram negativas não fermentadoras são potenciais patógenos em infecções hospitalares e em infecções crônicas do trato respiratório de pacientes com fibrose cística. A caracterização de muitas destas bactérias de importância clínica por métodos manuais e automatizados é dificultada pela escassez de dados na literatura, limitada experiência laboratorial, sendo muitas vezes necessário recorrer a métodos moleculares. Foram utilizadas 50 cepas-padrão de bactérias não fermentadoras da BCCM/LMG Bacteria Collection. Estas cepas foram caracterizadas bioquimicamente utilizando 33 testes convencionais e submetidas a testes de sensibilidade pelo método de Disco-Difusão e pelo Etest®. Os testes úteis para a discriminação entre Gênero e Espécie variaram de acordo com a cepa-padrão testada, assim como houve grande variabilidade de resultados de sensibilidade. As cepas-padrão foram submetidas também à identificação automatizada através do Vitek II ® e a maioria delas não conseguiu ser identificada corretamente em nível de Gênero e Espécie como por exemplo Pandoraea spp, Inquilinus spp, Cupriavidus spp. Nossos resultados confirmam os dados da literatura quanto a limitação dos recursos para caracterização destes agentes, bem como os escassos recursos terapêuticos.

Bactérias não fermentadoras - Fibrose cística - Infecção hospitalar

B0088

ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E INFLUÊNCIA DO POLIMORFISMO 894G/T DO GENE NOS3, CANDIDATO A MODIFICADOR DA FIBROSE CÍSTICA, NO QUADRO MICROBIOLÓGICO DE PACIENTES FIBROCÍSTICOS


Aline Roberta Bariani Marcelino (Bolsista PIBIC/CNPq), Cyntia A. A. Correia, Luciana C. Bonadia, Antônio F. Ribeiro, José D. Ribeiro e Profa. Dra. Carmen Silvia Bertuzzo (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
FC é uma doença autossômica recessiva provocada por mutações no gene CFTR e mesmo entre pacientes com genótipos iguais encontra-se quadros clínicos variáveis, sugerindo a ação de outros genes. NOS3, gene candidato a modificador participa da síntese de NO, gás que nas vias aéreas participa de processos de defesa e inflamatório. A presença do polimorfismo 894G/T, in vitro, leva à maior estabilidade enzimática e à maior produção de NO, dificultando ou impedindo a colonização do trato respiratório por P. aeruginosa. Este estudo investigou 53 pacientes fibrocísticos para identificar o polimorfismo 894G/T e associá-lo com o quadro microbiológico. A freqüência da variante alélica 894G foi de 0,75 (n=79) e de 0,25 (n=27) para 894T e as freqüências genotípicas estão de acordo com aquelas esperadas pelo equilíbrio de Hardy-Weinberg (2=0,48, p=0,79). A comparação do polimorfismo 894T com a colonização por P. aeruginosa mostrou que a variante G tem freqüência acentuada (f = 0,92) no grupo de pacientes não colonizados e entre os indivíduos G/T, 84% deles apresentam colonização crônica pela bactéria. Assim, em nossa amostra a presença da variante 894T não mostrou nenhum tipo de proteção do hospedeiro contra colonização bacteriana e a presença do alelo G em homozigose parece conferir certa resistência do paciente à colonização por P. aeruginosa.

Fibrose cística - Óxido nítrico - Modificador

B0089

POLIMORFISMOS DOS GENES GSTM1, GSTT1 E A4889G E T6235C DO GENE CYP1A1, RELACIONADOS AO METABOLISMO DE CARCINÓGENOS, NO RISCO DO CÂNCER DE LARINGE


Anderson Zanetti (Bolsista PIBIC/CNPq e FAPESP), Gustavo Jacob Lourenço, Carlos Takahiro Chone e Profa. Dra. Carmen Silvia Passos Lima (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
O carcinoma epidermóide (CEC) de laringe está associado a agentes químicos presentes em bebidas alcoólicas e no tabaco. As glutationas s-transferases (GSTs) e o citocromo P450 CYP1A1 são enzimas que atuam na detoxificação e bioativação de carcinógenos, respectivamente. Os genes GSTM1 e GSTT1 podem estar deletados em indivíduos saudáveis. Já os alelos variantes G e C dos polimorfismos A4889G e T6235C do gene CYP1A1 produzem enzimas mais eficazes na ativação de carcinógenos. O objetivo do estudo foi o de avaliar se os polimorfismos gênicos influenciam o risco da doença. O DNA de 96 pacientes com CEC de laringe e de 190 controles foi avaliado pela reação em cadeia da polimerase (PCR) multiplex e PCR e digestão enzimática, respectivamente. As freqüências da deleção do gene GSTM1, GSTT1 e combinada dos genes e dos genótipos AG+GG do polimorfismo CYP1A1 A4889G foram similares em pacientes e controles. Indivíduos com os genótipos distintos estiveram sob risco similar de ocorrência da doença. Já o genótipo CYP1A1 6235TT foi maior em pacientes do que em controles (75,0% vs 62,1%; P= 0,007). Portadores do genótipo estiveram sob risco 2,4 vezes maior de apresentar o tumor do que os demais. Concluímos que portadores do genótipo CYP1A1 6235TT merecem receber orientações adicionais para prevenir a doença.

Câncer de laringe - GSTM1 e GSTT1 - CYP1A1

B0090



Compartir con tus amigos:
1   ...   16   17   18   19   20   21   22   23   ...   95


La base de datos está protegida por derechos de autor ©psicolog.org 2019
enviar mensaje

    Página principal
Universidad nacional
Curriculum vitae
derechos humanos
ciencias sociales
salud mental
buenos aires
datos personales
Datos personales
psicoan lisis
distrito federal
Psicoan lisis
plata facultad
Proyecto educativo
psicol gicos
Corte interamericana
violencia familiar
psicol gicas
letras departamento
caracter sticas
consejo directivo
vitae datos
recursos humanos
general universitario
Programa nacional
diagn stico
educativo institucional
Datos generales
Escuela superior
trabajo social
Diagn stico
poblaciones vulnerables
datos generales
Pontificia universidad
nacional contra
Corte suprema
Universidad autonoma
salvador facultad
culum vitae
Caracter sticas
Amparo directo
Instituto superior
curriculum vitae
Reglamento interno
polit cnica
ciencias humanas
guayaquil facultad
desarrollo humano
desarrollo integral
redes sociales
personales nombre
aires facultad