Pflimlin, Pierre (n. 1907)


Pinto, Carlos Alberto da Mota



Descargar 4.19 Mb.
Página12/20
Fecha de conversión09.05.2019
Tamaño4.19 Mb.
1   ...   8   9   10   11   12   13   14   15   ...   20

Pinto, Carlos Alberto da Mota n. 1936 Professor de direito civil em Coimbra. Adere ao PPD em 1974. Sai do partido no II Congresso de Aveiro, em Dezembro de 1975, mantendo-se na Assembleia Constituinte como líder dos sociais-democratas independente. Ministro do comércio e turismo do I governo constitucional de Mário Soares, de 25 de Março de 1977 a 9 de Dezembro desse mesmo ano, período em que também conclui as respectivas provas de agregação. Primeiro-ministro do II Governo presidencial de Dezembro de 1978 ao Verão de 1979. Em 16 de Março de 1979 Francisco Sá Carneiro retira o apoio crítico ao governo, invocando-se a circunstância de Eanes não apoiar a acção do ministro da agricultura, Vaz Portugal. A partir de então, 37 deputados do PSD anunciam uma dissidência que se concretizará com a formação da ASDI. Membro do Conselho de Estado desde 1982. Regressa ao convívio militante com o PSD, ainda sob a liderança de Sá Carneiro, quando apoia a candidatura presidencial do general Soares Carneiro contra Eanes, nos finais de 1980. Com a queda de Francisco Pinto Balsemão, no Congresso de Montechoro, passa a ser o homem forte do partido, assumindo a respectiva liderança na campanha eleitoral de 1983. Subscreve a formação do Bloco Central e assume a vice-presidência do governo de Mário Soares, acumulando a pasta da defesa.
Pinto, Governo de Mota (1978-1979) O chamado II Governo Presidencial, formalmente, o IV Governo Constitucional. Toma posse em 22 de Novembro de 1978 e cessa funções em 11 de Junho de 1979. O PS logo o saudou como o mais conservador depois do 25 de Abril. Era a seguinte a composição do gabinete:
Primeiro Ministro: Mota Pinto (ex-PSD, ex-membro do governo PS, futuro PSD)

Vice -Primeiro Ministro para os Assuntos Económicos e Integração Europeia: Manuel Jacinto Nunes (ex-governante de Salazar)

Ministro Adjunto do Primeiro Ministro: Álvaro Monjardino (ex-PSD)

Defesa Nacional: Tenente-Coronel Loureiro dos Santos

Finanças e Plano: Manuel Jacinto Nunes

Administração Interna: Coronel António Gonçalves Ribeiro

Justiça: Eduardo Henriques da Silva Correia

Negócios Estrangeiros: João Carlos de Lopes Cardoso Freitas Cruz

Agricultura e Pescas: Apolinário José Barbosa da Cruz Vaz Portugal (futuro PSD)

Indústria e Tecnologia: Álvaro Roque de Pinho Bissai Barreto (futuro PSD)

Comércio e Turismo: Abel Pinto Repolho Correia

Trabalho: Eusébio Marques de Carvalho (futuro PSD)

Educação e Investigação Científica: Luís Francisco Valente de Oliveira (futuro PSD)

Assuntos Sociais: Acácio Manuel Pereira Magro

Transportes e Comunicações: José Ricardo Marques da Costa

Habitação e Obras Públicas: João Orlindo Almeida Pina

Comunicação Social: Daniel Proença de Carvalho
Entre os Secretários de Estado: Figueiredo Lopes (futuro PSD) na administração pública; Alípio Dias (futuro PSD) nas Finanças; Cardoso e Cunha (futuro PSD), nas indústrias extractivas e Transformadoras; Manuela Aguiar (futura PSD), no Trabalho; Arantes e Oliveira (futuro membro do governo do PSD) no Ensino Superior e Investigação Científica
Pinto, Frei Heitor (1525-1584) Reitor do convento dos jerónimos em Coimbra. Partidário de D. António, Prior do Crato, será desterrado para Toledo a partir de 1581.

Imagem da Vida Cristam. Diálogo da Justiça

Coimbra e Lisboa, 1563-1572. Cfr. ed. com prefácio e notas de P. M. Alves Correia, Lisboa, Livraria Sá da Costa, 1941.


Pinto, Basílio Alberto de Sousa (1790-1881) Visconde de São Jerónimo, desde Novembro de 1862. Natural de Fundais, Barcelos. Doutor em leis desde 2 de Julho de 1817. Professor de direito da Universidade de Coimbra, por decreto de 14 de Julho de 1834. Deputado vintista e depois do regime cartista. Par do reino. Um dos primeiros opositores históricos à Regeneração. O primeiro professor da Cadeira de Direito Público Português pela Constituição, criada pela reforma de 1936, invocando Montesquieu, Bentham, Constant e Macarel. Reitor da Universidade de Coimbra, sendo demitido em Julho de 1863.
P
into,
Carlos Henriques da Silva Maia (1886-1932) Ministro das colónias do governo outubrista de Manuel Maria Coelho, de 19 de Outubro a 5 de Novembro de 1921. Presidente do ministério no segundo governo outubrista, de 5 de Novembro a 16 de Dezembro de 1921.
Pinto, F. Cabral, A Heresia Política de Espinosa, Lisboa, Livros Horizonte, 1990.

Pinto, Luís Supico (n. 1909) Clotário Luís Supico Pinto. Jurista, filho do general Liberato Pinto. Subsecretário das finanças de 28 de Agosto de 1940 a 6 de Setembro de 1944. Nesta data passa a ministro da economia, até 4 de Fevereiro de 1947. Na altura, é convidado por Salazar para ministro dos negócios estrangeiros, mas prefere abandonar o governo, por oposição de Santos Costa. Presidente da Câmara Corporativa. A esposa, Cecília Supico Pinto, será a principal dirigente do Movimento Nacional Feminino, órgão de apoio ao regime que teve especial destaque no apoio à guerra das campanhas de África.


Pinto, Francisco Paula de Leite n. 1902 Ministro da Educação nacional de 7 de Julho de 1955 a 4 de Maio de 1961.Presidente da Junta de Energia Nuclear e reitor da Universidade Técnica de Lisboa.
P
into, Jaime Nogueira
Licenciado em direito. Docente do ISCSP e de agumas universidades privadas. Fundador do periódico Política em 22 de Novembro de 1969 e, depois da revista Futuro Presente. Colaborador da Polis. Autor de Portugal, os Anos do Fim. Escreve com António Marques Bessa uma Introdução à Política. Casado com Maria José Nogueira Pinto, da família Avilez. Destaca-se como comentador televisivo e ligado à Heritage Foundation. Chega a ser destacada figura do lobby da UNITA para a Europa, quando esta organização era qualificada como um dos freedom fighters, de acordo com a doutrina de Reagan.
Pinto, Joaquim Dias da Silva Político português, de antes e depois de 1974. Activista da Acção Nacional Popular, nomeadamente no congresso de Maio de 1973, onde defende o movimento como força centrista. Exilado depois de 1974, será, a seguir, militante e deputado do Partido Socialista, chegando a candidatar-se à câmara municipal de Oeiras.

Subsecretário de Estado das obras públicas de 1968 a 1970

Subsecretário de Estado do trabalho e previdência social desde essa data a 1974.

Ministro das corporações de Marcello Caetano desde 7 de Novembro de 1973.


Pinto, José Madureira, Ideologias. Inventário Crítico de um Conceito, Lisboa, Editorial Presença/Gabinete de Investigações Sociais, 1978.
Pinto, Liberato Liberato Damião Ribeiro Pinto. Presidente do ministério de 30 de Novembro de 1920 a 2 de Março de 1921. Membro do partido democrático e chefe do estado maior da GNR. Pai de Luís Supico Pinto, alta figura do salazarismo.
Pinto, Luís Augusto Pimentel 1843-1913 Militar. Por três vezes ministro da guerra em governos de Hintze Ribeiro, no crepúsculo da monarquia. Símbolo dos oficiais monárquicos portugueses na viragem do século.

Ministro da guerra de Hintze Ribeiro de 23 de Fevereiro de 1893 a 7 de Abril de 1896.

Ministro da guerra de Hintze Ribeiro de 26 de Junho de 1900 a 20 de Outubro de 1904

Ministro da guerra de Hintze Ribeiro de 21 de Março a 19 de Maio de 1906


Pinto, Luís Maria Teixeira Ministro da economia do salazarismo, de 4 de Dezembro de 1962 a 29 de Março de 1963 e de 16 de Abril desse ano a 9 de Novembro de 1964.

P
into, Luís Supico
(n. 1909) Figura cimeira do salazarismo, filho de Liberato Pinto, antigo presidente do ministério da I República, pelo partido democrático e um dos chefes da GNR, enquanto guarda pretoriana do regime. Licenciado em direito. Começa como militante do nacional sindicalismo de Rolão Preto, mas logo em 1933 adere à União Nacional. Subsecretário das finanças e ministro da economia. Deputado e presidente da Câmara Corporativa.
Pinto, Vítor José de Deus Macedo Político da I República, do partido evolucionista.

Ministro da marinha do governo de Domingos Pereira, de 30 de Março a 30 de Junho de 1919.

Nomeado ministro da marinha do governo outubrista de Manuel Maria Coelho em 19 de Outubro de 1921, não chega a tomar posse.
nto, José Madureira,

Ideologias. Inventário Crítico de um Conceito

Lisboa, Editorial Presença/Gabinete de Investigações Sociais, 1978.



Compartir con tus amigos:
1   ...   8   9   10   11   12   13   14   15   ...   20


La base de datos está protegida por derechos de autor ©psicolog.org 2019
enviar mensaje

    Página principal
Universidad nacional
Curriculum vitae
derechos humanos
ciencias sociales
salud mental
buenos aires
datos personales
Datos personales
psicoan lisis
distrito federal
Psicoan lisis
plata facultad
Proyecto educativo
psicol gicos
Corte interamericana
violencia familiar
psicol gicas
letras departamento
caracter sticas
consejo directivo
vitae datos
recursos humanos
general universitario
Programa nacional
diagn stico
educativo institucional
Datos generales
Escuela superior
trabajo social
Diagn stico
poblaciones vulnerables
datos generales
Pontificia universidad
nacional contra
Corte suprema
Universidad autonoma
salvador facultad
culum vitae
Caracter sticas
Amparo directo
Instituto superior
curriculum vitae
Reglamento interno
polit cnica
ciencias humanas
guayaquil facultad
desarrollo humano
desarrollo integral
redes sociales
personales nombre
aires facultad