Universidade estadual de campinas


Faculdade de Ciências Médicas



Descargar 4.56 Mb.
Página17/95
Fecha de conversión03.12.2017
Tamaño4.56 Mb.
Vistas2198
Descargas0
1   ...   13   14   15   16   17   18   19   20   ...   95

Faculdade de Ciências Médicas

B0074

ESTUDO DA CORRELAÇÃO DA INTENSIDADE DE DESMINERALIZAÇÃO ÓSSEA E FUNÇÃO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES COM LESÃO DE MEDULA ESPINHAL E A INFLUÊNCIA DOS POSSÍVEIS NÍVEIS DE LESÃO


Júlia Cunha Loureiro (Bolsista SAE/UNICAMP) e Prof. Dr. Alberto Cliquet Junior (Orientador), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
Introdução: Declínios da DMO podem ser detectados nos membros paralisados de pacientes lesados-medulares principalmente em ossos longos de membros inferiores. O depósito de cálcio na íntima vascular apresenta crucial relação com a aterosclerose e com a inflamação crônica da placa. Justificativa: A osteoporose é complicação protagonista nos lesados medulares e o risco de doenças cardiovasculares nesses pacientes corresponde à maior causa de óbitos nesses pacientes. Objetivos: analisar correlações clínicas entre osteoporose e aterosclerose em pacientes com lesão de medula espinhal. Métodos: 21 voluntários entre 20 e 40 anos, tendo o Grupo 1 (G1) 10 pacientes com tetraplegia, e o Grupo 2 (G2) 11 pacientes com paraplegia. Foi medida a DMO e comparada com os valores-padrão para adultos jovens normais. O eco-doppler avaliou a estrutura ventricular esquerda e a espessura da íntima-média da artéria carótida. Resultados: Foram analisados valores absolutos de DMO e T-Score de corpo, colo e trocânter femorais. As medidas de DMO de paraplégicos foram respectivamente, 0,880g/cm; 0,928g/cm e 0,657g/cm; e os de tetraplégicos, 0,835g/cm; 0,823g/cm e 0,611g/cm. Quanto ao T-Score, os paraplégicos apresentaram perdas de 2,035; 1,703 e 2,55 desvios-padrão. Os tetraplégicos, por sua vez, tiveram declínio de 3,01; 2,620 e 3,760 DPs nas respectivas mesmas estruturas. Os dados de espessamento de carótida ainda não foram completamente coletados e analisados. Conclusões: Observa-se que o declínio dos valores de densidade mineral óssea está presente e diretamente relacionado ao nível de lesão tanto em valores absolutos quanto em desvios-padrão que toma como referência a DMO média do pico de massa óssea em adultos jovens.

Lesão Medular - Densidade mineral óssea - Aterosclerose

B0075

CARCINOGÊNESE EXPERIMENTAL NA BEXIGA URINÁRIA DE RATOS SUBMETIDOS À EXPOSIÇÃO AO TABACO


José Alexandre Colli Neto (Bolsista SAE/UNICAMP), José Hélio Zen Jr., André Del Negro e Prof. Dr. Alfio José Tincani (Orientador), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
Sabe-se que o tabagismo é o maior fator de risco para o câncer de bexiga, já que metade dos pacientes com esse tipo de câncer são fumantes e que os fumantes têm um risco de apresentar essa neoplasia de duas a quatro vezes maior que os não-fumantes. Por isso, nesse trabalho, por meio de um modelo experimental, estudaremos a relação do hábito de fumar com a neoplasia em bexiga urinária. Para isso, ratos Wistar serão expostos a um sistema de inalação, pelo qual os deixaremos expostos à fumaça do cigarro. Com isso, tais animais atuarão como fumantes. Para a avaliação, será realizado um estudo histológico para compararmos com o grupo controle.

Carcinogênese - Tabagismo - Bexiga urinária

B0076

INVESTIGAÇÃO DOS FATORES ASSOCIADOS AO DIAGNÓTICO PRECOCE DA SÍNDROME DE TURNER


Jamil Miguel Neto (Bolsista PIBIC/CNPq), Sofia Helena Valente de Lemos Marini, Antônia Paula Marques de Faria, Gil Guerra Júnior e Profa. Dra. Andréa Trevas Maciel-Guerra (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
Introdução: Na S. de Turner (ST) há baixa estatura, hipogonadismo, patologias congênitas e adquiridas; diversas condutas dependem do diagnóstico precoce. Objetivo: Investigar a influência de fatores clínicos e familiares sobre o diagnóstico precoce da ST. Casuística: 29 pacientes (diagnóstico: 2004/2007) com idade >2 anos. Métodos: Análise de antecedentes pessoais e familiares e sinais dismórficos. As diagnosticadas <11 anos (média de idade da telarca) foram comparadas às ≥11, e as <13 anos (limite para atraso puberal) às ≥13. Resultados e Discussão: Não houve diferenças em relação à média de idade da telarca. As ≥13 anos não diferiram das <13 quanto a duração da gestação, comprimento ao nascer, antecedentes mórbidos (isolados), escolaridade dos pais, estatura materna e sinais dismórficos (isolados e no total). Diferiram quanto ao número de irmãos (maior no diagnóstico tardio) e à presença de ao menos um antecedente mórbido sugestivo da ST (diagnóstico mais precoce na presença desses antecedentes). O maior número de irmãos associou-se a menor escolaridade da mãe. Pacientes diagnosticadas ≥13 anos tinham menor comprometimento da estatura que as <13 (não significativo); como na ST há distanciamento progressivo da média, isso sugere diagnóstico mais tardio também quando a baixa estatura é menos acentuada.

Síndrome de Turner - Diagnóstico precoce - Genética médica

B0077

AVALIAÇÃO DA SUSCEPTIBILIDADE DE CEPAS DE TRICHOPHYTON SP FRENTE A BETAMETASONA


Anderson Roberto Costa Santos (Bolsista PIBIC/CNPq), Paula Fernanda G. Telles e Profa. Dra. Angélica Zaninelli Schreider (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
As dermatofitoses são infecções de tecidos queratinizados como pele, pelos e unhas causadas muito frequentemente por espécies do gênero Trichophyton. Quando a infecção produz uma reação inflamatória importante, pode se associar à terapêutica com antifúngico um corticosteróide, utilizado para alívio da sintomatologia enquanto o agente antifúngico erradica a infecção. Uma combinação comercialmente disponível, e muito utilizada, é a de cetoconazol com betametasona. A proposta deste trabalho foi determinar qual o tipo de atividade que diferentes concentrações de betametasona isolada tem quando colocadas em contato direto com inóculo definido do fungo. Foram avaliadas 24 cepas de Trichophyton sp pela técnica de microdiluição em caldo adaptada do método CLSI M38 A 2002, frente a dez concentrações de betametasona que variaram de 1,17 a 600 ug/mL. Para todas as cepas avaliadas, tanto a concentração inibitória mínima, quanto a concentração fungicida mínima de betametasona, variaram de 150 a 300ug/mL, demonstrando capacidade de inibição do crescimento fúngico, assim como características fungicidas do composto.

Dermatófitos - Antifúngicos - Susceptibilidade

B0078



Compartir con tus amigos:
1   ...   13   14   15   16   17   18   19   20   ...   95


La base de datos está protegida por derechos de autor ©psicolog.org 2019
enviar mensaje

enter | registro
    Página principal


subir archivos