Maçonaria e a Mente Inconsciente



Descargar 0.99 Mb.
Página5/5
Fecha de conversión10.12.2017
Tamaño0.99 Mb.
1   2   3   4   5

Na década de 70, o Dr. Erickson já era muito conhecido entre os profissionais da medicina e era até assunto de vários livros, mas poucos alunos seus conseguiam reproduzir seu trabalho ou repetir seus resultados. Dr. Erickson freqüentemente era chamado de “curandeiro ferido”, visto que muitos colegas seus achavam que seus sofrimentos pessoais eram responsáveis por ele ter se tornado um terapeuta habilidoso e famoso mundialmente.


A hipnose é um estado de atenção focalizada (em alguma coisa) da mente consciente e que produz uma dissociação da mente inconsciente. A hipnose acontece pela interação das duas partes.

Segundo Erickson, mente consciente “é a parte que permite ter crítica. Ter a habilidade de analisar, fazer julgamentos. É a parte racional. É a parte limitada da mente.”. Mente inconsciente “é o reservatório de todas as experiências adquiridas. Experiências pessoais, aprendizados, as funções automáticas, etc.. É uma mente sábia, não rígida nem analítica e tão pouco limitada. É capaz de interpretações simbólicas e tem tendência a uma visão global. Carrega os recursos para as mudanças.”

Através da hipnose, é possível dissociar estas duas partes, para acessar os recursos sábios do inconsciente, reintegrando-as a seguir.

Erickson ensinou, que sugestibilidade é uma abertura para aceitar novas idéias, novas informações. À medida que esta informação vai sendo adquirida, ela pode alterar a experiência da pessoa – e, este processo é feito através da mente inconsciente.

O modelo da hipnose moderna, naturalista, tem maior eficácia quanto a sugestibilidade e à suscetibilidade hipnótica – isto é, o grau em que uma pessoa é hipnotizável:

Critérios de Hipersman:



  • Transe leve – habilidade para sugestões pós-hipnóticas simples;

  • Transe médio – a sugestibilidade é maior no transe médio;

  • Transe profundo – habilidade para manter o transe com os olhos abertos;

  • Transe pleno ou estuporoso – marcado por respostas orgânicas lentas e quase completa inibição da atividade espontânea.

Sinais Típicos de Transe – “Hipnose Centrada na Solução de Problemas” – William H. Hanlon e Michael Martin – Editora Psy:

Podem acontecer um ou mais sinais:

- Paralisação dos músculos faciais;



  • Mudança da tonalidade da pele;

  • Imobilidade;

  • Diminuição dos movimentos de orientação;

  • Catalepsia (enrijecimento) de um dos membros do corpo;

  • Mudança na deglutição e no piscar dos olhos;

  • Alteração da pulsação e da respiração;

  • Comportamento motor autônomo (espasmos musculares);

  • Olhar longínquo;

  • Olhar fixo;

  • Mudança no tom de voz;

  • Demora para reagir a um estímulo;

  • Perseverança na reação;

  • Literalismo;

  • Dissociação;

  • Relaxamento dos músculos.

O método de hipnose criado por Erickson, consiste em fazer um tipo exclusivo de transe para cada cliente. É baseado, numa linguagem de fácil acesso a cada um, a linguagem dele mesmo, através de sugestões indiretas.

Ele fazia um tipo de sinergismo, ou princípio de semelhança, como na homeopatia. Ele aceitava e utilizava a situação em que se encontrava o indivíduo. Assim, o cliente conduzia sua própria cura.

As mudanças ocorridas serão mérito do indivíduo e não do terapeuta.




HIPNOSE

Um dos temores mais comum é que o terapeuta mantenha o cliente sob seu poder, transformando-o em autômato.

Nada pode estar mais distante da verdade. Não se entra num transe a não ser que se queira, o que faz de toda hipnose uma auto-hipnose. O terapeuta é tão somente um instrutor, um profissional que sabe provocar o transe hipnótico.

De uma maneira geral, ninguém pode ser forçado a fazer sob transe hipnótico algo que não faria em condições de vigília. Muitas pessoas pensam que a hipnose é perda de consciência e que não se lembrarão do que aconteceu quando estavam em transe. Mais uma vez, estão equivocados - a hipnose é um estado intensificado de concentração e relaxamento. É um estado alterado de consciência extremamente repousante e tranqüilo.

A maioria dos clientes hipnotizados fica bem consciente do que ocorre ao seu redor na sala, a não ser que aceite a sugestão de não prestar atenção no ambiente. De certo modo, a hipnose é um estado de percepção intensificada de sentimentos e processos interiores.

Uma das reações mais comum em pessoas saídas do estado de hipnose é a de não saberem se realmente foram hipnotizadas ou não. Elas esperam algo bizarro, algo mágico, quando simplesmente se trata de um estado de relaxamento que focaliza estímulos internos.

Não há nada de perigoso em relação à hipnose. De fato, é um dos procedimentos mais seguros no processo terapêutico.

Quando o cliente é hipnotizado e submete-se a uma regressão, uma parte dele está completamente consciente de que se encontra no presente. Ao mesmo tempo, outra parte se acha convencida de que está no passado. É uma experiência que pode ser muito convincente.

A lógica do transe é um dos sinais do transe profundo. Aqui estão os sinais da hipnose que podem ser vivenciados. Não há necessidade de todas essas sensações.

Sensações Internas:

- Uma sensação tão profunda de relaxamento que não se sente vontade de fazer nenhum esforço;

- Sensação de peso, especialmente nos braços e nas pernas;

- Sensação de entorpecimento, formigamento ou insensibilidade nos pés ou nas mãos;

- Sensação de estar flutuando;

- Sensação de estar separado do ambiente de tal modo que os arredores parecem distantes.
Percepções externas:

- Paralisação dos músculos faciais;

- Mudança de tonalidade da pele;

- Imobilidade;

- Alteração da pulsação e da respiração;

- Mudança no tom de voz;

- Relaxamento dos músculos;

- Mudança na temperatura das mãos;

- Tremor nas pálpebras;

- Aumento do lacrimejamento;

- Avermelhamento dos olhos;

- Olhos voltados para cima (em algumas pessoas);

- Levitação dos braços.
HIPNOSE CLÁSSICA E HIPNOSE ERICKSONIANA
Toda concentração, foco num tema específico, provoca um estado alterado de consciência (estados alfa e teta) que, pode ser chamado de transe. O estado de transe é a porta de acesso aos registros inconscientes.

O conceito de hipnose não é unânime. De acordo com o dicionário “Aurélio”, hipnose é o “estado mental semelhante ao sono, provocado artificialmente, e no qual o indivíduo continua capaz de obedecer às sugestões feitas pelo hipnotizador”.

Segundo a “American Psycological Association”, numa definição publicada em 1993, a “hipnose é um procedimento, durante o qual um pesquisador ou profissional da saúde, sugere que um cliente, paciente ou indivíduo, experimente mudanças nas sensações, percepções, pensamentos ou comportamentos”.

Entre os conceitos já aceitos, hipnose é “um estado natural de consciência, diferente do estado de vigília”.

O “estado hipnótico”, sempre existiu (estado hipnótico é diferente de indução hipnótica formal). Sociedades primitivas já usavam tambores para induzir (sem saber), um estado de transe. Outros exemplos são a imposição das mãos para curas no tempo de Cristo e o toque real, na Idade Média (acreditava-se que o monarca, tinha o poder de cura, pela imposição das mãos. O rei Eduardo, 1066, o confessor da Inglaterra foi quem introduziu o toque real – através do toque na cabeça dos doentes, conseguia a melhora dos sintomas – sugestão). No oriente o ioga é outra forma de hipnose. Os sacerdotes gregos e egípcios usavam a hipnose há dois mil anos atrás, no tratamento de várias doenças.
Hipnose clássica:


  • Século XXX a.C.:

No Egito, os sacerdotes induziam certo tipo de estado hipnótico nos “Templos do Sono”.


  • Século XVIII a.C.:

Na China, sacerdotes induziam um transe, para buscar a aproximação entre os pacientes e seus antepassados.


  • Mitologia grega:

Filho de Apolo e Coronis, Asclépius aprendeu com o centauro Quíron, um tipo de sono especial que, curava as pessoas.


  • Século XI:

Avicena (Abu Ali al-Husayn ibn Sina, 980 – 1037), sábio, filósofo e médico iraniano, acreditava que a imaginação era capaz de adoecer e de curar pessoas.


  • Século XVI:

Paracelso (Philippus Aureolus Theophrastus Bombastus von Hohenheim – 1493- 1541), médico naturalista, pai da medicina hermética, acreditava na influência magnética das estrelas na cura das pessoas doentes. Confeccionava talismãs com inscrições planetárias e zodiacais. Acreditava que o ser humano tinha uma “força interior”. Introduziu o imã como elemento de cura (magnetos).


  • Século XVIII em diante:

- Franz Anton Mesmer (1734- 1815), foi considerado o pai da fase científica da hipnose. A história moderna da hipnose começou com ele. Mesmer trabalhava com o sacerdote jesuíta, Maximilian Hell, que era astrônomo real em Viena. Eles usavam ímãs no tratamento de vários casos de histeria. Mesmer acreditava que as curas eram produzidas pela redistribuição de algum tipo de fluido, que ele chamou de “magnetismo animal”.

Mais tarde, Mesmer passou a dizer que ele possuía forças especiais e que seus pacientes eram curados quando raios magnéticos fluíam de seus dedos. Em 1778, mudou-se para Paris. Em 1784, foi investigado por uma comissão (Benjamin Franklin, Lavoisier, Dr. Guilhotin, etc.), que chegou à conclusão que as “curas” de Mesmer eram resultado da imaginação dos pacientes e, denunciaram Mesmer por fraude.

O fato é que, mesmo desacreditado, Mesmer lançou as bases que fundamentaram a psiquiatria dinâmica moderna e, suas pesquisas levaram a um melhor entendimento das relações entre sugestão hipnótica e a psicoterapia. Desprestigiado e, abandonado, foi para a Suíça. Morreu em Meesburg, em 1815.


  • Marquês de Puységur (1751- 1825) – Discípulo de Mesmer. Descobre o sonambulismo artificial. Deixa vários discípulos, entre eles, o padre José Custódio de Faria, o Abade Faria.




  • Abade Faria (1755- 1819) – Estudou a fundo o hipnotismo e, concluiu que não havia influência fluídica na obtenção dos fenômenos hipnóticos.




  • John Elliotson (1825- 1893) – Professor de medicina em Londres – em 1838, inventou o estetoscópio. Seguiu as idéias de Mesmer. Foi interditado pela prática do mesmerismo.




  • James Braid (1795- 1860)- Médico inglês. Em 1841, desenvolveu a técnica de fixação visual para a indução de estados de relaxamento e chamou-a de “hipnose”. Ele pensava que a hipnose era idêntica ao sono, “hypnos”, em grego.

- James Esdaile (1845- )- Cirurgião escocês. Trabalhou nas florestas da Índia, fazendo cirurgias em nativos, usando anestesia mesmérica – amputações de pernas, remoção de tumores de próstata, etc. Os casos foram documentados. Mesmo assim, quando voltou à Inglaterra foi ridicularizado e esquecido.


- Ambroise- Auguste Liebault (1823- 1904) – França, e Bernheim (1840- 1904), trataram cerca de dez mil pacientes com hipnose (1886).


  • Jean Martin Charcot (1825- 1893)- França. Discordou das idéias de Bernheim e Libault, de que a sugestão era um fator importante na hipnose. Charcot afirmava que era apenas outra forma de manifestação da histeria. Charcot retomou a teoria de Mesmer sobre o magnetismo animal. Com o tempo, a história foi provando que Charcot estava errado e Bernheim e Liebault certos.




  • Ivan Pavlov (1849- 1936) – Médico russo que, definiu o transe como um “sono incompleto”, causado por sugestões hipnóticas. Estas sugestões provocariam uma excitação em algumas partes do córtex cerebral e inibição em outras partes. Criador da indução reflexológica.




  • Pierre Janet (1849- 1947)- Francês que descreveu o transe como uma dissociação. Introduziu o termo subconsciente para diferenciar do inconsciente.




  • Sigmund Freud (1856- 1939) – Interessou-se pelo trabalho de Bernheim e Liebault. Porém, posteriormente, rejeitou a hipnose, por considerá-la “superficial”. Isso atrasou o seu desenvolvimento em, pelo menos, cinqüenta anos.




  • Ernest Simmel (1918) - Psicanalista alemão. Tratou soldados com neurose de guerra (Primeira Guerra Mundial) com hipnose e, chamou a técnica de hipnoanálise. Ele juntou à hipnose técnicas psicodinâmicas.




  • Hadfield e Horsley e mais tarde Grinver e Spiegel- durante a Segunda Guerra Mundial, de 1939 a 1945, usaram barbitúricos para induzir um estado de hipnose medicamentosa (narcossíntese), com o objetivo de trazer à tona o material traumático.

A fusão da hipnose com a psicanálise foi um dos mais importantes avanços médicos decorrentes da Primeira e Segunda Guerras Mundiais.


Hipnose moderna ou ericksoniana:



  • Milton Erickson (1901- 1980) – Psiquiatra norte-americano. Ele é considerado o pai da hipnose médica moderna. Erickson criou uma nova abordagem, baseada no resgate dos recursos internos do paciente. O seu método consistia em utilizar aquilo que o paciente trazia em si, como algo de mais forte, mais do que analisar ou dar ênfase às suas fragilidades. Ao contrário da hipnose clássica, onde o hipnotizador tinha o poder de sugestionar o paciente passivo e dominado em sua vontade, Erickson desenvolveu um método em que usava os próprios recursos do paciente, deixando que as coisas acontecessem naturalmente. Seu método é considerado naturalista.

De acordo com Milton Erickson, hipnose é a “suscetibilidade ampliada para a sugestão, tendo como efeito uma alteração das capacidades sensoriais e motoras para iniciar um comportamento apropriado”.

Erickson percebeu a natureza multidimensional do transe, que se modifica experiencialmente de pessoa para pessoa. “Deve-se reconhecer que uma descrição, não importa quão precisa ou completa seja, não irá substituir uma experiência real, nem tão pouco poderá ser aplicável a todos os pacientes .”(Milton Erickson). Erickson não usava nenhuma indução clássica mas sim uma indução especial e única para cada paciente, fazendo com que, o paciente se tornasse seu próprio indutor.


- BIBLIOGRAFIA:
-Maçonaria:

- Aslan, Nicola - “Instruções para Lojas de Perfeição” - São Paulo, Editora A Trolha, 1994;

- Bacelar, Mário Leal - “Espiritualização da Maçonaria” - Rio de Janeiro, Editora Mandarino, 1983;

- Beck, Ralph T. - “A Maçonaria” – São Paulo, Editora Planeta do Brasil, 2005;

- Blanc, Cláudio - “Maçonaria Sem Mistério” - São Paulo, Editora Nova Leitura, 2006;

- Browne, Sylvia - “Sociedades Secretas” - São Paulo, Editora Prumo, 2008;

- Camino, Rizzardo da - “Kadosch” - Rio de Janeiro, Editora Aurora, 1980;

- Camino, Rizzardo da - “Ritualística Maçônica” - São Paulo, Editora Madras, 1998;

- Camino, Rizzardo da - “A Maçonaria e o Terceiro Milênio” - São Paulo, Editora Madras, 2005;

- Castellet, Alberto Victor - “O que é a Maçonaria” - São Paulo, Editora Madras;

- Cocuzza, Felippe - “A Maçonaria na Evolução da Humanidade” - São Paulo, Editora Ícone, 1994;

- Couto, Sérgio Pereira - “Sociedades Secretas” - São Paulo, Editora Companhia dos Livros, 2004;

- Couto, Sérgio Pereira - “Maçonaria” - São Paulo, Editora Universo dos Livros, 2005;

- Couto, Sérgio Pereira - “Maçonaria para Não - Iniciados” – São Paulo, Editora Universo dos Livros, 2007;

- Debortoli, Irene R. - “Mistérios da Fauna À Luz da Maçonaria” - Minas Gerais, 2000;

- Ebram, José - “A Alma Maçônica” - São Paulo, Editora Madras, 2003;

- Fagundes, Morivalde Calvet - “Maçonaria: Espírito e Realidade” - Rio de Janeiro, Editora Aurora, 1982;

- Horne, Alex - “O Templo do Rei Salomão na Tradição Maçônica” – São Paulo, Editora Pensamento, 1972;

- Jacq, Christian - “A Franco-Maçonaria” - Rio de Janeiro e São Paulo, 1977;

- Knight, Christopher e Lomas, Robert – “A Chave de Hiram” – São Paulo, Editora Landmark, 2007;

- Leadbeater, C. W. - “A Vida Oculta Na Maçonaria” - São Paulo, Editora Pensamento, 1969;

- Mackey, Albert G. - “O Simbolismo da Maçonaria - Volume 1” - São Paulo, Editora Universo dos Livros, 2008;

- Mackey, Albert G. - “O Simbolismo da Maçonaria - Volume 2” – São Paulo, Editora Universo dos Livros, 2008;

- MacNulty, Kirk W. - “Maçonaria - Uma Jornada Por Meio do Ritual e do Simbolismo” - São Paulo, Editora Madras, 2006;

- Mansur Neto, Elias - “O Que Você Precisa Saber Sobre a Maçonaria” - São Paulo, Editora Universo dos Livros, 2005;

- Monteiro, Eduardo Carvalho - “O Esoterismo na Ritualística Maçônica” - São Paulo, Editora Madras, 2006;

- Robinson, John J. - “Nascidos do Sangue - Os Segredos Perdidos da Maçonaria” – São Paulo, Editora Madras, 2006;

- Revista Superinteressante - Editora Abril - Agosto/2006;

- Revista Superinteressante - Editora Abril - Setembro/2005;

- www.portalmaconico - Google.


- Programação Neurolingüística:
- Andreas, Connirae e Andreas, Steve - “A Essência da Mente” - São Paulo, Editora Summus, 1993;

-Andreas, Steve e Faulkner, Charles - “A Nova Tecnologia do Sucesso” - Rio de Janeiro, Editora Campus, 1995;

- Bandler, Richard - “Usando Sua Mente” - São Paulo, Editora Summus, 1987;

- Bandler, Richard e Grinder, John - “Sapos Em Príncipes” - São Paulo, Editora Summus, 1982;

- Chung, Tom - “Qualidade Começa em Mim” - São Paulo, Editora Maltese, 1994;

- O’ Connor, Joseph e Seymour, John - “Introdução À Programação Neurolingüística” - São Paulo, Editora Summus, 1995;

- Robbins, Anthony - “O Poder Sem Limites” - São Paulo, Editora Best Seller, 1987;

- Spritzer, Nelson - “O Novo Cérebro” - Porto Alegre, Editora L&PM, 1996;


- Outros:
- Blainey, Geoffrey - “Uma Breve História do Mundo” - São Paulo, Editora Fundamento Educacional, 2008;

- Bontempo, Márcio - “A Sociedade Planetária” - São Paulo, Editora Best Seller, 2000;

- Ferguson, Marilyn - “A Conspiração Aquariana” - Rio de Janeiro, Editora Nova Era, 1997;

- Mailer, Norman - “Noites Antigas” - Rio de Janeiro, Editora Nova Fronteira, 1983;

- Morris, Desmond - “O Macaco Nu” - São Paulo, Editora Círculo do Livro, 1975;

- Muck, Otto - “O Fim da Atlântida” - São Paulo, Edições Melhoramentos, 1978;

- Sagan, Carl - “Os Dragões do Éden” - São Paulo, Círculo do Livro, 1977;

- Santos, Horta - “O Tempo e a Mente - O Universo Inteligente” - Rio de Janeiro, Editora Nova Era, 1998;

- Watson, Lyall - “O Macaco Onívoro” - Rio de Janeiro, Editora Expressão e Cultura, 1974;

- Sitchin, Zecharia – “A Escada para o Céu” – São Paulo, Editora Best Seller, 2002;



- Wenger, Win - “Aumente Sua Inteligência” - Rio de Janeiro, Editora Record, 1993;





Martha Follain – CRT 21524 – São Paulo - SP

Currículo resumido:

Bacharel em Direito pela UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro);
Formação Básica em Programação Neurolingüística (PNL) - Clínica Dr. Yuji Eguchi;
Curso de Introdução à PNL pela Sociedade Brasileira de PNL com Gilberto Craid Cury (Presidente da Associação Brasileira de PNL);

Formação em PNL - Espaço EF - Terapias Alternativas e Holísticas;

Formação em PNL - Practitioner pela Quantum Leap do Brasil (ESPNL – Escola Superior de PNL);
Master Practitioner pelo Instituto de Ciências Neurolingüísticas - North American Association of Neurolinguistic Programming - Tom Chung;
Cursos Internacionais na Sociedade Brasileira de Programação Neurolingüística com Steve Andreas;

Treinada por John Grinder (co-criador da PNL) em PNL aplicada ao atendimento terapêutico, comunicação, metáforas e alta negociação. Palestrante convidada pela Quantum Leap Inc. para o Seminário Internacional de John Grinder, “Therapeutic Tools”, por ser considerada uma entre os nove melhores neurolingüistas brasileiros, por seu trabalho inovador e criativo: “PNL e Teatro Interativo-: Crescimento no Processo Terapêutico” - 1996 - São Paulo;


Curso “Introdução ao Pensamento de Wilhelm Reich - da Psicanálise à Orgonomia”-Associação Wilhelm Reich do Brasil;
Hipnoterapeuta com Formação em Hipnose Clínica – Clínica Insight;
Formação em Hipnoterapia Ericksoniana - Espaço EF - Terapias Alternativas e Holísticas;
Curso “EMDR (“Eye Movement Desensitization and Reprocessing”) e a Cura do Trauma” - Núcleo de Estudos do Estresse Pós-Traumático;
Curso "Simbologia Sagrada" - Espaço EF - Terapias Alternativas e Holísticas;
Curso "Análise de Sonhos" - id;
Curso "Religiões e Seitas" - id;

Curso “Semiótica”; id;

Curso “Transtornos Somatoformes” – id;
Terapeuta de Regressão com Formação em Regressão - atendimento clínico – Clínica Insight e Curso Avançado em Regressão, no mesmo Instituto;
Curso Internacional de Regressão a Vidas Passadas - Associação Brasileira de Estudos e Pesquisa em Terapias de Vivências Passadas (ABEP – TVP) - Hans TenDan;
Professora da Clínica Insight para os Cursos de PNL, com Maria Paula Tonini por um ano;
Terapeuta Floral de Bach com Formação pela Clinica Insight;
Dois níveis em Formação em Florais de Bach para Uso em Humanos pelo Instituto Bach;
Formação em Florais de Bach para Uso em Animais pelo Instituto Bach;
Dois níveis de Reiki com a Mestra Independente Maria do Carmo Pessini;
Criadora do “Método de Ensino e Aprendizado de Danças de Salão com PNL”;
Criadora do “Método de Atendimento Terapêutico a Grupos com Teatro Interativo e PNL"com os Grupos de Teatro “Teatro Vivo” e “Macaca Fuscata”;
Formação em Terapia Ortomolecular - Espaço EF - Terapias Alternativas e Holísticas;
Formação em Fitoterapia Brasileira - Espaço EF - Terapias Alternativas e Holísticas.;
Formação em Terapia Floral de Minas - Espaço EF - Terapias Alternativas e Holísticas;
Formação em Terapia de Integração Craniossacral - Espaço EF - Terapias Alternativas e Holísticas ;
Formação em Cromoterapia - Sílvia Fávero;
Formação em Cristaloterapia - Espaço EF - Terapias Alternativas e Holísticas;
Formação em Cromoterapia - id;
Formação em Bioeletrografia - id;
Curso de Numerologia Pitagórica para Autoconhecimento - ABRAN - Associação Brasileira de Numerologia Pitagórica - Rosana Machado;
Formação em Aromaterapia - Alternativa Holística - Grupo Alternativa Consultoria Ltda;
Formação em Cromoterapia – id;

Formação em Psicoterapia Holística – id;

Consultora da Phytoterápica, Fornecedora e Distribuidora de óleos essenciais – www.phytoterapica.com.br .

Entrevistas:
- Revista do Pit Bull;
- Revista Pet Shop;
- Revista Bem Estar;
- Revista Mais Atitude;

- Revista Pense Leve;


- Jornal Gazeta do Ipiranga;
- Jornal Magus;
- Jornal da AFEMI (Associação Feminina das Servidoras Públicas do Brasil);
- Jornal 3º Milênio;
- Jornal Vida Integral;

- Jornal Diário da Região – São José do Rio Preto;

- Revista da Folha – Jornal Folha de São Paulo;

- Revista da Hora – Jornal Agora – SP;

- Site www.juntos.com (para Brasil, Venezuela e México);

- Site www.maniapet.com.br

- Site www.anda.jor.br

- Site www.papodepet.com.br



Outras informações

Criadora e articulista do site “Florais e Cia” www.floraisecia.com.br


Criadora dos Grupos:
Proteção dos Direitos dos Animais, Ecologia, Vegetarianismo, Terapias Holísticas,  etc.:
santapaciencia-subscribe@yahoogrupos.com.br    
e
macacafuscata@yahoogrupos.com.br

Criadora do Grupo de Debates sobre Terapias Não Convencionais “Santa Ignorância!”: santaignorancia@yahoogrupos.com.br



     


E-mails
mfollain@terra.com.br
follain@floraisecia.com.br
Artigos Publicados:

upar.indaiatuba.info

www.territorioselvagem.org.br

www.apascs.org

www.direitoanimal.org

www.portaldopug.com.br

www.portalkids.com.br

www.absolutaonline.com.br

www.alferes20.org

www.retira.net

www.pedreiro-livre.blogspot.com
OBRA REGISTRADA NA BIBLIOTECA NACIONAL – DIREITOS AUTORAIS.


Compartir con tus amigos:
1   2   3   4   5


La base de datos está protegida por derechos de autor ©psicolog.org 2019
enviar mensaje

    Página principal
Universidad nacional
Curriculum vitae
derechos humanos
ciencias sociales
salud mental
buenos aires
datos personales
Datos personales
psicoan lisis
distrito federal
Psicoan lisis
plata facultad
Proyecto educativo
psicol gicos
Corte interamericana
violencia familiar
psicol gicas
letras departamento
caracter sticas
consejo directivo
vitae datos
recursos humanos
general universitario
Programa nacional
diagn stico
educativo institucional
Datos generales
Escuela superior
trabajo social
Diagn stico
poblaciones vulnerables
datos generales
Pontificia universidad
nacional contra
Corte suprema
Universidad autonoma
salvador facultad
culum vitae
Caracter sticas
Amparo directo
Instituto superior
curriculum vitae
Reglamento interno
polit cnica
ciencias humanas
guayaquil facultad
desarrollo humano
desarrollo integral
redes sociales
personales nombre
aires facultad