Segundo produto



Descargar 1.29 Mb.
Página10/10
Fecha de conversión28.01.2018
Tamaño1.29 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10




76) Intercambio de saberes entre la organización de las comunidades indígenas del Chaco Central y la Central Unitaria de Trabajadores Autentica para la lucha contra el trabajo infantil y trabajo forzoso.

Period of implementation: Desde 2010

Where: Paraguay

Main focus: Investigación participative y mobilizacion social de comunidades tradicionales contra la explotación laboral

Lead organization: Central de Trabajadores Unitaria Autentica (CUT-A)

sitioweb: http://cutautentica.org.py/



Results: Se trabajó con 6 pueblos y 75 comunidades y casi 20.000 personas; se fortaleció la alianza institucional entre pueblos indígenas y la organización de trabajadores; participarón activamente 40 miembros y líderes del Consejo de Pueblos Indígenas en los Seminarios de Seguimiento de la Hoja de Ruta sobre Trabajo Forzoso en Comunidades Indígenas en el Chaco Paraguayo (noviembre de 2011 y 2012) realizado por la CSI – CSA; se ha creado espacios de organización y autogestión comunitaria; se logró instalar por primera vez cursos de capacitación laboral exclusivamente diseñados para comunidades indígenas en: panadería y confitería (comunidad Guaraní de Macharet, 35 participantes), maestro Civil en obras (Comunidad Nivacle de filadelfia, 25 participantes), reparación de motos (Pueblos del Consejo, 30 participantes), inseminación artificial de Ganado (Pueblos del Consejo, 35 participantes); denuncia a la Comisión de Expertos de la OIT sobre los Convenio 29 y 135 (Trabajo Forzoso) formulada por la CUT-A;


Contexto y objetivo: Denuncias en la OIT de población Indígena sometida a trabajo forzoso en el Chaco paraguayo en haciendas ganaderas llamaron la atencion. Asi, con la iniciativa, el objetivo de la CUT-A fue lograr un acercamiento a las organizaciones indígenas del chaco central y fortalecer los espacios de diálogo para la defensa de sus derechos, en particular la erradicación del trabajo forzoso de niños y adultos. La experiencia busca implementar un proceso armónico de socialización y el reconocimiento de organizaciones indígenas del chaco paraguayo reafirmando los valores originarios sus pueblos, fomentando el diálogo efectivo entre sus contrapartes y visibilizando la importancia de la dimensión cultural para el desarrollo de sus comunidades. Con este objetivo, la metodología denominada: “encuentro de saberes”, fue implementada para lograr un acercamiento más profundo, con las organizaciones indígenas del chaco, así como para identificar las necesidades primordiales que tienen los habitantes de esas comunidades en la región del chaco central paraguayo.

El programa también está orientado a fortalecer la sensibilización y la movilización de la conciencia social, generando ámbitos de discusión y diálogos interculturales, a través de investigaciones, talleres y campañas de comunicación educativa. Para esto, se contempló el fortalecimiento de los mecanismos de organización comunitario, a fin de optimizar la incidencia de estas en cuanto a la búsqueda de espacios de diálogo que busquen el respeto de los derechos internacionalmente reconocidos, especialmente los consagrados en los convenios 29, 105, 138, 169 y 182 de la OIT.



Otro de los objetivos fue elaborar junto a las organizaciones proyectos de capacitación en organización y gestión, para que las comunidades puedan gestionar los problemas, en especial los que atañen a los NNA, en las instancias correspondientes.
Metodologia: En este sentido, la Central Unitaria de Trabajadores Auténtica (CUT-A) inicia un proceso de acercamiento y consulta con los líderes y representantes de las organizaciones indígenas chaqueñas, con el objetivo de iniciar un proceso de acompañamiento y apoyo a las acciones que estas venían realizando.
El proceso de consulta y acompañamiento se dio a través de 3 etapas:

    1. Una primera fase en la que se realizaron los primero encuentros en Asunción, en donde participaban, los líderes, mujeres líderes y, el Consejo a través de su coordinador. Para el Consejo de Pueblos era una situación única, ya que no habían trabajado anteriormente con una Organización Sindical.

    2. En una segunda fase, la CUT-A comienza a tener acercamientos y conversaciones informales con el Consejo de Pueblos indígenas del Chaco para plantear una propuesta de trabajo conjunto y conocimiento mutuo.

    3. Posteriormente inicia una etapa de consultas con los diferentes referentes de las organizaciones en el chaco, para determinar las acciones más necesarias para sus comunidades.


Lecciones aprendidas: Para los indígenas fue fundamental entender que las Centrales Sindicales no son ONGs que quieren lucrar a costa de las miserias que pasan los indígenas en el chaco. También fue clave trabajar con un enfoque de construcción y conocimiento mutuo. No colocarnos los trabajadores como mejores que los indígenas. Nos relacionamos en igualdad de Condiciones. Buscamos un intercambio de saberes mutuo.
Desafios: El principal desafío fue construir confianza entre la organización Sindical y la organización Indígena. La forma de superarla fue que ambas organizaciones presenten la naturaleza de las mismas, y encontrar los puntos en común de ambas.
Proximos pasos: La confianza construida entre las organizaciones de pueblos indígenas y la central sindical, así como los espacios de diálogo abiertos y la mayor conciencia generada en torno al problema del trabajo forzoso, incluyendo la denuncia ante la OIT son factores que permiten esperar que la experiencia se sostenga y continúe adelante.






77) Challenge of Syrian Refugee Child Labour

Period of implementation: Since 2012

Where: Jordan

Main focus: Integrated protection of displaced and refugee children from a conflict environment

Lead organization: International Programme on the Elimination of Child Labour (ILO-IPEC)

Website: http://www.ilo.org/ipec/Regionsandcountries/arab-states/jordan/Resources/lang--en/index.htm



Results: Awareness and dissemination of Standard 12 on Child Labour of the Minimum Standards for Child Protection in Humanitarian Action among national actors and international organisations involved in humanitarian action on child protection; awareness of national policies and legislation relevant to child labour elimination raised among national and international humanitarian actors; coordination and collaboration between national and international actors addressing child labour among Syrian refugees and vulnerable Jordanian populations improved and institutional linkages established; pressing issue of child labour – Syrian and Jordanian – highlighted in media and among general public as well as donor and international communities to assist in future resource mobilisation and programming; child labour further reinforced in UN Regional Response Plan on Syria; resources directed towards building knowledge and addressing knowledge gaps, particularly in terms of profile of Syrian refugee child labourers, to better inform future interventions; identification of needs and expectations of Syrian refugees and why classic child labour interventions are not having the intended effect, associated with the need to develop more innovative and creative interventions and supporting the host community approach being deployed in Jordan to ensure that vulnerable host communities are not disadvantaged; developing knowledge management about an issue of child protection in humanitarian situations that has had limited targeting in previous crises and therefore enhancing preparedness to address this issue in future; establishing Jordan as a pilot country to test 9 of the Minimum Standards for Child Protection in Humanitarian Action, including Standard 12 on Child Labour, and contextualise these standards in the impact of the Syrian crisis on the country.


Context and objective: Since early 2012, the seriousness of the Syrian crisis deepened destabilising core structures of governance and safety within the country. It has also impacted considerably on neighbouring countries taking in refugees. In Jordan, for example, over half a million Syrians have found refuge in the country out of nearly 2 million who have fled Syria. The numbers are continuing to grow. A particular characteristic of the Syrian refugee population is its vulnerability as there are many children, women and elderly. The majority of Syrians have settled in urban and rural settings outside of refugee camps and this phenomenon has led to growing tensions between host and refugee communities underlining the need for long-term strategies to provide services and livelihoods options to vulnerable local communities.

Related socio-economic issues arising among Syrians and host communities, including the growing incidence of child labour, have not been adequately addressed. Estimates from the Ministry of Labour put the figure of Syrian child labourers in Jordan at over 30,000. Anecdotal evidence indicates that this is a conservative estimate – but it still means that the child labour population in Jordan overall (estimated at 33,000 in 2007) has more than doubled in less than 18 months. Children work in a number of sectors, primarily: agriculture and urban informal sector activities, including construction, services, street vending, begging, portering, etc. More recently, there has been evidence of young Syrian refugee girls being employed as domestic workers. In agriculture, entire families work on farms, often to secure food security.

Among the contributing factors of child labour among Syrian refugee children are high levels of poverty, poor food security, high levels of unacceptable accommodation and high rents. Some families have opted not to send their children to school due to indirect costs associated with schooling, overcrowded classrooms, differences between curricula in Syria and Jordan, limited availability of Syrian teachers, bullying and discrimination. In addition, disruption to schooling in Syria due to the violence has meant that some children have not been able to school for up to two years. Some refugee families also hope that they will be able to return to their country very soon and therefore there would be no point in their children attending school in Jordan. Significant numbers of youth of working age also have no access to formal vocational and skills training, apprenticeships or work.

To address child labour among Syrian refugee children is necessary to:



  • Improve coordination and collaboration between national partners involved in institutional efforts to address child labour and humanitarian institutions responsible for developing and delivering programmes of support to Syrian refugees.

  • Develop appropriate interventions on prevention, particularly through advocacy and awareness-raising.

  • Ensure non-discrimination of any kind in implementing policies and programmes targeting vulnerable children within national borders.

  • Strength monitoring and follow-up systems for child protection for refugee and host community populations alike.


Methodology: In this case in Jordan, there was no clear methodology nor planning and many elements of this practice simply emerged out of necessity and need, driven by the ILO-IPEC project in Jordan which recognised the need to address this growing problem at a very early stage. The new Standard includes key actions under the headings of “Preparedness”, “Response” and “Measurement” (indicators and targets, monitoring and evaluation) as well as guidance notes for practitioners. These are meant to assist national and international actors in planning responses under child protection in emergency situations and will need to be adapted to different scenarios, settings, environments, etc.

The existance of an ILO-IPEC project in place supporting policy-level interventions and the piloting of the new National Framework to Combat Child Labour ensured the presence of technical expertise to support the national and humanitarian actors and also a platform for advocacy and awareness-raising. However, this will not always be the case which is why it will be so important to document the experience in Jordan, particularly during the piloting of Standard 12.

In order to try and build knowledge, consensus, coordination and knowledge-sharing around the issue and with the strong support of the Emergency Child Protection Working Group, ILO-IPEC organised three consultations (April, May and July 2012) of national and humanitarian actors on the emerging problem of child labour among Syrian refugee children. While some important recommendations emerged from these discussions, without a strategic plan of action, available resources and clear leadership, these were unfulfilled. Subsequently, this approach has been validated by the guidelines in Standard 12. At ILO-IPEC’s suggestion, the National Committee on Child Labour also invited representatives of the main humanitarian actors – UNHCR and UNICEF – to present child protection activities for Syrian refugees and the challenges being faced by increasing numbers of working Syrian refugee children.

A further initiative of ILO-IPEC in Jordan is worthy of mention in this good practice as it is again validated by the new Standard 12 and has reinforced the meaningful participation of national actors. On 26 August 2013, a consultation was organised between the national actors involved in the implementation of the National Framework to Combat Child Labour and key national and international humanitarian actors on child protection to discuss linkages between national and humanitarian referral mechanisms. The objective would be to ensure that national actors would be informed on how to refer Syrian refugee children found working to humanitarian services and that humanitarian actors would provide information on employers of Syrian refugee children and refer Jordanian children to the national system.



In order to follow-up and strengthen these coordination and information-sharing mechanisms, the Ministry of Labour has established a Technical Sub-Committee on Syrian Child Labour under the auspices of the National Committee on Child Labour.
Lessons learned: This process has been a unique learning experience for all concerned: national and humanitarian actors. In addition, as the Minimum Standards for Child Protection in Humanitarian Action were not published and disseminated until around May 2013 – over 12 months since the Syrian crisis had begun to impact on neighbouring countries – it had not been possible to benefit from some of the preparedness actions that would have avoided some of the challenges that emerged subsequently. Therefore among the key lessons learned are:

  • Ensure review and application of the Minimum Standards for Child Protection in Humanitarian Action, particularly Standard 12 on Child Labour, referring to key actions for preparedness in particular.

  • Prioritise child labour within the emergency working group on child protection that will be established in crisis situations.

  • Ensure that any action within the emergency action links directly into existing child protection mechanisms, programmes, systems and structures that are in place – no matter how recent or untested – and that national partners responsible for child labour policies, legislation and programmes are fully integrated into the humanitarian response, particularly ministries of Labour (labour inspection), Education and Social Development.

  • Ensure significant support for national partners around humanitarian action and providing adequate capacity-building for their full and meaningful involvement and participation (meetings being conducted in the national language and relevant documents being translated)

  • Conducting comprehensive reviews of what already exists at national, regional and district levels that would be relevant to addressing child labour, avoiding duplication of effort and resources and strengthening buy-in, support and therefore sustainability and building on existing systems and structures, including data and knowledge management, such as child and family protection databases.

  • As early as possible, map the critical needs and expectations of refugee populations, and also the regional profile of migration. For example, in Jordan and Syria, families have been crossing borders for generations for a variety of socio-economic and cultural reasons, including trade and employment. Therefore, not all Syrians in Jordan are refugees and they do not all share the same needs and expectations. Expectations and needs also differ depending on whether refugee populations are inside or outside of camp settings.

  • Acknowledge that access to funding and possibly income-generating activities may be central to the survival of families and, if so, to build an advocacy policy platform around access to such activities to reduce the impact of the poverty cycle and therefore reliance on children’s income.

  • Assess socio-economic, cultural and political sensitivities within the host country and ensure that every effort is made to accommodate these and work through diplomacy and advocacy, particularly with the line ministries responsible for the humanitarian response.

  • Integrate child labour elimination as early as possible into humanitarian response plans, ensuring allocation of resources and the development of a plan of action, including roles and responsibilities, that links into any existing national action plan.

  • Develop an emergency response plan within organisations that have the mandate to tackle child labour, including but not only the ILO. This should include flexible and rapid resource (human and financial) response to ensure that minimum standards can be met as quickly as possible and appropriate support and assistance structures and systems set up to underpin the overall humanitarian response. Once these emergency structures are in place, this would allow more time to assess the situation on the ground in more detail – causes and consequences in particular – and develop an appropriate longer-term response plan. The lack of an immediate response in Jordan has allowed the problem to become more deeply entrenched and therefore much harder and more costly to address once programmes actually start.

  • Keep in mind an important mantra: Communication, Coherence, Coordination and Capacity!


Challenges:

  • Limited understanding of existing national efforts to address child labour and willingness to link into national mechanisms for monitoring and referral (the national child labour policy has only recently been established in Jordan, in August 2011, and is not yet fully operational across the country.

  • Limited sharing of knowledge and capacity between national and international actors in terms of referral mechanisms for Syrian refugee children and available service provision.

  • Attitudes of Syrian refugee families towards education for their children in Jordan.

  • Poverty levels among Syrian refugee families compounded by not having the right to work and maintain a family income for survival.

  • Differences of attitudes, cultural tolerance, policies and legislation on child labour between Syria and Jordan.

  • Significant increase in workloads for labour inspectors, teachers, social workers, etc. directly related to the influx of Syrian refugees.

  • Lack of humanitarian and national responses to child labour among Syrian refugees, particularly due to limitations on humanitarian funding.

  • Pre-existing economic and labour market crisis in Jordan which has been negatively impacted by high numbers of refugees entering the country.

  • Need for more effective and efficient coordination and collaboration between humanitarian actors themselves and between humanitarian and national actors.

  • Need for dedicated leaders and projects in the field of child labour elimination among Syrian refugees and to include this activity as a cross-cutting issue in child protection interventions, reinforcing mainstreaming efforts.

  • Need for a strategic framework and plan of action to better coordinate and target activities to address child labour among Syrian refugees


Next Steps: For the future, it is needed to link humanitarian action, systems and structures into existing national action, systems and structures where relevant and possible, political commitment and support at national and international level, building or strengthening enabling environment to address child labour in host country, to have access to resources – human and financial – within the humanitarian response plan.





78) Protecting the Health and Wellbeing of Young Agricultural Workers

Period of implementation: Since 2009

Where: USA

Main focus: Protection of young workers

Lead organization: U.S. DEPARTMENT OF LABOR, Wage and Hour Division (WHD)

Website: http://www.dol.gov/whd/



Results: more than 300 new investigators were hired, bringing the Agency’s total to more than 1,000 investigators; 14 new offices openned and upgraded 18 others across the country, making services more readily accessible to the Nation’s workforce and regulated communities; nearly 700 WHD employees speak a language other than English (more than 500 WHD employees speak Spanish; WHD’s multilingual employees speak nearly 50 languages, including Chinese, Creole, Portuguese, Russian, Spanish, Tagalog, Thai, Taiwanese, and Vietnamese; multi-lingual investigators are present during investigations and assist in interviewing employees who have limited English proficiency); WHD has made significant investments in the creation of extensive multi-lingual guidance to inform employees and employers of their rights and responsibilities under federal wage and hour laws; more than 200 publications were translated into eleven languages for dissemination through its website - 15 child labor related fact sheets, guides, public service announcements and other materials are available in Spanish; a number of these child labor materials are also available in Asian and Pacific languages such as Vietnamese, Korean, Chinese, and Thai.

Context and objective: Agricultural labor remains one of the most dangerous and difficult jobs performed in the United States and child farm workers are among the most vulnerable of our nation’s workers. The child labor provisions of the Fair Labor Standards Act (FLSA) help ensure the health and safety of minors, so they may enjoy meaningful employment experiences in their youth. The FLSA also contains restrictions on the employment of minors less than 16 years of age in agriculture. One of the highest priorities of WHD has been and continues to be prevention of death and injury of children from employment in hazardous occupations. WHD employs a variety of tools and strategies – consisting of a combination of enforcement, compliance assistance to employers, outreach to workers, and partnerships – to increase awareness of federal workplace rights and responsibilities and to protect youth working in the U.S. 

Methodology: WHD has over the last several years systematically enhanced its enforcement activities, including increasing the number of enforcement personnel, increasing its directed enforcement program, and utilizing all the enforcement tools provided by the FLSA, in an effort to strengthen labor law compliance in the agricultural industry and to keep children safe while on the job. 

  • As a law enforcement agency, WHD takes seriously its responsibilities to ensure compliance with the law. Agency investigators go to great lengths to gather accurate and sufficient evidence of an employer’s level of compliance with all applicable laws, and in every on-site investigation, look for violations of the FLSA’s child labor provisions.

  • When violations are found, WHD uses all enforcement and compliance tools available under the law.  By conducting effective investigations and using tools (such as civil money penalties, liquidated damages, injunctions, etc.), WHD is able to bring employers into compliance and deter future violations of the law, thereby ensuring the health and wellbeing of minors and other agricultural workers. 

  • In Fiscal Year 2012, WHD concluded 749 cases in agriculture in which child labor violations were found and child labor civil money penalties of more than $2 million were assessed.

  • Each year, WHD offices around the country conduct strategic enforcement initiatives in industries, such as agriculture, where the Agency has observed historical and persistent violations of federal wage and hour laws. These initiatives include targeted investigations that are aimed at identifying and remedying common violations, and obtaining industry-wide compliance with our nation’s child labor laws, and other laws enforced by the WHD. These initiatives also include compliance evaluations that inform WHD of the severity and likely causes of violations, and help point to enforcement and compliance assistance strategies for addressing industry-specific problems. For example, a couple years ago, WHD implemented one of the most effective, creative, and visible farm labor enforcement programs in the history of the Agency, focusing on agricultural industries in North Carolina and other states during their annual blueberry harvesting seasons.  Investigations conducted during the 2009 harvest season uncovered significant labor violations among blueberry growers and Farm Labor Contractors (FLCs) – including the illegal employment of children in several fields. Over $53,000 in back wages were recovered for the affected workers and more than $100,000 in civil money penalties were imposed.

  • In early 2010, before the blueberry harvest was to begin, Agency staff took proactive steps to ensure employer compliance with WHD administered laws, particularly in regard to child labor, by conducting outreach and education (in English, Spanish and Haitian-Creole) to inform employers of their legal responsibilities and remind agricultural workers of their rights. WHD also met with farmers, FLCs and industry associations, like the North Carolina Blueberry Council, to speak with them about the Agency’s enforcement efforts and to provide them with meaningful compliance assistance. When the 2010 harvest began, WHD investigators were out in the fields, on weekdays and weekends, conducting thorough investigations and interviewing workers as blueberry crews moved from one state to the next.  As a result of WHD’s enforcement and compliance assistance efforts, employers took observable and important steps to ensure that children were not working in the fields. No child labor violations were found at the farms investigated in North Carolina. 


Lessons learned:

  • The increase in staff and office locations has enabled WHD to reach out to more workers, strengthen partnerships with local stakeholders, and provide greater compliance assistance to employers and employer associations nationwide.

  • WHD has also increased its outreach efforts to increase awareness among young workers, employers, parents, and educators about the child labor provisions. Through robust outreach and education efforts, the Agency is also engaging stakeholders in dialogue about compliance-related matters and encouraging their participation in promoting industry-wide compliance with child labor and other laws.

  • WHD continues to explore innovative strategies to reach out to these communities. For example, WHD recently released a series of educational “Know Your Rights” videos to serve as employee resource tools and inform workers of their rights.  The videos provide valuable information regarding wage and hour laws, including child labor and agriculture protections, and address common workplace concerns, and provide information on how to file a complaint with WHD.  Know Your Rights DVDs are distributed to workers’ rights centers, Consulates, Career Centers, and other stakeholders, for use as educational and compliance assistance materials. The videos are available in English and Spanish on WHD’s website.


Challenges: Agriculture is an industry where the U.S. Labor Department’s Wage and Hour Division (WHD) has historically found significant labor violations. WHD enforces many laws that provide protections for agricultural employees, including the Fair Labor Standards Act (FLSA), a federal law that establishes restrictions on the employment of child workers.
Next Steps: To achieve a more ongoing presence in communities with vulnerable workers, the Agency has hired new Community Outreach and Resource Planning Specialists to work in more than 20 WHD District Offices, to promote sustained compliance among local employer communities and to more effectively incorporate and utilize stakeholder support in the Department’s compliance and enforcement efforts. These officers establish and maintain lines of communication at the local level; engage partners in dialogue about local industry practices and labor concerns; provide training and resources to advocates and other stakeholders on wage and hour laws; and provide WHD with recommendations on how to better serve workers and their communities.




79) PETECA (Programa de EducaÇÃo contra a ExploraÇÃo do Trabalho da CrianÇa e do Adolescente)

Period of implementation: Desde 2008

Where: Brasil

Main focus: Mobilização social para erradicação do trabalho infantil e pela garantia de sua inserção escolar

Lead organization: Ministerio Publico do Trabalho (MPT)

sitioweb: http://www.peteca2008.blogspot.com.br/

Results: a abordagem sistemÁtica do tema trabalho infantil em sala de aula jÁ ocorre em 9 Estados brasileiros, 171 Municípios e 2.636 escolas, envolvendo 13.354 professores e 454.000 alunos; as atividades do Programa tem motivado muitos alunos a terem uma participaÇÃo mais efetiva nas atividades escolares, melhorando a frequência e permanência na Escola; fortalecimento do Sistema de Garantia de Direitos da CrianÇa e do Adolescente; rompimento da cultura de tolerância ou indiferenÇa para com a exploraÇÃo da crianÇa e do adolescente no trabalho. Muitos educadores passaram a conceber o trabalho infantil como um grave problema social.


Contexto e objetivo: A Pesquisa Nacional por Amostra de Domiciliar (PNAD), realizada em 2007, revelou um universo de 4,8 milhÕes de crianÇas e adolescentes de 5 a 17 anos trabalhando no Brasil, representando 7,5% da populaÇÃo existente nessa faixa etÁria. Mencionada pesquisa demonstrou que a mÃo-de-obra infantil foi constatada, principalmente, no trabalho familiar e nas atividades informais urbanas, alÉm do trabalho infantil domÉstico exercido por cerca 8% dos das crianÇas e adolescentes trabalhadoras.
Dentro deste contexto, o MPT tem intensificado esforÇAos em aÇAÕes preventivas ao trabalho infantil, contribuindo para que referido tema comece a ser abordado no âmbito escolar, de forma que o processo de conscientizaÇÃo sobre essa forma de exploraÇÃo e os efeitos nocivos dela decorrentes. O MPT do Estado do Ceará, no Brasil, firmou Acordo de CooperaÇÃo TÉcnica com as Secretarias Municipais de EducaÇÃo, com base nos quais iniciou-se o Programa de EducaÇÃo Contra a ExploraÇÃo do Trabalho da CrianÇa e do Adolescente (Peteca).

O principal objetivo do Peteca É prevenir a exploraÇÃo do trabalho de crianÇas e adolescentes por meio de aÇÕes que busquem eliminar um das de suas principais causas, que É a aceitaÇÃo, por parte da sociedade, desse tipo de exploraÇÃo, como sendo um problema de pequeno ou nenhum potencial ofensivo. Nesse sentido, o Peteca objetiva conscientizar a sociedade com vistas à erradicaÇÃo do trabalho infantil e à proteÇÃo ao trabalhador adolescente, rompendo barreiras culturais que dificultam a efetivaÇÃo dos direitos da crianÇa e do adolescente, fortalecendo fortalecer o Sistema de Garantia de Direitos, com vistas à  ampliaÇÃo, quantitativa e qualitativa, das políticas públicas de atendimento à  crianÇa e ao adolescente.


Metodologia: No tocante ao trabalho direto com as crianÇa e adolescentes, o Peteca realiza debates, em sala de aula, sobre o Estatuto da CrianÇa e do Adolescente, enfatizando a erradicaÇÃo do trabalho infantil e a proteÇÃo ao trabalhador adolescente. Em 2008, foram produzidos dois manuais: “Abordagem do Trabalho Infantil na Escola”, contendo os aspectos teóricos sobre o tema, e o outro “OrientaÇÃo Pedagógico”, apontando o passo a passo para execuÇÃo do projeto. Em setembro de 2008, o MPT/CE convocou todas as Secretarias de EducaÇÃo do Estado do CearÁ para Audiência Pública, ocasiÃo em que lhe propõs a assinatura de Termo de AdesÃo ao Programa de EducaÇÃo contra a ExploraÇÃo do Trabalho da CrianÇa e do Adolescente (PETECA). Com base nessas parcerias foram realizados: a) Curso de FormaÇÃo de 82 Coordenadores Municipais em Fortaleza, com 40 horas; b) Dezenas de Oficinas de FormaÇÃo de Coordenadores Pedagógicos e Professores nos Municí­pios, com carga horÁria de 16h; c) Centenas de Planos de AÇÃo Escolar (debates em salas, em 12 horas-aula); d) milhares de tarefas escolares (artes cênicas, artes visuais, composiÇÃo e literatura); e) PremiaÇÃo das 12 melhores tarefas produzidas pelo aluno s (3 de cada categoria), capacitaÇÃo de mais 100 coordenadores, sendo 80 da rede municipal e 20 da rede estadual; encontro da primeira turma de Coordenadores Municipais para avaliaÇÃo dos trabalhos realizados. Nos anos seguintes as aÇões continuaram de forma regular e crescente, incluindo cursos de EducaÇÃo à  Distância.
Lessons learned: Para superar as dificuldades, o MPT tem firmado parcerias com vÁrios e órgãos e entidades do Sistema de Garantia de Direitos da CrianÇa e do Adolescente.
Challenges: As limitaÇões do projeto dizem respeito à insuficiência dos recursos financeiros e humanos, e ao tempo também limitado dos Coordenadores Municipais. Outro fator que limita o projeto É a inexistência de gratificaÇões aos Coordenadores Municipais do Programa, como retribuiÇÃo das responsabilidades assumidas na CoordenaÇÃo local do Programa. TambÉm dificulta a execuÇÃo do projeto a rotatividade entre os profissionais.
Next Steps: Considera-se que o Peteca É replicÁvel em contextos diferentes tanto no Brasil como em outros países. Esta aÇÃo jÁ estÁ sendo desenvolvida em outros dezesseis estados brasileiros.





80) Juízes do Trabalho Combatem o Trabalho Infantil

Period of implementation: Desde 2005

Where: Brasil

Main focus: Capacitação sobre direitos e trabalho infantil no âmbito escolar

Lead organization: Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho

Sitioweb: http://www.anamatra.org.br/tjc

Results: mais de 80 mil estudantes e 6000 professores participaram do programa e foram capacitados em cursos e treinamentos.


Context and objective: Para enfrentar a dura realidade do trabalho infantil que afasta a criança da Escola e impede seu desenvolvimento fí­sico, cultural, psicológico e emocional saudável, a Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho criou o Programa Trabalho, Justiça e Cidadania. Esse Programa leva juízes, advogados, professores de direito, e outros profissionais nas escolas, para prestarem informações e orientações sobre os direitos fundamentais das crianças e dos cidadãos. Seu objetivo é objetivo contribuir para a formação integral das crianças nas Escolas; conscientização sobre os direitos fundamentais ao estudo, ao lazer, proibição do trabalho infantil, continuidade na escola para desenvolvimento fí­sico, cultural, psicológico e social; integração do Poder Judiciário com a sociedade.
Methodology:

Programa Trabalho, JustiÇa e Cidadania atua da seguinte forma:


a) oferece curso de capacitaÇÃo para professores das escolas de ensino fundamental, aulas de direito da crianÇa e do adolescente, direito de famí­lia, direito do trabalho, ética e cidadania, dentre outros temas;
b) os juí­zes ministram essas aulas aos professores;
c) com utilizaÇÃo de diversas Cartilhas ilustradas, os professores transferem conhecimentos aos alunos nas diversas disciplinas do currí­culo escolar;
d) os juí­zes comparecem às escolas, conversam com a comunidade escolar, tiram dúvidas sobre os temas estudados no Programa;
e) os alunos elaboram trabalhos artí­sticos para comprovar o que aprenderam (simulaÇões de júri, cartazes, músicas, poesias, danÇas, etc);
e) alunos visitam os Foros do Poder Judiciário, conhecem as atividades dos juí­zes, advogados e servidores, participam de audiências reais e simuladas.
f) essa integraÇÃo humaniza o juiz, fortalece ví­nculos com a sociedade, especialmente com as comunidades de periferia, marginalizadas, com pouco acesso à justiÇa.
O Programa é realizado em parceria com as AssociaÇões Regionais de Juí­zes do Trabalho e em cada Estado há uma CoordenaÇÃo Regional que organiza e realiza as aÇões do programa. Os Tribunais Regionais do Trabalho são parceiros fundamentais, pois viabilizam as atividades dos juí­zes e servidores nas aÇões nas Escolas. Também a Ordem dos Advogados do Brasil, o Ministério Público do Trabalho e as Universidades Federais e Particulares atuam de forma decisiva ministrando aulas para que o Programa se realize com êxito.

O Programa é aplicado nas Escolas de ensino fundamental, com alunos de 5 a 17 anos. Geralmente, são crianÇas e adolescentes que residem nas regiões populosas e carentes das cidades, grande parte formada por pessoas negras, famí­lias pobres, comunidades sem atendimento regular de serviÇos básicos de saúde, transporte, educaÇÃo, saneamento.


Lições aprendidas:

O programa vem contribuindo eficazmente para mudar a cultura de que é melhor criança trabalhando do que delinquindo, mostrando que a solução é pela educação de qualidade em tempo integral. É preciso vencer a resistência dos pais e responsáveis que utilizam o trabalho dos filhos em razão de suas necessidades e da falta de meios sociais para superá-las.

O programa tem demonstrado a efetividade de trabalhar em rede de parcerias, articulando apoio e proteção, sobretudo em relação às piores formas de trabalho infantil.
Desafio:


  • A cultura de que é melhor criança trabalhar do que se tornar marginal.

  • As dificuldades burocráticas no estabelecimento de convênios com órgãos e instituições educacionais.

  • A necessidade de maiores recursos para a edição das cartilhas para aquisição do material didático e para organização dos eventos


Próximos Passos: A continuidade dos trabalhos é possível através do apoio dos Tribunais do Trabalho e Secretarias de Educação e Cultura, do apoio da OIT nos fóruns e ações de combate ao trabalho infantil, inclusive com material didático, e das parcerias com Universidades, Instituições culturais e Científicas. São necessários recursos financeiros de patrocí­nios, dotações de Fundos públicos como o de Direitos Difusos.

81) SEMANA DE ERRADICAÇãO DO TRABALHO INFANTIL DE ITAPETINGA

Period of implementation: Desde 2011

Where: Brasil

Main focus: Mobilização social

Lead organization: Secretaria de Desenvolvimento Social de Itapetinga – Bahia

Website: http://www.itapetinga.ba.gov.br/



Results: Mais de 10 mil pessoas atingidas direta ou indiretamente; aumento de participantes do PETI (54), no PROJOVEM (37 jovens); Maior mobilizaÇÃo social; esclarecimento à populaÇÃo que permite a identificaÇÃo de situações de violaÇÃo de direitos; articulaÇÃo das redes de proteÇÃo, atenÇÃo e de garantias de direitos com o sistema de justiça;


Contexto e objetivo: O Nordeste do Brasil tem alta incidência de trabalho infantil, conforme demonstram os resultados do Censo 2010 do IBGE. O Estado da Bahia está no topo da lista de maior concentraÇÃo. Entre os seus municípios, ainda há trabalho infantil a ser erradicado, inclusive em suas piores formas.
No interior do Estado, agrava a situação a falta informação e capilaridade da fiscalizaÇÃo, a dificuldade de acesso aos lares do campo e da cidade e a fragilidade da rede de proteÇÃo.
A Secretaria de Desenvolvimento Social de Itapetinga, para sensibilizar e articular os integrantes das redes e atores locais do sistema de garantias de direitos, para
informar e sensibilizar a sociedade, imprensa e lideranças acerca do trabalho infantil, da necessidade de enfrenta-lo, entre outras, vem realizando a SEMANA DE ERRADICAÇãO DO TRABALHO INFANTIL DE ITAPETINGA, em parceria com a Justiçaa do Trabalho.


Metodologia: Na I SEMANA DE ERRADICAÇãO DO TRABALHO INFANTIL DE ITAPETINGA, uma das principais tarefas foi mobilizar as outras instituições para aÇÃo abordagem a crianças em situaÇÃo de rua, reunião com suas familia e encaminhamento para o PETI. A programaÇÃo contou com a realizaÇÃo de caminhada com mais de 200 pessoas pelos principais pontos de Itapetinga, panfletagem no centro comercial e na Central de Abastecimento (feira), manifestaÇÃo em praça pública de repúdio ao trabalho infantil, videoconferência sobre Polí­ticas Públicas de Enfrentamento ao Trabalho Infantil e uma Roda de Debate com 300 pessoas (professores, legislativo municipal, conselheiros municipais de educaÇÃo, saúde, tutelar e de direitos), servidores públicos, estudantes e famílias.

Na II SEMANA DE ENFRENTAMENTO E ERRADICAÇãO DO TRABALHO INFANTIL DE ITAPETINGA, as ações foram ampliadas: fixaÇÃo de cartazes e abordagem direta na região onde se concentram as oficinas mecânicas da cidade, com distribuiÇÃo de folders sobre as 10 razões contra o trabalho infantil, cartazes do MPT, Roda de Conversa: Trabalho Infantil: Conversando a gente entende com a imprensa da região, panfletagem em restaurantes, lanchonetes, sorveterias e outros pontos comerciais, caminhada no centro da cidade, apresentações artísticas de crianças e jovens, seminários, feiras libres entre outras.


Lições aprendidas:

Trabalhar em rede é indispensável porque o trabalho infantil tem várias dimensões; para sensibilizar a sociedade e derrubar mitos, é preciso mostrar os prejuí­zos que o trabalho infantil causa à saúde da pessoa em formaÇÃo; necessidade de esclarecimento para os veí­culos de comunicaÇÃo;


os professores são fundamentais junto ao aluno e suas famí­lias; é necessário aumentar a oferta de jornada ampliada ou escola de tempo integral, de qualidade, para termos alternativas a oferecer; os agentes comunitários de saúde são aqueles que mais se aproximam das famí­lias que estão fora do alcance da fiscalizaÇÃo e precisam ser mais instrumentalizados para atuar de modo mais eficaz; os jovens precisam participar desse processo de luta por direitos, com protagonismo, assim como Igrejas
Challenges:

  • NÃo há sistema de de informaÇÃo eficiente e seguro, dificultando planejamento e avaliaÇÃo dos resultados;
    O combate ao trabalho infantil ainda não é prioridade absoluta no município.

  • NÃo há um grupo de trabalho permanente e dedicado exclusivamente ao desdobramento e monitoramento dos resultados;

  • Vencer a resistência da populaÇÃo, principalmente dos mais velhos, que defendem o trabalho infantil.


Next Steps: A parcerias oferecem uma vantajosa relaÇÃo custo x benefício, por isso é importante manter o trabalho em rede; para o futuro, é importante também garantir o monitoramento dos resultados e a continuidade das ações.


82) Políticas Públicas de fiscalização contra trabalho infantil

Period of implementation: 2012

Where: Brasil

Main focus: Fiscalização

Lead organization: Ministério Público do Trabalho

Website: http://www.prt21.mpt.gov.br/trabalho-infantil.php



Results: Foram investigados 53 municípios e 30 Termos de Ajustamento de Condutas (TACs) foram firmados, isso resultou no seguinte quantitativo de crianças beneficiadas: 9.870, de 10 a 13 anos de idade; 10.965, entre 14 e 15 anos; 21.351, de 16 e 17 anos; e 42.186, na faixa etÁria de 10 a 17 anos.


Contexto e objetivo: No Brasil, há significativa incidência do trabalho infantil. Em geral, as crianças e os adolescentes ao adentrarem o mercado de trabalho sÃo submetidos a jornadas exaustivas e a condições desumanas de trabalho, além de se envolverem em acidentes, devido ao manuseio de equipamentos desenvolvidos anatomicamente para adultos. Em razão da intensa carga horária a maioria não frequenta as escolas e com isso perde a oportunidade de no futuro conseguir ascender profissionalmente. O projeto tem como objetivo garantir o efetivo cumprimento de políticas, programas, serviços e atividades pelos governos, tidos como essenciais ao combate do trabalho infantil e proteção do trabalhador adolescente contemplando, em síntese, ações de busca ativa, cadastramento e atendimento de crianças e adolescentes em situação de trabalho proibido, bem como suas respectivas famílias.
Metodologia:

Etapa de planejamento: levantamento e anÁlise dos dados estatísticos e institucionais oficiais com relaÇÃo às cidades onde existem os piores í­ndices de trabalho infantil, a fim de se elaborar um diagnÓstico da problemÁtica, o qual demonstre uma lista de 20 piores cidades por Estado e que sofrerÃo intervenÇÃo do projeto. Contempla, ainda, a identificaÇÃo das parcerias, a elaboraÇÃo da proposta de atuaÇÃo concentrada, a elaboraÇÃo do plano de comunicaÇÃo, o desenvolvimento do plano de aÇÃo e a elaboraÇÃo da matriz de risco.


Etapa de execuÇÃo: realizaÇÃo de inspeÇões in loco, constataÇÃo da problemÁtica e de eventual omissÃo do Poder Público, no que tange à implementaÇÃo de políticas de erradicaÇÃo do Trabalho Infantil. A partir daí, tem-se a instauraÇÃo de inquéritos civis públicos, o que pode redundar na tomada de medidas extrajudiciais, como a celebraÇÃo de Termos de Compromisso de Conduta; ou mesmo judiciais, como ajuizamento de AÇões.

Etapa de monitoramento/avaliaÇÃo: reuniões com as unidades do Ministério Público, que aderiram ao projeto, para verificar os avanços e as dificuldades encontradas na implementaÇÃo, propondo-se: sugestões e recomendaÇões de mudanças ao plano; inserÇÃo de riscos na matriz de riscos, nÃo identificados no início do projeto; readequaÇÃo do cronograma; fiscalizaÇÃo do cumprimento dos Termos de Compromisso e demais procedimentos extrajudiciais instaurados; bem como compilaÇÃo e anÁlise dos dados alcançados pelo projeto para verificaÇÃo de sua eficiência e eficÁcia.


Lições aprendidas: a instituiÇÃo de parcerias é de suma importância para o sucesso e maior abrangância dos projetos. É necessÁrio que os ÓrgÃos que tenham objetivos semelhantes articulem suas aÇões. O projeto demonstrou que o papel do Poder Público, quando assume a erradicaÇÃo do trabalho infantil como prioridade polí­tica, produz frutos bastantes eficazes na tarefa de erradicar o trabalho infantil.
Desafios: Estabelecer uma comunicaÇÃo eficiente e eficaz com todos os participantes do projeto e estabelecer parcerias com outras Instituições. Algumas vezes, encontraram-se resistências do Poder JudiciÁrio na conscientizaÇÃo de seu papel de induÇÃo de políticas públicas, mediante provimentos judiciais. Muitos gestores públicos nÃo encaravam o trabalho infantil como uma grave violaÇÃo de direitos, dificultando as aÇõesdo Projeto.
Próximos passos: Para o futuro, esta prÁtica pode ser replicada em todos os Estados da comunidade internacional, por meio das instituiÇões encarregadas da fiscalizaÇÃo da lei, conforme organizaÇÃo jurí­dico-estatal de cada paí­s. É importante a manutenÇÃo do ní­vel de engajamento dos participantes e a divulgaÇÃo e gestÃo dos resultados positivos conquistados com a prÁtica.
83) APRENDIZAGEM PROFISSIONAL

Period of implementation: 2012

Where: Brasil

Main focus: Fiscalização

Lead organization: Ministério Público do Trabalho

Website: http://www.prt21.mpt.gov.br/trabalho-infantil.php



Results: 7.887 novos aprendizes inseridos em situaÇÃo de proteÇÃo no trabalho.


Contexto e objetivo: No Brasil, é determinado legalmente que todo e qualquer estabelecimento empresarial, salvo algumas exceções, debe contratar jovens aprendizes, entre 14 e 24 anos, numa cota mínima de 5% e, máxima, de 15%, em relaÇÃo aos seus empregados ocupantes de funÇÃo que demandem formaÇÃo profissional. Estes jovens aprendizes são empregados especiais, com direitos trabalhistas e previdenciários, cuja jornada de trabalho é composta de uma parte teórica, correspondente à realizaÇÃo de um curso de aprendizagem profissional; e uma parte prática, correspondente ao comparecimento na empresa, para exercí­cio de atividade laboral. Todavia, a despeito disso, grande parte das empresas não contratam nem formam aprendizes, havendo, pois, campo uma atuaÇÃo de responsabilizaÇÃo desses atores. O projeto teve o objetivo de promover cidadania aos adolescentes e jovens, mediante garantia da oportunidade de profissionalizaÇÃo a adolescentes e jovens em âmbito nacional, conforme leis brasileiras.
Metodologia:

Etapa de planejamento - levantamento e análise dos dados estatí­sticos e institucionais oficiais com relaÇÃo ao cumprimento da cota de aprendizes pelas empresas e quais empresas apresentam o maior potencial de contrataÇÃo de aprendizes, a elaboraÇÃo do diagnóstico da problemática, a identificaÇÃo das parcerias, a elaboraÇÃo da proposta de atuaÇÃo concentrada, a elaboraÇÃo do plano de comunicaÇÃo, o desenvolvimento do plano de aÇÃo e a elaboraÇÃo da matriz de risco. Assim, a Assessoria de Gestão Estratégica da Procuradoria Geral do Trabalho, com base em dados estatísticos existentes, elaborou diagnóstico, que aponta, em casa Estado da FederaÇÃo, as empresas com maior aptidão legal para contrataÇÃo de aprendizes. Tais empresas, uma vez elencadas, serão alvo de atuaÇÃo do Ministério Público, na fase seguinte.

Etapa de implementaÇÃo: Em seguida, o Ministério Público realiza a verificaÇÃo de cumprimento da cota legal obrigatória de contrataÇÃo de aprendizes por parte de cada uma das empresas selecionadas no diagnóstico. Uma vez feita essa verificaÇÃo e estando inadimplida a cota mí­nima, abre-se via para a soluÇÃo extrajudicial da questão, mediante assinatura de Termo de Ajuste de Conduta ou a propositura de aÇÃo.

Etapa de Monitoramento/AvaliaÇÃo: reuniões com as unidades do Ministério Público, que aderiram ao projeto, para verificar os avanços e as dificuldades encontradas na implementaÇÃo, propondo-se recomendações de mudanças ao plano; inserÇÃo de riscos na matriz de riscos; readequaÇÃo do cronograma; fiscalizaÇÃo do cumprimento dos Termos de Compromisso e demais procedimentos extrajudiciais instaurados; bem como compilaÇÃo e análise dos dados alcançados pelo projeto.



Lições aprendidas: a instituiÇÃo de parcerias é de suma importância para o sucesso e maior abrangância dos projetos. É necessÁrio que os ÓrgÃos que tenham objetivos semelhantes articulem suas aÇões. Ademais, a presença e atuaÇÃo de uma instituiÇÃo fiscalizadora, cobrando o cumprimento de cotas de aprendizagem, é fundamental para o cumprimento do direito fundamental à profissionalizaÇÃo.

Desafios: Sensibilizar os membros do Ministério Público para uma atuaÇÃo orientada para resultados e pautada na utilizaÇÃo de ferramentas de Gestão por Projetos. Estabelecer uma comunicaÇÃo eficiente e eficaz com todos os participantes do projeto e estabelecer parcerias com outras Instituições. Encontraram-se resistências das entidades de formaÇÃo profissional, em estabelecerem unidade de profissionalizaÇÃo em cidades do interior do Brasil.
Próximos passos: Para o futuro, esta prÁtica pode ser replicada em todos os Estados da comunidade internacional, por meio das instituiÇões encarregadas da fiscalizaÇÃo da lei, conforme organizaÇÃo jurí­dico-estatal de cada paí­s. É importante a manutenÇÃo do ní­vel de engajamento dos participantes e a divulgaÇÃo e gestÃo dos resultados positivos conquistados com a prÁtica.


84) Programa Crescer Legal

Period of implementation: Desde 1998

Where: Brasil

Main focus: Engajamento do setor privado para eliminar trabalho infantil na produção de Tabaco

Lead organization: Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco - SindiTabaco

Website: http://www.sindifumo.com.br/



Results: O principal resultado obtido com a aÇÃo efetiva do Programa Crescer Legal foi a reduÇÃo de 58% do trabalho infantil nas lavouras de tabaco, segundo dados do Censo 2010, quando comparado ao Censo 2000, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE); atualmente, são mantidas 20 bolsas de estudos para jovens, filhos de produtores de tabaco, na Escola Família Agrícola, que tem como principal diferencial o emprego da Pedagogia da Alternância.


Context and objective: A produÇÃo do tabaco na região Sul do Brasil estÁ presente em 656 municí­pios do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e ParanÁ. O tabaco é cultivado em 327 mil hectares, por 165 mil produtores integrados e com um envolvimento de 626 mil pessoas no meio rural. Em 1998 houve a assinatura do pacto pela erradicaÇÃo da mão de obra infantil, um compromisso que envolveu todas as empresas associadas ao Sindicato. Com essa iniciativa foi lançado o Programa O Futuro é Agora!, com o objetivo de combater o trabalho de crianças e adolescentes na cultura do tabaco e incentivar a educaÇÃo dos filhos dos produtores. Em 2008, O Futuro é Agora! foi ampliado com a criaÇÃo de uma Rede Social composta por agentes públicos e privados e representantes do setor de tabaco, para debater e fortalecer ações de prevenÇÃo e combate ao trabalho de crianças e adolescentes. Considerando os resultados alcançados pelo Programa O Futuro é Agora!, a nova legislaÇÃo vigente e o amadurecimento do tema junto aos produtores, demais agentes do setor e da sociedade, foi estruturado um planejamento estratégico que ampliou horizontes em relaÇÃo ao Programa, com objetivos mais amplos, atingindo de forma mais consistente o jovem rural, além de manter ações voltadas às crianças. Todo este crescimento e amadurecimento deu origem o Programa Crescer Legal.
Methodology: O Programa Crescer Legal se tornou uma aÇÃo conjunta e sistemÁtica para prevenir e combater o trabalho de crianças e adolescentes na cultura do tabaco, por meio da conscientizaÇÃo dos produtores integrados e da sociedade, bem como de projetos sociais promovidos pelas empresas associadas, com a aprovaÇÃo e a participaÇÃo de organizações públicas e privadas, de carÁter nacional e internacional. O Crescer Legal se desenvolve através da:

  • ArticulaÇÃo Polí­tica, para fortalecer parcerias e alianças estratégicas com entidades públicas e privadas.

  • CapacitaÇÃo e Aperfeiçoamento Profissional, para promover atividades para as equipes de campo das empresas associadas, tornando-as facilitadoras e multiplicadoras.

  • ComunicaÇÃo, para:
    - Adotar medidas de esclarecimento e conscientizaÇÃo dos produtores integrados.
    - Divulgar o programa
    - Produzir conhecimento sobre temas relacionados aos direitos da criança e do adolescente, através de instrumentos analí­tico-teóricos de avaliaÇÃo socioeconômica.
    - Estabelecer polí­ticas e estratégias integradas de comunicaÇÃo entre o programa e empresas.



  • Desenvolvimento Educacional e Social, para
    - Desenvolver ações de formaÇÃo educacional, complementares à educaÇÃo formal, voltado ao empreendedorismo do jovem rural, através de parcerias.
    - Desenvolver atividades educacionais, culturais e sociais, em turno escolar extra, voltados aos filhos dos produtores integrados, proporcionando o pleno desenvolvimento de suas competências, preparo para o exercício da cidadania e qualificaÇÃo para o trabalho, em sintonia com a escola, a famí­lia e a comunidade.
    - Mobilizar recursos técnicos e financeiros, capazes de alavancar e fortalecer projetos educacionais, realizados por escolas públicas e organizações sociais.
    - Promover medidas de fortalecimento e acompanhamento da qualidade do processo pedagógico e da participaÇÃo dos filhos dos produtores integrados, visando à igualdade de condições para o acesso e permanência na escola.




  • Investimento Social Privado, para alinhar e integrar os projetos educacionais e sociais das empresas associadas à missão e objetivos do Programa Crescer Legal.

  • ArticulaÇÃo Política, para a busca de apoio, principalmente das prefeituras municipais, e a formalizaÇÃo de parcerias

  • ConscientizaÇÃo dos Produtores Integrados de Tabaco, quanto ao valor do incentivo à educaÇÃo.

  • Apoio a Programas e Projetos Educacionais, incentivando programas e projetos sociais que tenham como missão a erradicaÇÃo do trabalho infanto-juvenil


Lessons learned: O bom resultado de um programa social depende da articulaÇÃo e mobilizaÇÃo de parceiros. O Programa Crescer Legal tem obtido bons resultados, pois conseguiu aproximar de suas ações algumas entidades que, por muito tempo, apenas atuavam no campo de fiscalizaÇÃo. Hoje, através da parceria com estes agentes, tem sido possí­vel promover atividades mais consistentes de conscientizaÇÃo e de reduÇÃo sistemÁtica do trabalho de adolescentes menores de 18 anos nas lavouras de tabaco.
Challenges: Manter a conscientizaÇÃo dos produtores integrados de tabaco sobre o impacto negativo do trabalho infantil no desenvolvimento físico, psí­quico e social de crianças e adolescentes e sobre a importância da educaÇÃo para o futuro de seus filhos.
Next Steps: Esta é uma prÁtica de responsabilidade social promovida por um setor econômico brasileiro e, portanto, pode ser aplicado em outros setores que enfrentem o problema do trabalho de crianças e adolescentes no meio rural. O programa se manterÁ por meios de ações de conscientizaÇÃo, dadas principalmente pela capacidade de sinergia entre a entidade promotora do programa e as demais entidades parceiras.

1 Proyecto Tapyi rekavo, Calle Escuela.

2 En la cultura Mbya a partir de la edad fértil, varones y mujeres, son considerados jóvenes.



Compartir con tus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10


La base de datos está protegida por derechos de autor ©psicolog.org 2019
enviar mensaje

    Página principal
Universidad nacional
Curriculum vitae
derechos humanos
ciencias sociales
salud mental
buenos aires
datos personales
Datos personales
psicoan lisis
distrito federal
Psicoan lisis
plata facultad
Proyecto educativo
psicol gicos
Corte interamericana
violencia familiar
psicol gicas
letras departamento
caracter sticas
consejo directivo
vitae datos
recursos humanos
general universitario
Programa nacional
diagn stico
educativo institucional
Datos generales
Escuela superior
trabajo social
Diagn stico
poblaciones vulnerables
datos generales
Pontificia universidad
nacional contra
Corte suprema
Universidad autonoma
salvador facultad
culum vitae
Caracter sticas
Amparo directo
Instituto superior
curriculum vitae
Reglamento interno
polit cnica
ciencias humanas
guayaquil facultad
desarrollo humano
desarrollo integral
redes sociales
personales nombre
aires facultad