Encontro Nacional “Disseminação do Projeto Bibliotecas Comunitárias – bcs”



Descargar 81.33 Kb.
Fecha de conversión20.05.2018
Tamaño81.33 Kb.


XXXIII Congreso Internacional de Fe y Alegría

La Pedagogía de la Educación Popular en Fe y Alegría”



Aportes de Fe y Alegría – Brasil para la elaboración del

Documento Base del Congreso1

PARTE I
Para nosotros en Fe y Alegría Brasil, la propuesta del documento base para el XXXIII Congreso Internacional de Fe y Alegría, lo consideramos una excelente sistematización de su labor y producción pedagógica al largo de sus años.

Sentimos todavía que el mismo (documento) no representa una actualización, del punto de vista de ayudarnos a repensar, redefinir nuestro trabajo pedagógico para el mundo de hoy, que no es el mismo de los largos años en que Fe y Alegría hizo historia junto con las poblaciones de A.L. El documento desarrolla mucho sobre lo que es la pedagogía de Fe y Alegría, pero no explicita de cómo ella se traduce en su práctica.

Vivimos hoy en un mundo, globalizado, con enormes desigualdades sociales. Del punto de vista de gobierno, este está cada vez más conducido por una pequeña elite (cúpula) que comanda a partir de un proyecto de mundo y sociedad en función del mercado. Segundo la visión de las elites que gobiernan, el mercado está al servicio de los intereses de los que detienen un PIB aventajado sobre los demás (en caso de las Ameritas = EUA pensando en el ALCA, que se ponen afortunadamente sobre todos con un PIB de 73% de todas las Américas).

Tenemos que preguntarnos sobre: ¿Cual es la pedagogía que efectivamente prepara, que empodera la gente de forma que puedan contribuir y participar en la construcción de un Proyecto de mundo y sociedad nueva? ¿Cual pedagogía que empodera para la negociación de forma globalizada, con una propuesta de proyecto de mercado y sociedad, que no esté centrado en el mercado al servicio de una elite? ¿Cuál la pedagogía prepara para concebir un proyecto de sociedad centrado en la vida, que construya solidariedad, valora los recursos naturales,..., que del punto de vista de un patrimonio a ser relegado para nuestras generaciones, se sobrepone en mucho al PIB que y de los capitales que EUA detienen hoy. Pero se las sociedades hoy no son capaces de ayudar a pensar y negociar un proyecto visto a partir de los reales intereses de las sociedades de las Américas, entonces estamos malos, pues el proyecto neo-liberal del ALCA, tal como está siendo concebido corromperá todo este patrimonio en “basura” para nosotros y para las generaciones futuras.

Tenemos que pensar nuestro proyecto pedagógico con visión de mundo y sociedad a partir de la ótica del contexto con tal magnitud.
Hoy no basta que sensibilicemos los alumnos y formarlos para que sean solidarios, disciplinados, sepan colaborar, con visión de mundo e sociedad local, regional o nacional. Por eso proponemos que se integre en el documento, de forma desarrollada como las demás, una Pedagogía del Inconformismo y Indignación Etica, que sea concebida y se desarrolle una visión y forme las personas a partir de las grandes cuestiones del mundo, tales como el medio ambiente, el mundo tecnológico moderno; que prepare y capacite a los alumnos para interaccionaren con los demás en este mundo; forme a ellos, para que sepan dimensionar los significados y consecuencias de lo que está en juego; forme para que aprendan a liderar la concepción, la negociación y gestión de proyectos en función de la vida de todas las personas, en un mundo globalizado y no solamente en función de un mercado que está concebido para los intereses de una cada vez menor elite, que manipula todo y todos en función de este. Una pedagogía del empoderamiento implica necesita formar, calificar, capacitar los involucrados y beneficiarios del trabajo de Fe y Alegria con una visión y perfil de capacidad de interaccionaren en un mundo complejo y globalizado.

La Pedagogía del Inconformismo y Indignación Ética supone también que se desarrolle una pedagogía del ATREVIMIENTO, que a partir del Mágis Ignaciano busque de forma permanente la excelencia, en que hay siempre un topo de perfección a ser atingido, coste lo que costar.

La propuesta del Documento para el XXXIII Congreso Internacional de Fe y Alegría, no contempla, de forma clara y objetiva lo que propone la convocatoria, el referente a los antecedentes, de la parte 3, punto sexto, final de la página 2 e inicio de la 3, como sigue abajo:


  1. Antecedentes

En Fe y Alegría asumimos la Educación Popular como una propuesta ética, política y pedagógica para transformar la actual sociedad. El punto de partida de la Educación Popular es el convencimiento de que la actual sociedad necesita ser transformada. La igualdad es un punto de partida y de llegada: porque afirmamos la igualdad esencial de todos los seres humanos, trabajamos por una sociedad sin excluidos, que permita a todos y cada uno aportar desde sus diferencias. Nuestra opción se traduce en una lucha tenaz y perseverante contra la pobreza y la exclusión, contra sus causas históricas y estructurales. En consecuencia, optamos por una pedagogía y una metodología coherentes con nuestra opción ética y política. Pedagogía para la transformación y no para la adaptación.

Pero más allá de la referencia explícita a la pedagogía que aparece en el Ideario,(siguen la introducción y los 5 primeros puntos, sobre los antecedentes, hasta el sexto que transcribimos a seguir, en que nosotros destacamos de forma grifada):

  • La productividad y el aprendizaje: Fe y Alegría debe asumir en todos sus programas el reto de la productividad. Producción de vida, de calidad de vida. ¿Cómo organizar intencionalmente contextos para producir conocimientos, competencias, soluciones, habilidades y valores, según el modelo de persona y de sociedad que buscamos. ¿Cómo se enseña a aprender, de modo que el educando adquiera la capacidad de acceder a un pensamiento cada vez más autónomo e independiente, que le va a permitir seguir aprendiendo siempre?. ¿Qué se puede hacer para ayudar/orientar mejor a los maestros para que desarrollen las competencias básicas, en especial de expresión oral, lectura, escritura, estimación, cálculo, pensamiento lógico, resolución de problemas? ¿Cómo se asumen creativamente los nuevos retos del desarrollo y la cultura tecnológica? ¿Cómo integrarla en la propuesta educativa?

Nosotros acrecentamos las preguntas sobre ¿Con cuales referencias trabajamos nuestra pedagogía de educación popular, de forma promueva una cultura con visión, que eduque para valorar y conservar el medio ambiente, los recursos naturales? ¿ Cual pedagogía desarrolle una visión que conciba tales recursos dadivas de Dios como BIEN-COMUN, enguanto capital patrimonial para todas las sociedades?


PROPONEMOS CAMBIAR O QUITAR EM LA PROPUESTA DEL DOCUMENTO:
El Párrafo 26: Tal como está, puede proporcionar una formación para ele conformismo de nuestros agentes y alumnos y no necesariamente sean capaces para de forma creativa, atrevida, inconformados y indignados éticamente se movilicen para participaren de la concepción y desarrollo de un proyecto de transformación social.
Párrafo 39: En esta forma de concepción de diálogo, se presupone que todos estén en el mismo nivel, honestos y bien intencionados. Si partimos del contexto mundial y de nuestras sociedades, en que hay tantas y enormes desigualdades, los espacios de participación, bases a partir del cual se debe dialogar para concebir un proyecto de sociedad son extremamente exigentes y exigen, dependiendo del nivel, enorme calificada capacidad de proposición y de negociación.
Párrafo 66: Para este proponemos la redacción = La espiritualidad consiste en ser fieles hoy al proyecto de Jesús: lucha por la vida, la dignidad y el derecho de las personas. La causa de Jesús no fue la religión, sino la vida. Jesús hizo presente el Reino de Dios dando vida, dignificando la vida de los seres humanos, siendo solidario con los débiles y excluidos, con los “nadies” de este mundo. Seguir a Jesús implica proseguir su misión hasta conseguir el Reino. Jesús se opuso con tenacidad al poder opresivo y promovió y practicó el poder que empodera, que ayuda, que hace crecer, el poder de servicio. Nunca aceptó a los que intentaban dominar a los demás desde cualquier forma de poder: económico (ricos), sagrado (sacerdotes), político (ancianos), doctrinal (escribas), normativo (fariseos), y reprendió a sus discípulos que querían ser los primeros en el Reino. El que quería ser el primero debía ponerse de último y ser el servidor de todos.
Párrafos 69 y 70: Quitarlos, pues connotan una condición peyorativa de los destinatarios de la acción de Fe y Alegría. Por más que las personas viven en condición personal y social de “golpeados”, tenemos que considerarlos a partir de su dignidad, con capacidades y portadores de valores culturales que puedan hasta enriquecer nuestras prácticas educativas. Tenemos que concebirlos como ciudadano.
Observación:

Creemos que podrá ayudar a los encargados de elaborar el documento base para el XXXIII Congreso de Fe y Alegria, conocer documento sobre el ALCA, que Ignacio Neutzling sj, UNISOS, São Leopoldo / Rio Grande do Sul / Brasil, elaboró a pedido de los Coordinadores del Apostolado Social de la CPAL. El documento está en manos de Jorge Cella sj - Republica Dominicana - encargado en hacer una traducción del documento de Ignacio Neutzling sj, para el Español. El objetivo del documento será publicarlo en los medios de divulgación (revistas, cuadernos,…) de las provincias jesuitas de A.L. Ya les encaminamos una versión en portugués del documento.



Contribuições da Prática Educativa de FyA Brasil


 

1. As contribuições de FyA do Brasil para o XXXIII Congresso Internacional tem como referência o Projeto TUDOHAVER2, um trabalho desenvolvido pelo Sub-Regional Minas Gerais, junto a coordenadores e educadores de 76 programas de atendimento comunitário, em horário alternado ao da escola, a crianças e adolescentes de 6 a 14 anos, em Belo Horizonte.

 

2. Segundo a educadora brasileira Sônia Kramer, "uma proposta pedagógica é um caminho, e não um lugar... toda proposta contém uma aposta. Nasce de uma realidade que pergunta e é também busca de uma resposta. É, pois, um diálogo. Toda proposta é situada: traz consigo o lugar onde se fala e a gama de valores que a constitui: traz também as dificuldades que enfrenta, os problemas que precisam ser superados e a direção que a orienta..."



 

3. Neste sentido, a proposta educativa de FyA, no Projeto TUDOHAVER, contempla três princípios fundamentais:



  • O Ético, na medida em que sistematiza uma concepção de criança e adolescente e entende o processo de formação humana na diversidade de suas dimensões;

  • O Pedagógico, que se explicita no ato de sistematizar, de organizar dentro de uma lógica princípios, objetivos, senso estético e metodologias comuns a partir do debate, agregando valores, articulando conhecimentos, práticas, perguntas, questões e reflexões sobre a missão dos programas sócio-educativos e;

  • O Político, pelo exercício de articulação de uma rede, na medida em que se constrói consensos e compromissos acerca do desenvolvimento local, contribuindo para o fortalecimento pessoal e social de crianças e adolescentes, educadores, familiares e lideranças comunitárias.

 

4. No âmbito gestão e organização interna da instituição existem Critérios de Qualidade a serem observados nos seguintes aspectos:



 

         Administração



  • Apoio técnico e financeiro do poder público.

  • Processos de planejamento e avaliação sistemáticos e coletivos

  • Condições adequadas para a formação dos profissionais

  • Atenção especial ao bom relacionamento interpessoal e interinstitucional

         Espaço Físico

  • Ambiente seguro, limpo, aconchegante e estimulador para os seus usuários

  • Acessibilidade para os portadores de deficiência

  • Espaços de circulação e bom sistema de iluminação e ventilação

  • Móveis e equipamentos em bom estado de conservação e que respondem às necessidades pedagógicas da instituição

          Organização

  • Participação em fóruns interinstitucionais

  • Adequada proporção do grupo de crianças/adolescentes por educador ed considerando o espaço físico

  • Arquivo atualizado com fichas de identificação, desenvolvimento e controle de freqüência dos alunos

          Higiene, Nutrição e Saúde

  • Serviços de infra-estrutura básica (coleta de lixo, água tratada , rede de esgotos, ...)

  • Ações de saúde desenvolvida de forma articulada com o serviço público

  • Alimentos armazenados de forma organizada de acordo com sua perecividade e os produtos tóxicos longe do alcance das crianças

  • Alimentação balanceada e servida com cordialidade

Outros Critérios de Qualidade

  • Regularização da situação trabalhista

  • Estabelecimento de jornada de trabalho de, no máximo, 44 horas semanais

  • Existência de coordenador pedagógico e coordenador administrativo

  • Definição e implantação de cargos e salários.

5. No desenvolvimento da ação sócio-educativa, o Plano de Trabalho e Avaliação - PTA é o instrumento metodológico que ilumina a coerência da organização cotidiana do trabalho e, até mesmo, a (re) elaboração da proposta político-educativa e contempla oito eixos fundamentais:

  • Aprendizagem

  • Identidade e socialização

  • Cultura e arte

  • Saúde e meio ambiente

  • Família

  • Formação de educadores

  • Atendimento em rede

  • Trabalho3

6. O Plano de Trabalho e Avaliação constitui-se de seis elementos essenciais:

  • Objetivos: resultado do diagnóstico da realidade

  • Objeto: retirado do objetivo e concentra a essência da descrição desse objetivo

  • Dimensões: apontam os diversos aspectos que esse objetivo contém

  • Perguntas: apresentam quais são as questões relevantes que precisamos respondem para alcançar o objetivo

  • Atividades: são as respostas encontradas para as situações concretas, ou seja, são os caminhos para a concretização de cada objetivo

  • Indicadores: são os aspectos observáveis identificados nas diversas situações do cotidiano que revelam o alcance do objetivo.


PLANO DE TRABALHO E AVALIAÇÃO - PTA
Objetivo 1 : Promover a construção da identidade pessoal e a socialização.
Objeto: Identidade Pessoal e Socialização4
Dimensões: Integração; auto-estima; respeito mútuo; comunicação; discernimento; autonomia; noção de limites; diálogo; participação; senso crítico; cooperação; interação; cidadania; amizade; solidariedade; auto-conhecimento; afetividade; responsabilidade; respeito às diferenças; inclusão social; ética; desejo; reconhecimento dos espaços e bens públicos; persistência; formação humana; espiritualidade4
Perguntas: Como desenvolver a capacidade de escolha? Qual a melhor forma para que as crianças e adolescente possam participar das atividades em grupo? Como acompanhar o desenvolvimento pessoal e social da criança e do adolescente? Como desenvolver atitudes de respeito, participação e solidariedade? Como criar um ambiente de respeito, diálogo e liberdade? Como contribuir para a conscientização da criança/ adolescente sobre seus direitos e deveres? As atividades desenvolvidas e a maneira de resolver os conflitos do grupo tem contribuído para tornar as crianças e jovens mais alegres, solidários, autônomos e integrados? Quais espaços no cotidiano da entidade, são disponibilizados para as crianças e adolescentes serem ouvidos, se expressarem e manifestarem suas opiniões? Como estimular a afetividade e o respeito pelo diferente? Como desenvolver a auto estima? O que trabalhar para promover a construção da identidade pessoal? Como conhecer a história da criança? O que estamos fazendo hoje na entidade para promover a socialização? Como possibilitar a expressão crítica das crianças? Como despertar o interesse pelos trabalhos desenvolvidos nos centros de atendimento? Como promover a apropriação dos bens culturais e materiais sem cair no assistencialismo paternalista? Como estimular responsabilidade na criança e no adolescente? Quais as atividades desenvolvidas junto às crianças e aos adolescentes que propiciam o desenvolvimento de suas habilidades, potencialidades, espírito crítico, considerando os desafios do mundo do trabalho?
Atividades: Discussão com as crianças e adolescentes para planejar as atividades; trabalho em grupo; dinâmicas; roda (conversa, brincadeiras e avaliação); brincadeiras livres e dirigidas; jogos; confraternização; promoção de passeios, excursões, visitas e encontros; intercâmbio das produções coletivas entre os grupos e com outras instituições; realização de torneios esportivos e de gincanas; debates, oficinas temáticas (sexualidade/afetividade, drogas, violência, etc.); painéis e murais; dramatização; construção de autobiografia; atividades de sensibilização e vivências corporais; oficinas de arte e cultura; construção coletiva de regras de convivência; atividades esportivas; apresentação de vídeos.
Indicadores: Crianças e Adolescentes: Brincando em grupo; espontâneos; solidários; entrosados; comunicativos; participativos; questionadores; cuidando da própria aparência; capazes de defender seu própria ponto de vista e respeitar o ponto de vista do outro; capazes de estabelecer relações; alegres e satisfeitos; seguros, confiantes e autônomos; com iniciativa; assíduos; interessados; cientes de seus direitos e deveres; capazes de respeitar as regras construídas coletivamente; cooperativos; receptivos; protagonistas; persistentes.

Entidade : Ambiente harmonioso; espaço físico e mobiliário favorecedor da integração dos grupos.

Objetivo 2 : Promover a aprendizagem de forma dinâmica e criativa, construindo novos conhecimentos e potencializando habilidades individuais a partir do interesse e do desenvolvimento das crianças e dos adolescentes.
Objeto: Aprendizagem
Dimensões: Socialização; auto-estima; desenvolvimento intelectual e emocional; criatividade; autonomia; autocrítica; interdisciplinaridade; contextualização; prazer; questionamento; participação; transformação; cultura; respeito às diferenças; cidadania; lúdico; construção coletiva; solidariedade; motivação; afetividade; limite; curiosidade; experimentação; escolarização; trabalho.
Perguntas: Como desenvolver ao mesmo tempo o equilíbrio emocional e intelectual de crianças e adolescentes? Como despertar a curiosidade das crianças/adolescentes para a busca do conhecimento? Como usar a crítica em favor da transformação? O que fazer para desenvolver autonomia? Como promover a aprendizagem prazerosa? De que forma o planejamento das atividades contempla o interesse ou necessidade do projeto político-educativo ? Como promover a troca de conhecimentos e experiências? Como valorizar cada fase de desenvolvimento? Como desenvolver a criatividade? Que recursos pedagógicos podem motivar a aprendizagem de crianças e adolescentes e como utilizá-los? Como trabalhar ludicamente para favorecer a aprendizagem?
Atividades: Teatro; dança; música; jogos; atividades de linguagem oral; leitura; brincadeiras; dramatizações; rodas de conversas; debates; planejamento coletivo; avaliação coletiva; auto-avaliação; excursões; programações culturais; atividades em grupo; oficina de criação e confecção de jogos e brinquedos; histórias infantis e juvenis; brincadeiras de roda; cantigas dramatizadas; registro de atividades pelas crianças; gincanas e feiras culturais; elaboração de projetos com crianças e adolescentes; visitas à comunidade; trabalho com fotografia; dinâmicas; criação de espaços de escuta e de reflexão das relações afetivas; atividades esportivas e recreativas; produção de diversos tipos de textos; promoção de vivências e reflexões; construção de regras.
Indicadores: Crianças e Adolescentes: Curiosas e autônomas; interessados em literatura; demonstrando prazer e alegria; capazes de produzir idéias e invenções; capazes de utilizar conhecimentos em contextos; diferentes; participativos; interessadas e questionadoras; com iniciativa e espontaneidade; responsáveis;capazes de solucionar problemas; com melhor desempenho escolar; com maior capacidade de expressão e criatividade;

com atitude de parceria (criança/adulto).


Objetivo 3 : Promover a formação continuada e em serviço para todos os envolvidos no processo educativo
Objeto: Formação de Educadores
Dimensões: Atualização; autonomia; inovação; interesse; relacionamento interpessoal; responsabilidade; incentivo; desenvolvimento da ética; trabalho coletivo; valorização dos profissionais; auto-crítica; criatividade; criticidade; envolvimento; flexibilidade; conhecimentos; solidariedade; qualificação; auto-confiança; prazer; auto-estima; autenticidade; oportunidade de crescimento; afetividade; reflexão sobre a prática; planejamento; diversidade.
Perguntas: Como criar espaço de formação em consenso com a comunidade? Como estimular o profissional? Como acompanhar o processo de formação? Que concepção norteará a formação? Como obter meios para valorizar o profissional? O que tem sido feito pela entidade para elevar a auto-estima dos educadores e funcionários? De que maneira a entidade demonstra priorizar a formação do educador? Como as dificuldades apontadas pelos educadores são trabalhadas? Como os educadores têm demonstrado identificação e compromisso com a proposta educativa da entidade? Como garantir a continuidade das concepções pedagógicas nas entidades com rotatividade de educadores? Quais temas devem ser enfocados na formação dos educadores? Como favorecer o desenvolvimento da criticidade e da autenticidade do educador? Como despertar a responsabilidade do educador? Como desenvolver as habilidades do educador? Que mecanismos serão necessários para formação continuada dos educadores? Como programar o tempo de formação dos educadores? Como sensibilizar a diretoria e os educadores para a formação? Como avaliar a formação dos educadores? Que educador é necessário para desenvolver este programa? Como organizar o processo de formação para que o educador seja, também, o sujeito da construção do conhecimento? Como garantir a materialidade para a formação? Qual a formação necessária para o atendimento à criança de 6 anos? Quais aspectos devem ser considerados na formação de educadores de forma a prepara-los para o acolhimento à criança e o adolescente portador de deficiência?
Atividades: Cursos; trocas de experiências; curso supletivo de formação para os profissionais atuantes; buscar recursos próprios; reuniões periódicas de planejamento e avaliação; encontros de formação da equipe; intercâmbio da equipe com outras instituições/entidades; promoção de momentos lúdicos entre a equipe; incentivo a atividades esportivas; trabalhar com os temas: violência, lúdico, sexualidade, violência, drogas, dinâmicas de grupos, processos grupais e outras; participação em cursos e outras iniciativas de formação; avaliação de desempenho profissional; leitura e estudo; palestras; fóruns; seminários e cursos; oficinas; visitas e excursões; filmes; cursos dentro da instituição; desenvolvimento de projetos de formação baseados nas dificuldades demandadas pelos educadores.
Indicadores: Educadores : abertos às mudanças; interessados pelo trabalho; capazes de questionar e argumentar; capazes de aceitar críticas; afetivos; atualizados; presentes e participativos nos eventos; inovadores; capazes de reconhecer seus próprios limites, possibilidades e buscar soluções; assíduos; reflexivos; dedicados; entrosados; criativos; com iniciativa e interessados; participando de cursos internos e externos; estabelecendo melhores relações interpessoais; melhoria da qualidade do plano de trabalho; capazes de buscar e trocar experiências com seus pares; respeitando os usuários e colegas de trabalho;

Entidade : menor rotatividade de educadores; aumento do acervo pedagógico da instituição; com ambiente mais alegre e descontraído; reuniões de estudos, planejamento e avaliações acontecendo sistematicamente;
Crianças e Adolescentes : envolvidas nas atividades; assíduas


Objetivo 4 : Promover a participação efetiva da família, escola e comunidade na construção dos processos de planejamento, execução e avaliação do trabalho
Objeto: Participação da família e da comunidade
Dimensões: Gestão democrática; envolvimento; integração; interação; liberdade de expressão; cidadania; crescimento; transformação; aprendizagem; criatividade; solidariedade; diálogo; participação; interesse; comunicação; compromisso; afetividade; confiança; respeito; receptividade; valorização; planejamento coletivo; troca de experiências; auto-estima; consideração das diferenças; acessibilidade; motivação; conhecimento da realidade.
Perguntas: Qual o papel da família em relação ao programa? Quais os aspectos conhecidos pela entidade com relação às famílias das crianças/adolescentes atendidos? Quais os aspectos conhecidos pela entidade com relação a comunidade em que está inserida? Como despertar o interesse dos pais para uma maior integração com a entidade? Como estimular a participação efetiva da comunidade? Como desenvolver a confiança e o respeito dos pais pelo trabalho da entidade? Como incentivar o afeto no âmbito da família e da instituição? Como favorecer relações afetivas entre família e entidade? Como desenvolver atividades integradoras? Como iniciar o diálogo com as escolas da região? Qual a melhor forma de fazer um planejamento coletivo para atingir a valorização da família, escola e comunidade? Como sensibilizar a equipe do Centro, a família e a comunidade para o planejamento coletivo? Nos dias atuais como tem sido a participação das famílias nas entidades? Qual a importância da integração entre centro/escola/família? Como promover a participação efetiva das famílias para garantir a gestão democrática?
Atividades: Articulação e parcerias com outras entidades e instituições educativas da comunidade; torneios esportivos e artísticos, envolvendo educandos e familiares; presença de profissionais de outras áreas (médicos, psicólogos, etc), nas reuniões com as famílias; parceria com universidades, através de trabalho com estagiários de psicologia, serviço social, pedagogia, etc.; divulgação de informações através de painéis e correspondências; definição coletiva de papéis e atribuições; apresentação e discussão do planejamento anual com as famílias; encontros de formação; gincanas; boletins informativos; avaliação permanente acolhendo e discutindo a opinião das famílias; conversas informais; visitas domiciliares; prestação de contas com transparência; lazer; comemoração de aniversários; envio de cartões e mensagens afetivas; planejamentos conjuntos; mapeamento dos recursos da região cursos de lideranças; contribuição para a formação e fortalecimento de conselhos comunitários; incentivo ao trabalho voluntário5; estímulo para criação de grupos organizados de educandos e pais; estabelecimento de parceria com os programas governamentais.
Indicadores: Participação das famílias dos educandos na organização do programa de atendimento; aumento do interesse, da presença e das ações conjuntas entre membros da família, escola e comunidade; maior envolvimento e participação das famílias na organização do programa de atendimento; crianças mais participativas e seguras; melhoria nas relações de cordialidade entre família, instituição e comunidade; ajuda mútua; disponibilidade da instituição em aceitar e receber as contribuições da família, comunidade, incluindo-as no plano de trabalho e avaliação.
Objetivo 5 : Possibilitar às crianças e adolescentes o acesso ao conhecimento e a vivência de diversas formas de expressão de cultura e arte, resgatando a cultura popular e seus valores, desenvolvendo sua criatividade e oportunizando o seu prazer.
Objeto: Cultura e Arte
Dimensões: Linguagens; emoção; identidade cultural; informação; diversidade; expressividade; comunicação; prazer; subjetividade; individuação; coletividade; interação; espontaneidade; senso crítico; sensibilidade; potencialidades; criatividade; protagonismo; história e memória.

Perguntas: Como ampliar e respeitar a identidade cultural? Como diversificar o universo de brincadeiras? Como estimular o potencial criativo? Como valorizar a diversidade cultural das crianças e adolescentes? Como despertar nas crianças e adolescentes o gosto pela arte? Como desenvolver o senso crítico através da arte? Porque a arte possibilita a exteriorização dos sentimentos? O que e como resgatar a cultura popular e qual a sua influência na formação pessoal? Como desenvolver um ambiente onde a criança possa se expressar artisticamente?
Atividades: Visitas a espaços e eventos culturais diversos; resgate da cultura popular: músicas, festas, medicina, alimentação, danças, tradições, brincadeiras, etc; jogos e brincadeiras; dramatização; confecção de brinquedos com materiais recicláveis; sessões de vídeo comentado; oficinas de arte e cultura diversificadas; produção de painéis temáticos; organização de mostra de cultura e arte; pesquisa sobre origem e tradições da família e da comunidade; atividades de literatura e contação de histórias; registro; pesquisas; festas folclóricas.
Indicadores: Crianças e Adolescentes : Interessados por sua cultura; participativos; freqüentes; capazes de criar, inventar, argumentar , expressar livremente e ser protagonistas; capazes de construir coletivamente; capazes de respeitar as diferenças; capazes de coordenar idéias; capazes de posicionamento crítico; expressivas; interessadas; sensíveis e solidárias;

Entidade : Proporcionando ambiente dinâmico e movimentado.
Objetivo 6 : Promover educação para a saúde e meio ambiente, através de ações que contribuam para o desenvolvimento de hábitos saudáveis e propiciem melhoria da qualidade de vida.
Objeto: Educação para a saúde e o meio ambiente
Dimensões: Respeito e preservação; consciência ecológica; crítica ao consumismo; conhecimento científico; economia; ética; diversidade geográfica; qualidade de vida; relações entre os seres vivos e o meio; solidariedade; hábitos; costumes e valores; cuidados com a saúde e conhecimento do corpo; informação; bem-estar físico, mental e social; auto-estima; responsabilidade; cidadania; identidade cultural; desenvolvimento comunitário.
Perguntas: Como gerar uma atitude de respeito e valorização à vida e ao meio? Como desenvolver uma atitude crítica em relação ao consumismo? Como as entidades podem contribuir para a implementação da Agenda 216? Como desenvolver nas crianças e adolescentes o sentido de integração com o meio ambiente ? Como promover ações visando o bem-estar físico e mental? Como promover ações que valorizem a saúde e a educação ambiental? Como trabalhar as interfaces entre saúde, meio ambiente e cidadania? Como o saneamento interfere na questão da saúde e meio ambiente? Como trabalhar com a criança e o adolescente a construção do conhecimento do corpo e cuidado com a saúde? Como assegurar o direcionamento das atividades de modo a propiciar a participação da comunidade nas ações de preservação do meio ambiente?
Atividades: Oficina de reciclagem; mutirão de limpeza; estímulo à criação e preservação de áreas verdes na instituição, na comunidade e quintais domésticos: plantio de árvores, cultivo de pequenas áreas, hortas, jardins e terrários; elaboração de planejamento com as crianças e as famílias; conhecer a Agenda 21 e os recursos sociais e ambientais da região; passeios ecológicos diversificados, visitas e excursões (com momentos de reflexão – roda); debates com crianças e adolescentes sobre saúde e meio ambiente; buscar intercâmbio com órgãos públicos e ONGs que trabalham com questões ambientais e serviços de saúde; trabalhar noções básicas de saúde e meio ambiente através de: campanhas educativas, palestras, debates, visitas à parques públicos, museus, teatros educativos, vídeos, gincanas e entrevistas; reciclagem e coleta seletiva; campanhas como: “adote um quarteirão”; pesquisa sobre ecologia; identificar e encaminhar casos de desnutrição.
Indicadores: Crianças e Adolescentes : mantendo o espaço limpo; apresentando conhecimentos relativos a saúde bucal, saúde mental, DST/AIDS, efeitos do uso de drogas e de substâncias químicas, gravidez na adolescência , doenças infecto contagiosas, métodos contraceptivos e sexo seguro; conhecendo e utilizando bens e serviços púbicos; participando nas campanhas e atividades de saúde preservação do meio; conscientes de seus direitos e deveres; cuidando do corpo e do meio ambiente; com auto-estima elevada; atuando como agentes multiplicadores; curiosas com relação à natureza; capazes de ajuda mútua, utilização e apropriação adequada dos espaços e recursos coletivos e responsáveis pela conservação da natureza e ambiente onde vivem;

Comunidade: praças, jardins e ruas mais limpas no entorno da entidade; diminuição dos níveis de desnutrição; melhoria e aumento das discussões comunitárias sobre desenvolvimento local e melhoria da qualidade de vida;

Entidade: aumento do interesse e participação dos educandos e famílias por projetos que visem informar e formar consciência sobre saúde e meio ambiente; aumento da interlocução da entidade com serviços da assistência e de promoção à saúde.
Objetivo 7 : Buscar o intercâmbio com outras instituições, visando promoção da criança e adolescente, para troca de experiências e na defesa de políticas públicas.
Objeto: Intercâmbio
Dimensões: Diálogo; envolvimento; cooperação; troca de experiências; interesse ; compromisso; comunicação; interação; integração; parceria ; aprendizagem/conhecimento; abertura; iniciativa; entrosamento; articulação; mobilização; interlocução; informação; formação; ética; solidariedade.
Perguntas: O que é necessário fazer para que haja constante troca de informações e experiências e ao mesmo tempo garantir a articulação política das instituições? Como desenvolver o espírito coletivo em uma sociedade marcada pelo individualismo? Como tornar possível a cooperação entre as entidades envolvidas? Como criar uma rede de articulação política entre as entidades? Quais as instituições podem ser procuradas para o intercâmbio? Como viabilizar a parceria? A quem procurar para estabelecer parcerias? Como garantir o intercâmbio entre as entidades que atendem crianças/adolescentes de 6 a 14 anos? Que iniciativas vão favorecer o crescimento pessoal e institucional? O que e como comunicar? Como promover uma rede de solidariedade entre as entidades? Como integrar as instituições? A integração nos leva a quê? Que ações serão realizadas para garantir o direito da criança e do adolescente? Como garantir um espaço permanente de integração entre as instituições que atendem a crianças e adolescentes de 6 a 14 anos?
Atividades: Criação de um fórum específico de discussão, reivindicação e formação, com regimento próprio, sistematizado, onde se discuta; política pedagógica, relação poder público e instituições, política de saúde e outros; realização de projetos esportivos; pedagógicos e culturais em parceria com outras instituições; visitas às outras entidades; encontros entre educadores; promover encontros de participação em conjunto; troca de informações para elaboração de um catálogo de possíveis parceiros; busca de informações nos Conselhos de Direitos e/ou Comissões locais de usuários; encontros periódicos entre as entidades da rede (6 a 14); realização de mostras; exposições culturais; torneios esportivos e trocas de experiências com outras entidades; promoção de campanhas; participação no Orçamento Participativo, nas Comissões Locais de Assistência Social e Conselhos Regionais de Assistência Social e outras instâncias de discussão da Assistência Social; participação nos fóruns de defesa da criança e do adolescente.
Indicadores: Rede de atendimento mais articulada; realização de projetos em parceria; troca de informações efetiva e permanente; participação em momentos coletivos (reuniões, palestras, fóruns); realização de trabalhos conjuntos, confraternizações, etc; concretização de parcerias; experiências compartilhadas; maior diversidade da programação; inovação; trabalhos mais divulgados; rede de atendimento mais articulada; educadores e coordenadores participando dos fóruns.
7. Finalizamos com as palavras de Paulo Freire, “É preciso compreender o presente não apenas como presente de limitações, mas também de possibilidades”...

São Paulo, 15 de Setembro de 2002



1 La Parte I es la contribución de la Regional Sur. La Parte II es de Minas Gerais- Sub-Regional Centro Leste.

2 Proposta educativa, Atendimento Comunitário a Crianças e Adolescentes, série TUDOHAVER – 4 , Belo Horizonte, Brasil, 2000

3 Neste eixo, entende-se que a formação para o mundo do trabalho, no contexto dos programas voltados para a faixa etária de 6 a 14 anos, já está contemplada no conjunto da proposta, sob a ótica da formação integral.

4 Estes dois processos são centrais na proposta sócio-educativa da instituição, portanto, este objetivo deve ser considerado para o desenvolvimento de todas as demais atividades.

4 Espiritualidade enquanto dimensão intrínseca ao Ser Humano, e não imposição de credos. FyA está desenvolvendo uma proposta específica para esta área.

5 O trabalho voluntário deve ser complementar ao trabalho da equipe, lembrando que um dos mais importantes critérios de qualidade do Programa, defendido pelo poder público é o da regulamentação da situação trabalhista.

6 Agenda 21 é um documento assinado em 1992 por 179 países que traz diretrizes para salvar a vida no planeta. São medidas que dependem da consciência e do exercício cidadão de todos para a melhoria da qualidade de vida.





Compartir con tus amigos:


La base de datos está protegida por derechos de autor ©psicolog.org 2019
enviar mensaje

    Página principal
Universidad nacional
Curriculum vitae
derechos humanos
ciencias sociales
salud mental
buenos aires
datos personales
Datos personales
psicoan lisis
distrito federal
Psicoan lisis
plata facultad
Proyecto educativo
psicol gicos
Corte interamericana
violencia familiar
psicol gicas
letras departamento
caracter sticas
consejo directivo
vitae datos
recursos humanos
general universitario
Programa nacional
diagn stico
educativo institucional
Datos generales
Escuela superior
trabajo social
Diagn stico
poblaciones vulnerables
datos generales
Pontificia universidad
nacional contra
Corte suprema
Universidad autonoma
salvador facultad
culum vitae
Caracter sticas
Amparo directo
Instituto superior
curriculum vitae
Reglamento interno
polit cnica
ciencias humanas
guayaquil facultad
desarrollo humano
desarrollo integral
redes sociales
personales nombre
aires facultad